segunda-feira, 24 de abril de 2017

06x14 - Monday (Segunda-feira)

Diretor: Kim Manners
Roteiro: Vince Gilligan & John Shiban

Resumo: Uma segunda-feira é vivida repetidamente até que termine da forma como deve ser.




Comentários:



[Josi] Declaração inicial: Eu não entendo absolutamente nada de como lidar com situações envolvendo bombas. Quaisquer comentários meus aqui sobre este assunto não devem ser levados à sério de nenhuma maneira. Obrigada. :)


Imagina você assistir a esse episódio pela primeira vez sem ter lido/visto nenhum resumo ou trailer... completamente sem spoiler. Dar uma olhada nessa cara de desespero de Scully e no corpo quase sem vida de Mulder e ficar "?????". Bom, minha estratégia pra esses momentos é lembrar que ainda há muitos episódios à frente e que eles não iriam matá-los agora. Quando prédio explode, só te resta ficar lá pensando qual seria a loucura que eles inventariam dessa vez...

Gosto muito de Monday. Apesar de Mulder, Scully e todos naquele banco morrerem dezenas de vezes numa explosão terrível e de fazerem Pam morrer no final depois de viver um inferno dizendo que é "a coisa certa" (UGH). Enfim, está é, no geral, uma história leve e divertida e nos faz ver Mulder em momentos off-work. O que é raro, visto que esse moço tá sempre catucando em algo. Isso sem contar que vê-lo só com a parte de baixo do pijama é muito... err... bom (para meninos e meninas que querem ver um pouco mais dessas cenas 😉). E vê-lo tropeçando em sua própria bagunça e caindo de cara no chão não tem preço. hehe

Adoro esse primeiro momento depois do teaser em que Mulder certamente está pensando se ele fez xixi nas calças! Aí... geeeeente!!! Aí ele mete a mão na tomada molhada! Não façam isso em casa (nem em lugar algum), crianças!

Para quem também viu e ficou curioso, este é o livro que Mulder está lendo: um guia sobre os chakras... 
É assim que Mulder sabe de um tudo: lendo sobre tudo.





Mulder acerta tudo quanto ao dano no prédio e sai desesperado para depositar o salário na conta. Provavelmente, ele não guarda dinheiro de um mês para o outro. Não me surpreende... com todas essas viagens para o exterior sem o aval do FBI, às vezes ele tem que tirar do próprio bolso. Fora quando ele compra provas questionáveis de vida fora da Terra...

Mulder: "Acho que foi um presente.." - ACHO. Como uma pessoa tão paranoica pode ter aceitado isso tão facilmente?






Sabe uma ideia que me ocorreu agora? Tudo isso aconteceu por causa dessa bendita cama de água de Mulder. Toda aquela palhaçada de ficar brincando com o tempo em Dreamland fez algum rasgo no tecido do espaço-tempo que causou essa falha de agora onde o destino cisma em que uma coisa específica TEM que acontecer.

Sei que a premissa é trágica mas eu gosto muito quando o dia é resetado e tudo se repete, mas um pouquinho diferente. O que faz com que a queda de Mulder seja uma surpresa. hehe... Fora que ele dá a volta todo molhado e... oh ok. *corando*

Quando a cena muda, temos uma visão da vida doméstica de Pam e Bernard. "Eu não vou com você"/ "Olha, não estou pedindo". O cara é abusivo. Que surpresa. *revira os olhos*





Desta vez, Scully é quem vai ao banco e quando Mulder corre pra lá, Bernard e ela estão de armas em punho. Eu sei que bombas são coisas sensíveis e tal e que nem sempre dá pra saber como elas funcionam só numa primeira olhada. Mas no momento em que o rapaz dá todo o indicativo de que vai mesmo detonar a coisa, acho que valeria a pena Mulder tentar atirar nele, não? Sei lá... parece a única chance de salvar todo mundo e eles nem tentam.

Vem a terceira vez em que o dia se repete para a gente e desta vez Mulder já está mais consciente do que acontece. Acredito que ele sinta como um déjà vu beeem forte. Mas... ainda assim... ele tropeça no tênis. #amo

Pam tenta avisar a Scully, mas honestamente? Como ela pode saber que não é alguém criando um grande esquema se aproveitando que eles trabalham nos Arquivos X? Tal como acontece em the great maleeni?

Mulder e Scully são um casal perfeito mesmo, não é? Mulder enche o saco dela com histórias de aliens e ela o dele com a racionalização de absolutamente tudo. E o melhor de tudo é que eles não acham que isso seja encheção de saco... pelo menos não sempre.



Scully descrever Pam como "cabelo tingido" me incomoda um pouco. Apenas porque é uma característica muito comum, não? Assim... Scully mesma tem os cabelos coloridos artificialmente. Talvez ela quisesse dizer "com cabelos em várias tonalidades"... aí sim.

Pobre Pam... condenada a passar pela mesma situação dezenas de vezes seguidas. Sei que muitas pessoas vivem rotinas rígidas com trabalhos repetitivos e tal... mas ao menos você tem algumas coisas aqui e ali que te fazem ter algum certo tipo de ilusão de que você tem controle sobre sua vida. Mas isso que acontece com Pam é simplesmente terrível. Ela luta e luta para mudar as coisas mas só se frustra sempre.

Pam: "Você já me perguntou isso 50 vezes..."
Mulder: "51. Qual é a resposta?"

Tadinha... ela até treme. :/

Mas gente... a cara que Skinner faz quando Mulder sai da reunião em busca de Scully sempre melhora minha saúde um pouquinho! Pobre Skinman.





Dentro do banco, minha agonia continua. Desta vez, mesmo com uma arma apontada pra ele, Bernard não apenas se mexe mas chega até a abrir o casaco sem que haja qualquer comoção para que ele fique imóvel. A bomba fica lá... bem exposta... E NÃO FAZEM NAAAAADA.

O dia recomeça e dá pra sentir que Mulder já não estranha como os eventos se desenrolam. E o pequeno mantra dele ao final do dia anterior funciona pois quando Mulder avista Bernard no banco, ele lembra imediatamente da bomba.




Deixa apenas eu dizer que tenho muito ódio de homens fazendo absurdos por seu próprio ego e dizendo "faço isso por você". Meu amigo, você tá vendo ela pedir por isso??? E mesmo que ela pedisse... OIIIII??? Desenvolva o chamado bom senso. Ugh.

E então tem a pior parte do episódio. Pam morre. E, segundo a narrativa, essa era a coisa correta a acontecer. Só assim Bernard desiste de detonar a bomba e ninguém mais acaba ferido.

Chega um novo dia... o destino está, enfim, satisfeito. [/Josi]


[Cleide] Muito antes de ser modinha, e de Dr. Estranho barganhar com Dormamun


Filmes como “Feitiço do Tempo” fizeram muito sucesso contando histórias de pessoas presas no tempo. Os produtores de Arquivo X pegaram esta ideia e fizeram uma leitura fascinante -  com alguns elementos engraçados, emocionantes, com bastante suspense - do drama de viver e reviver infernalmente o mesmo dia...  felizmente (ou não) todas personagens envolvidas neste imbróglio, incluindo aí Mulder e Scully, que de certa forma são coadjuvantes do drama, não percebem que estão presas num looping temporal.

Apenas Pam, que podemos até dizer, ser a protagonista da história, é a única que revive infinitamente o mesmo dia, e não consegue se livrar deste mesmo destino: seu namorado tentar assaltar um banco, e mandar tudo pelos ares, inclusive a si mesmo, Mulder e Scully e vários inocentes no processo. O que assistimos embasbacados em um dos teasers mais arrepiantes da série, mostrando exatamente a cena do assalto e a explosão do banco sem deixar sobreviventes...

Me digam se esta imagem não bambeou seus joelhos quando viu o episódio pela primeira vez? (e em todas as outras seguintes.)





Desvendar a charada de qual elemento precisava ser trocado de lugar, é o ponto chave para solução desta situação tão angustiante... e no ponto em que pegamos a história, a moça já tinha tentado de tudo: chamar a polícia, se recusar a acompanhar o namorado, tentar conversar com Mulder, Scully, Skinner... de nenhuma maneira a situação terminava diferente, então, ela havia se conformado em estar num tipo de “inferno”.

Feitas as devidas apresentações, vamos analisar os elementos deste dia – que vamos combinar, tinha de ser uma segunda-feira???

Curiosamente, o episódio começa mostrando o dia de Mulder, vai ser a segunda-feira dele que acompanharemos a partir do início do episódio para entendermos como chegaram àquele momento crucial... curiosamente, não colocam algo do tipo “24 horas antes”, e veremos que é intencional para mostrar a ideia de loop.  Tenho de fazer uma pausa aqui para falar o quando David Duchovny é genial para retratar o quanto Mulder é atrapalhado... o jeito que ele acorda molhado e acha que se urinou todo é hilária, não precisa dizer na-da! E aproveito o momento para falar do quarto de Mulder, do luxo que Morris Fletcher decorou e a bagunça que já tinha se tornado com o espírito de porco acumulador de nosso querido, a mise em scene da produção de arte da série é sensacional neste quesito, conseguiram imaginar como Mulder cuidaria da decoração que “caiu do céu”. Comparem por si mesmos:





Um lindo dia de céu azul amanhece (coisa pouco explorada na série, mesmo depois de mudarem para L.A. privilegiavam episódios noturnos, dias nublados para não perderem o clima cinzento e sombrio que ficou como marca registrada da série após 5 anos em Vancouver), e parece contrastar com a série de acontecimentos pequenos mais irritantes que tornam a segunda-feira de Mulder, um dia daqueles! Destes que a gente respira fundo e pensa “hoje promete!” E é com esta cara que ele chega no FBI atrasado por uma reunião. Ele então relata a série de aborrecimentos que começou com o furo em seu colchão d’água... ele então, daquele jeito que só David sabe fazer, conta a história do dia, e Scully, pobrezinha, parou na frase “o meu colchão d’água furou”:

 “When did you get a waterbed, Mulder?” – Who knows?







O casal que protagoniza o drama no qual Mulder embarca por estar tendo um dia especialmente azarado, e Scully, bem... por estar sempre tomando conta de Mulder (todo dia me pergunto o que seria dele sem ela?) finalmente nos é apresentado: Pam e Bernard, pessoas que percebemos de cara, maltratadas pela vida, cansadas, desesperançadas.  Quando vemos o caminho para o assalto ao banco desenrolar, Pam recita as falas, ela decorou o dia coitada, há quanto tempo isto estava acontecendo? É um incomodo que o episódio nos provoca.

Tenho de fazer outra pausa, achei que só eu tinha reuniões chatas e intermináveis em repartições públicas, mas nem os agentes do FBI estão livres da maldição burocrática... quem consegue imaginar Mulder naquela reunião? E pior, entre um caso ou outro, imaginam quantas reuniões intermináveis a dupla devia enfrentar no Bureau?

Skinner também fica super animado analisando os dados sobre a criminalidade nos EUA.

A cena do assalto é a mais angustiante, em todas as versões que se passa, nós ficamos apavorados, mandando Mulder sair do banco, mandando Scully não entrar... aff, não adianta, nem com pedidos repetidos de Pam para que não entrem, sempre acaba no mesmo desfecho, mesmo que com pequenos detalhes diferentes...


A conversa de Mulder e Scully sobre destino e livre arbítrio é maravilhosamente linda, clássico papo cabeça que eles costumam ter... será que nunca falavam sobre o tempo, ou o que fizeram no fim de semana? Hehehe, acho que não! É muito legal, que os temas centrais do episódio: destino x livre arbítrio, Dejá vu, são discutidos em conversas super inteligentes e elaboradas dos protagonistas, mas não da maneira como sempre vemos:  discutindo o caso central para solucioná-lo. Estão discutindo o caso de fato, mas como eles não sabem que estão presos no tempo, tangem o assunto central do episódio em especulações despojadas, enquanto dão pistas aos telespectadores sobre o que acontece na história.

Tenho de pontuar algumas coisas que acho sensacionais. Na cena do assalto, Mulder tentando controlar a situação, como ele fez em vários episódios com sua capacidade enorme de empatia nas negociações, o tiro que ele toma no peito, assusta tanto ele como nós. Scully, que fica completamente desarmada quando seu parceiro é atingido, e o trabalho espetacular de Gillian, fazendo com que ela fale com voz controlada, como se dominasse a situação enquanto se desfaz em lágrimas de desespero... essa mulher é genial!

Mulder acaba por ser a variável que libera o looping, ele mata a charada na verdade, e a variável que precisava acontecer era a morte de Pam, somente isto impede que Bernard cometa o ato desesperado de mandar tudo para o espaço. O que fez Mulder perceber e sair da letargia de reviver o mesmo dia sem perceber? Sua empatia? Sensibilidade? Poderes extra-sensoriais? Não sabemos, mas é uma característica muito legal da série, que ele seja uma pessoa extremamente intuitiva e se guie por estes instintos. O que será que ele escreveu no relatório de fechamento deste Arquivo X? Gostaria de ler! [/Cleide]



Quotes:

Scully: O seu celular não está funcionando. Dormiu demais?
Mulder: Sabe aqueles dias que você gostaria de voltar atrás e começar tudo de novo?
Scully: Sim. Frequentemente. Mas quem pode afirmar que se pudesse começar de novo não terminaria na mesma?
Mulder: Então é o destino? Não temos livre-arbítrio?

Scully: Acho que somos livres para sermos quem somos. Bons, maus ou indiferentes. Acho que o caráter determina o destino.
Mulder: Todo o resto é predeterminado? Não me convence. Há muitas variáveis. Muitas bifurcações pelo caminho. Eu queria ter chegado no horário, mas o meu colchão d'água vazou, alagou o meu apartamento e o do vizinho. Por isso me atrasei. Aí tive que fazer um cheque para cobrir os danos e me dei conta de que não terá fundos se não fizer o depósito. Então, agora eu tenho que ir ao banco, o que vai fazer eu me atrasar ainda mais.

Scully: Desde quando tem um colchão d'água?
Mulder: Seria melhor não ter o colchão, assim eu chegaria no horário. Deveria ter continuado na medicina e nunca ter entrado no FBI, assim não teríamos nos conhecido. Blablablá.
Scully: Destino.

Mulder: Livre arbítrio. A cada escolha, você muda o seu destino.
Scully: Então vamos mudar o seu. Vou depositar o seu cheque. Pegue os seus arquivos, vá ao Skinner, dê seu relatório, antes que ele desconte em nós dois.






Outras Imagens de Monday:

Pam

Bernard

É até normal para Mulder perder o chão.
Mas nem sempre é de forma tão literal assim...

"dududalidu..."

Scully também fica sem chão... por ver Mulder ferido

"Você bebia muito na faculdade?"

"Pelo que eu passo, vocês me devem ao menos pontualidade nessas reuniões!"

Esse povo é muito bonito... aff!

De volta à normalidade...


Fonte das imagens e GIFs: x x x x

2 comentários:

Paula disse...

ótimo post, como sempre. Adoro esse episódio. Mulder todo atrapalhado com o colchão furado, e todos os acontecimentos repetitivos.ótima observação sobre a incapacidade de nosso agente em manter as seu quarto organizado rs.

João Agenor disse...

Que bom que seu blog ainda está ativo,leio muito seus reviews *.
Adoro os seus comentários bem humorados sobre a os episódios!