domingo, 28 de junho de 2015

06x05 - Dreamland II (Terra dos Sonhos Parte II)

Direção: Michael W. Watkins
Roteiro: Vince Gilligan & John Shiban & Frank Spotnitz

Resumo: Scully e Mulder lutam para que ele retorne a sua vida normal.



Comentários:

[Fê Monteiro]
Adoro como esse epi começa com a biografia não autorizada do Mulder <3 ...tirando a parte de “empurrar o carrinho de bebê”, está até que bem verídico...kkkk





Bem, continuando da primeira parte, finalmente vemos a Scully cair na real de que o que tá rolando é o que tá rolando, entende? E lá vai o Mulder para a prisão militar (clichê mulderiano) para ser vizinho temporário de cela da vovó índia mais loka que o Batma...ou como ele carinhosamente a apelida: Grandma Top Gun...adoro! Felizmente para ele, o chefinho general está do lado dele nessa (essa é nova) e logo ele está liberado das acusações, uma vez que portava uma falsa caixa preta, propositalmente, com todos os seus movimentos friamente calculados (só que não).

Enquanto isso, Morris muda o tratamento com a parceira ao perceber que ela “ficou do seu lado” e decide partir para os galanteios e a convida para jantar. No apê 42 ele chega à óbvia conclusão sobre a vida amorosa do querido e resolve dar um up no QG (tá, única coisa decente que esse cara fez, vamos combinar). Já o Mulder estava acabando com a vida do cara (como se precisasse de esforço), a esposa prestes a expulsá-lo de casa e pedir sua interdição e ele continuava achando que se falasse a verdade ela entenderia. Tsc tsc...sabe nada inocente!

Ai gente, se restava ainda alguma dúvida na cabecinha ruiva da Scully sobre a troca de corpos, essa dúvida se esvaiu no momento em que um “Mulder” de avental (que faz janta) lhe tirou o casaco na entrada. - Tá, confesso que nessa hora eu gostaria que o DD estivesse interpretando, mas...eis que eles vão para o quarto e aqui eu volto atrás e agradeço, pelo colchão de água e, especialmente pelo espelho no teto, que nos proporcionou, ainda que por um breve momento, um vislumbre do paraíso...hehehe

“Sabe o que seria mesmo divertido?” - ahh Sculy safadinha! Nem fica corada. Aqui a gente sabe que ela já matou a charada, mas, diferente de nós, ela tá enxergando o Mulder ali. Ô mulher forte, vou te falar... Por outro lado, vamos combinar que se a esposa do Fletcher enxergasse como nós, essa mulher não ia ser forte. No estado em que ela está, capaz de trancar o homi em casa e já era! Apesar que, no fim do epi, o Morris vai se explicar pra ela no corpo do Mulder, contando detalhes da vida do casal etc (e por sinal ela é convencida muito mais rápido do que a Scully, pra gente ver como a nossa amiga é cabeça dura mesmo). E ela resistiu bravamente. Sei lá essa mulherada.

Bom, e lá vão todos para o barzinho alien em Nevada. Aliás, como tem desses estabelecimentos por lá heim...adoro! Mais uma vez o Mulder tenta salvar o casório, à sua maneira, afinal não é a intenção dele acabar com a vida do cara. Mas como o Chaves, ele faz sem querer querendo.

Dentro do bar temos 3 focos: o Mulder verdadeiro com a Scully no carro, o Morris com o general na mesa e a coitada da esposa no bar, sofrendo like a Maria do Bairro. E dá-lhe vinho na cara do querido...

Agora, na cena do banheiro, eu me pergunto: 1º - qual será a sensação de você querer sentar umas porradas em você mesmo? 2º – o que faziam Morris e Mulder  dentro da área do mictório esperando pelo general que eles não sabiam que ía entrar? Simplesmente não há respostas para essas duas questões, e melhor que não haja mesmo.

Além do Mulder, Scully ainda consegue presenciar o Frohike de avental cozinhando também. Quanto homem prendado nesse epi! E o Fletcher se esbalda com o QG dos pistolas, tirando o maior sarro deles. Damn you Morris! Adoro a cara da Scully tentando explicar para o trio o que aconteceu, é tão “me matem agora”.

Claro que a cena mais tchuca é a conversa de despedida. É uma verdadeira declaração de amor mútua. Outro momento em que fico feliz que seja o DD a fazer. A preocupação dele com ela, na situação em que ele se encontra, é muito amor incondicional. E as sementes compartilhadas dizem muito, muito mesmo. “Eu beijaria você se não fosse tão feio”, ahhh, pra cima de nós ruiva? Fala isso agora e perde um monte de oportunidades, falo nada!

Mulder: “Se eu o matar, será homicídio ou suicídio?”
Scully: “Nenhum, se eu fizer primeiro.” - Oi? Como assim? Qual seria a terceira opção? Parceirocídio? Eu heim...quem escreveu esse diálogo?

Enfim, no final, como sempre (ou quase) tudo se ajeita. Graças ao agente Grodin, que tem um ataque súbito de ética e moral e leva a tchurma para o local onde tudo começou. Tudo é esquecido, memórias de todos apagadas (felizmente as da secretária do Kersh também, credo). E, ainda somos surpreendidos (junto com a Scully), por um Mulder agradecendo a companhia da parceira. Choque! Deve ser memória celular, subconsciente...sei lá.

E, de toda essa aventura, restam o apê (cafofo do amor) do Mulder e as moedinhas fundidas do troco do posto para reafirmar, para nós espectadores, que aquilo não foi um sonho na terra dos sonhos.   [/Fê Monteiro]


[Josi]
Voltamos a Dreamland com uma não muito fofa biografia de Mulder feita por Morris.






"A meu ver, ele está a um passo de empurrar um carrinho de bebê cheia de latinhas vazias pela rua" - Morris sobre Mulder. Até parece que a vida de Morris é super organizada, né?

Eu realmente amo o fato de que Scully pode até resistir a acreditar nas coisas... mas quando é realmente necessário, ela não hesita em fazer o que é correto. E salvar o parceiro dela é sempre mais do que necessário. Prioridade número 1 deles é o outro. *love*

Essa carinha da Scully quando Morris a convida para jantar é maravilhosa. E o quão estúpido e vazio é tudo o que ele fala a Scully quando ela volta da reunião com Kersh. Ugh. Odeio esse cara.




Mas sério... como Mulder guardava suas roupas e tomava banho e se vestia? Pelo que eu lembro de outros episódios o banheiro é no quarto... rs


Mulder tentando ser legal com as crianças... kkkkkkkkkkkkkk

Joanne: "Morris, se você não gosta do homem que se tornou, eu não o culpo nem um pouco... Mas escapar da realidade não é a resposta. Aceite quem você é, por mais repulsivo que seja". JOANNE PRA PRESIDENTE!!!!

Lá vai Morris "deixa eu te mostrar o resto do apartamento" e Scully entra no único cômodo da casa que ela sabe que existe além do hall... a sala. E já está se preparando para dar alguma resposta polida, quando é arrastada para a grande surpresa.



A forma como ela fala o "não, eu não detesto", me deixa intrigada. Ela no momento deve ter imaginado aquilo tudo sendo mesmo do Mulder-real. Mulder-real sendo alguém assim normal. E eu vou transferir para ela meus próprios sentimentos. Eu acho que alguns desses elementos caberia bem em Mulder. Ter uma cama é legal. Mas tudo aquilo... não. Mulder não tem tempo nem personalidade para aproveitar um domingo de amenidades. Ele jamais seria assim tão leve. Ele tem muita bagagem, muito sofrimento acumulado, muita coisa para provar para o mundo. E... como Scully mesma diz em IWTB, isso é o que a fez se apaixonar por Mulder. A verdade é que ela não precisa de nada daquilo com ele... toda essa vida "normal" não combina com os dois.

Scully é tão doce e delicada o tempo todo não é? "'baby me' mais uma vez e você vai urinar por um cateter","ooou... eu posso atirar em você",*engata a arma para mostrar o quão interessada ela está em brincar com algemas com Morris*. Como não amar essa garota?

Joanne tem um baita dum faro pra descobrir as escapadas do marido. uau E amo que quando ela joga o vinho na cara de Mulder, ele não fala que ela é uma maluca ou algo do tipo... ele fala a verdade... que ele é um péssimo marido.

"Você é o cara que quer roubar a minha vida? Isso inclui as surras?" kkkkkkkkkkkkkkkk. Oh Mulder. Você não apanha sempre. Errr...

Morris e Joanne casaram num dia 13 de junho. Cá estou eu vendo esse episódio a poucos minutos desse dia. rs (Informação muito importante trazida a vocês por mim, Josilene :D)

A cara deles de "isso é tão não da minha conta"







Ver a esposa novamente faz Morris sentir saudades de sua própria vida. ownnn... nope. Ele ainda é um idiota.

Daí simples assim eles voltam não apenas ao normal, mas todo mundo envolvido esquece o que aconteceu. No entanto, o apartamento de Mulder continua mudado e as moedinhas ainda estão juntas. O que implica que Kersh, Joanne e o superior de Morris ainda lembram de tudo, não é? Afinal, o carinha lá que queria a carreira dele limpa de novo ainda lembrava de tudo mesmo depois que ele colocou todo mundo antes de Mulder de volta ao normal. Imagina Mulder e Scully pasmos ouvindo Kersh perguntar sobre a caixa preta? "Que caixa preta? Hã? Dias no Texas?". E Morris? "Joanne, você piorou? Como assim outra pessoa tomou o meu lugar? E quem autorizou essa garota a usar um anel do nariz???". OMG os pistoleiros! Que hilário! Eles devem amar ainda mais Mulder agora. Isso tudo faria sentido pra mim se Scully não viesse falando que Kersh não sabe da viagem deles a Nevada. Oi? OK... whatever.

Mas sabe o que é frustrante? Saber que toda essa experiência deles foi para as cucuias. Nada do que eles conversaram vai ser lembrado. Nada de "eu te beijaria se você não fosse tão feio"... sniff

E pra terminar... a cara de Mulder voltando para ver se ele tinha entrado no apartamento correto é o máximo!






[/Josi]



[Marina] Fletcher narra o resumo da vida de Mulder, como poderia ter sido promissora... e agora ele está disposto a fazer de Mulder um cara de sucesso.

No entanto, o Mulder de verdade está ferrado e Scully também. Ele foi preso e ela está suspensa por duas semanas.

Mulder resolve apaziguar a ira de Scully e a convida pra jantar em sua casa. Aí a ficha dela caiu. Mulder me convidando pra jantar? Mulder cozinhando?

Wegman pega tudo isso no ar e tira Fletcher da cadeia dizendo que ele fez uma jogada de mestre... afinal, ele livrou a cara do superior que é o verdadeiro informante. Fletcher (o verdadeiro Mulder) entra na jogada, dizendo que sabia que era a caixa preta falsa, pois não poderia confiar nos colegas.

Mulder (Fletcher) chega em casa cheio de amor pra dar, mas descobre que vai ter que fazer umas reformas para dar a Scully o trato que ela merece... Então... por que não providenciar um colchão d'água?

Enquanto isso, lá em Nevada, Mulder está destruindo o que resta do casamento de Fletcher tentando contar a verdade para Joan.

Scully chega a casa de Mulder (Fletcher) e até dá uma deitadinha no colchão com espelho no teto. Fletcher fica todo animadinho e Scully decide usar algemas... E ela as usa muito bem! Outro ponto alto dos episódios... com Fletcher preso na algema ela diz  "Se você me chamar de querida vai urinar por um tubo!" AMO A SCULLY! E ela joga tudo na cara de Fletcher. No meio dessa lavação de roupa suja, Wegman liga.

Do outro lado do país, Mulder convence Joan a ir para outro lugar pois estão sendo vigiados. Assim, eles  vão para um bar com temática alienígena kkkk
Do lado de fora do mesmo bar, Fletcher e Scully (que já cruzaram o país em uma nave alienígena supersônica kkk) combinam de encontrar Wegman. Fletcher fica surpreso (pra dizer o mínimo) quando descobre que seu superior é o informante.  Mulder está no mesmo bar, passando por uma saia justa com Joan... e ao ver os colegas de Fletcher chegando, ele vai para fora do bar, entrando no carro de Scully.
Fletcher pega a caixa preta. Joan vai para rua e vê Mulder dentro do carro com Scully e ficando possessa. Quando Mulder retorna ao bar leva um banho de vinho. É a deixa de Mulder pra ir ao banheiro.
Enquanto se lava, ele dá de cara com Morris Fletcher. Fltecher está com a caixa preta.
Wegman descobre que também não pode sair do bar e se refugia no banheiro, encontrando Mulder e Fletcher. Eles colocam um plano em prática. Wegman recruta os MIBs que estavam no bar para saírem atrás de Fletcher (Mulder) com a caixa preta. Só que dentro do saco há apenas cerveja.

Fletcher e Scully voltam pra Washington com a caixa preta e pedem ajuda aos Pistoleiros.  Eles quase não acreditam que aquele não é Mulder, até Fletcher explicar que Saddan Hussein é na verdade um ator que ele achou em Tulsa.
Scully e Fletcher voltam a Nevada (é tipo ponte aérea, super rápido cruzar o país de carro!) e encontram Mulder. Scully diz que falou com Frohike, que diz que houve um acontecimento anormal, e mesmo que pudessem recriar o momento, qualquer milissegundo poderia por tudo a perder. Tristes, eles se despedem de um modo terno, mas muito sóbrios. Scully beijaria Mulder... se ele não fosse tão feio; e Mulder entrega sementes de girassol a parceira.
Scully e Fletcher vão embora e horas depois, quando o dia amanhece, eles passam pelo posto e Scully fica intrigada quando vê o posto de pé.
 
Os eventos estranhos continuam a ocorrer, e um dos colegas de Morris Fletcher quer desfazer estes eventos e começa a por todas as pessoas envolvidas em seus lugares de origem para recriar os eventos que fizeram essa bagunça começar.
Scully volta a casa de Fletcher (Mulder) e conta sobre o posto. E como podem tentar fazer tudo voltar ao normal. Fletcher tem um momento de consciência e vai falar com Joan, revelando a verdade.
Os militares chegam a casa de Fletcher e acham a caixa preta verdadeira. Colocam Mulder, Scully e Fletcher num carro, e vão para o lugar em que tudo começou.
A nave passa. Os dois dias infernais nunca aconteceram. Nenhum deles terá recordações desses momentos.
Scully diz a Mulder que eles passaram ilesos pelo radar do Kersh. Mas as mudanças que não estavam no caminho do evento não podem ser mudadas. Scully segura as moedas fundidas uma na outra... e Mulder descobre uma certa mudança em sua casa...

-x-x-x-x-x-x-x-x-
Retomando meu comentário do terceiro parágrafo. Scully quer que Mulder pare com essa busca incessante. Forçadamente ele para, mas na verdade por não ser ele. E Scully não reconhece isso como sendo o parceiro. Talvez a mensagem seja de que não temos o poder de mudar as pessoas. De freiá-las. Cada um é o que é. Ao vermos Mulder de Fletcher, sabemos que aquela vidinha não combina com ele. O "normal" da vida é como cada um a constrói. [/Marina]


[Cleide]
Finalmente Scully começa a desconfiar do comportamento estranho de seu “parceiro” (aff, Morris Fletcher picareta!), e perante os gritos do Mulder verdadeiro, e da traição que Morris comete ao seu informante, a agente parece cada vez mais desconfiada e manda uma frase (que nos faz perceber que ela já sacou a teoria de troca de corpos): “I’ve been telling you for years you should play more by the book, haven’t I?” Morris não capta muito bem o que ela queria dizer, pois na cabeça dele, Scully é tão rebelde e inconsequente como Mulder, não lhe passara pela cabeça, que a Sra Spooky fosse a parte “séria” da dupla.

Quando ela toma suspensão do FBI e ele oferece um jantar caseiro, Scully saca tudo: ela conhece Mulder, seus hábitos, sua casa... sua geladeira... rsrsrsrs certamente, neste momento, ela teve a confirmação que precisava de que aquele não era o SEU Mulder.  E foi toda preparada para o famigerado encontro... chego a pensar nela bufando ao pensar que o Mulder verdadeiro nunca fez um convite destes, aliás, acho que é por isto que Mulder a ganhou, por não ser óbvio e dar de cima dela tratando-a como um objeto, como alguns caras normalmente fariam...

Morris explorando o apê de Mulder é outro clássico: “esse cara não transa há anos”... que cara, bonito, bem empregado e interessante, sequer tem um quarto? Morris não entendeu mesmo a vida de herói épico de Mulder. Adoro Scully fingindo que é bobinha e está entrando no jogo barato de sedução do Morris (como se bastasse ter a carinha de Mulder para ganhá-la... ela já estava escolada desde Vun Blundt) até a cereja do bolo: “Sabe o que seria legal” – ALGEMAS!? Nasty Scully... golpe mortal no babaca do Morris... “Baby me again and you’ll be peeing trough a cateter..” bem feito!

Aí que começa o problema: como devolver esta mala e recuperar o Mulder real. Scully faz com que Morris marque um encontro com o informante de Mulder para ver se consegue puxar um fio nesta meada... chegando na área 51 novamente, ela e Mulder têm um diálogo e ela revela que agora acredita nele, mas a situação é mais complicada do que pensam, pois ninguém, nem nos mais altos escalões da área 51, tem a menor ideia do que aconteceu e como reverter...

Eu acho épica a cena de Scully pedindo ajuda aos Pistoleiros Solitários com o Mala Fletcher à tiracolo... como ele vai irritando os amigos até que eles queiram desesperadamente Mulder de volta.




A cena de despedida, quando descobrem que não há nada a fazer, é muito linda... e vou dizer, a primeira vez que assisti ao episódio fiquei pensando como fariam para resolver (se Morris não quebrasse o clima, acho que Scully beijaria Mulder, mesmo ele estando damn ugly!)

O final, com a onda se encurtando até desfazer todo efeito, foi genial, pois colocou todo mundo no lugar onde estavam, como se nada daquela linha de tempo paralela tivesse acontecido, exceto o quarto novo de Mulder (tadinho, mereceu mesmo um bônus) e a moedinha que Scully guarda pra sempre de souvenir, sem saber o que era  (a vemos de novo quando ela tira licença maternidade na oitava temporada, o que dá uma nostalgia super fofa à cena).

E prossigamos com a sexta temporada, cada vez mais shipper... [/Cleide]

Quotes:

Mulder: Você não parece bem. Não me diga que vou ter que levar duas crianças para a escola.
Scully: É você que está aí, não é? Acabo de falar com o Frohike. Eles conseguiram obter e analisar os dados da queda, e aconteceu mesmo algo anômalo naquela noite.
Mulder: E como posso voltar?

Scully: Há um problema. São momentos aleatórios no tempo, uma série de variáveis que compõem um acontecimento. Mesmo que pudéssemos recriar o momento, se pudéssemos sabotar outro avião... Se errássemos... Se o acontecimento estivesse fora do tempo por um milissegundo...
Mulder: Eu poderia acabar com minha cabeça dentro de uma pedra.
Scully: Algo assim.

Mulder: E ele? Quero dizer, eu. O que for. Quem ele for.
Scully: O Agente Mulder tornou-se o novo protegido de Kersh. Ele foi incumbido de devolver a caixa-preta que eu e ele roubamos. O infeliz confessa ao Kersh mais do que confessaria ao padre. Estou com ele só pela carona.
Mulder: O que quer dizer com "só pela carona"?

Scully: Estou fora do FBl. Fui repreendida e afastada do meu cargo.
Mulder: Você pode explicar isso a ele como explicou a mim. Você tem os dados. Pode fazê-los entender. Pode conseguir o emprego de volta.
Scully: Eu beijaria você se não fosse tão feio.

Fletcher: Tirem uma fotografia. Dura mais tempo.
Mulder: Se eu o matar, será homicídio ou suicídio?
Scully: Nenhum dos dois se eu fizer primeiro.













Outras Imagens de Dreamland II:

Família de Mulder quando ainda eram relativamente felizes
e relativamente normais

Essa foto de Mulder é muito boa, gente!
O FBI não brinca na hora de fotografar seus agentes

"Alguém me acorde desse pesadelo"

E lá se foi o pagamento do mês de Mulder

Chris Carter brincando com nossos sonhos

Tão fácil...

"Mas huevos hancheros, por favor"

Morris teve sorte de estar habitando o corpo de Mulder
nesse momento...

<3

Mulder "ganhou" uma decoração nova.

Fonte dos GIFs: x

domingo, 24 de maio de 2015

06x04 - Dreamland (Terra dos Sonhos Parte I)

Direção: Kim Manners
Roteiro: Vince Gilligan, John Shiban & Frank Spotnitz

Resumo: Um OVNI em queda cria uma onda que gera diversas anomalias por onde passa. Uma delas faz Mulder trocar de corpo com um funcionário da Área 51.



Comentários:

[Fê Monteiro] Dreamland é um episódio duplo maravilhoso e terrivelmente cômico/trágico – cômico para nós e trágico para o Mulder. Nessa primeira parte, vemos um início de episódio bem típico, com nossa dupla favorita tipicamente dirigindo no meio da noite rumo a uma base militar (nesse caso a famosa Área 51) numa conversa bem típica também...Scully divagando sobre pessoas normais, cotidianos normais, enfim uma vida normal, que eles não têm e Mulder replicando com um: “Mas isso é uma vida normal!” - pior que sabemos que ele realmente acredita nisso...tsc tsc

Mas toda essa “normalidade” abre o episódio para enfatizar bem a mudança que se segue.

Os agentes são então bloqueados por militares na estrada (como sempre), mas dessa vez acompanhados dos homens de preto - mas sem o Will :( - nessa parte nos deparamos pela primeira vez com Morris Fletcher, o homem de preto que nunca imaginaríamos.



E daí temos o desenrolar das encrencas: Disco voador/nave de testes – troca de corpos entre Mulder e Fletcher. E aí, 'the zuera never ends', enquanto Mulder fica com cara de bolinha, tentando fazer a ficha cair, o espertão do Fletcher faz o egípcio e sai como se nada tivesse mudado, Mulder o vê entrar no carro e ir embora com seu emprego, sua Scully, seu corpo, sua vida.

Abre aspas – nas primeiras vezes que assisti a esse episódio sempre me perguntei o por que de resolverem trocar os personagens de situação e não os atores, como foi feito em Small Potatoes. Mas com o tempo entendi que foi o mais certo como fizeram, muito mais hilário e abriu mais possibilidades que não teríamos o prazer de ver se tivessem feito da outra forma. Enfim né, deixa os homi trabaiá – fecha aspas.

Então começamos a seguir os personagens rumo às suas aventuras/desventuras pela vida alheia. Scully, é lógico, percebe algo errado desde o princípio. Mas, estamos falando do Sr. Spooky, e estranho é seu estado normal. E, coitada da nossa ruivinha, só tomou na cabeça com essa mudança.

Para nós, é diversão garantida presenciar um Mulder totalmente perdido em situações de uma vida normal, segundo Scully. Ele se sai super bem como marido e pai. Só que não. O coitado fica mais perdido que cego em tiroteio. À princípio, parece que será interessante estar infiltrado justamente na base onde ele queria chegar e o melhor, com passagem livre para saber de tudo! Mas não é bom como parece e as coisas não são como ele imagina, pra variar.

Os resultados dos acidentes que ocorrem com o fenômeno causado pelo sobrevôo das naves são bizarros! O piloto que se mistura à rocha, o outro que troca de corpo com uma velha índia Hopi (o que torna a situação muito engraçada na verdade) etc.

Abre aspas – isso me lembra o suposto Experimento Filadélfia, um projeto naval militar realizado em 1943 no qual, supostamente, conseguiram tornar um destróier de escolta, tripulado(!), invisível aos observadores por um breve momento. Apesar de aparentemente ter sido um sucesso, a tripulação teria sofrido efeitos fisiológicos nada agradáveis, muitos adoeceram, outros passaram a apresentar doenças mentais, outros ainda simplesmente desapareceram e o pior: cinco tripulantes teriam se fundido ao metal do convés do navio – coincidência ou não, referência ou não, é um caso tido como uma teoria da conspiração e negado pelo governo e militares, ou seja, um típico Arquivo X. - fecha aspas.

Gente, como eu já citei, o melhor é acompanhar o Mulder “Morris” em sua nova vida, com seus foras. O esposo e pai do ano, coitado. Ao contrário do Fletcher, nosso Mulder é puro de coração e não consegue bancar o maluco e fingir, vamos combinar que ele não é bom para mentir. E para mim, não sei para vocês, a cena da dança no espelho ficou para a história de AX. Impagável, mostrando de cara o quão descontraída seria essa temporada. Meus parabéns DD e Michael McKean, deram um show!

Agora, se existem momentos em que agradeço pela não troca de atores nos papeis são aqueles em que o Morris “Mulder” flerta e dá uns pegas na secretária. Nossa se eu tivesse a mesma visão que a Scully deve ter tido, ia ficar exatamente como ela, desolada, perdida, infeliz e muito braba...rs.

Mas, por outro lado, nós temos a boa visão do nosso herói, quando ele tenta a todo custo salvar o dono da lojinha do posto, enquanto os agentes só estão preocupados em queimar as evidências. O mais triste é ver a reação e a carinha dele quando percebe que os militares e os agentes realmente não sabem como desfazer as trocas, acho que ali ele meio que se toca o que pode acontecer.

O momento fofo desse epi é ouvir o Mulder dizer de maneira nostálgica “...mesmo o lance do yogurte? Isso é tão você, é tão Scully!” ownn, ele sente tanto a falta dela.

Ah, tem um erro no final dessa cena. Imagino que tenha sido mesmo desproposital, quando a imagem do Mulder “Morris” aparece no retrovisor do carro e é o DD, e logo em seguida o Morris “Mulder” ajeita o mesmo retrovisor e quando mostra a sua imagem também é o DD. Pisadinha na bola básica, acontece.

Enfim, esse epi é demais, mas rola uma continuação e o que vemos até aqui é um Mulder desesperado tentando convencer sua ruiva de que ele é ele e não quem está aparentando, e sendo preso e levado pelos militares. É somente aí que a Scully parece finalmente acreditar. Mas veremos ela salvar - ou pelo menos tentar salvar - o parceiro no próximo epi. [/Fê Monteiro]

Morris, como Mulder: "O Sr está absolutamente certo. E, pela agente Scully e por mim, 
eu gostaria de pedir desculpas pelo nosso completo desrespeito pela sua ordem direta. 
O Sr tem nossa palavra. Nós nunca faremos isso novamente."

[Josi] Você tem que admirar certos aspectos do relacionamento de Mulder e Scully... primeiro, a forma completamente sem vergonha na cara e completa confidência com que Mulder expõe suas teorias não-ortodóxicas para Scully... e segundo, a forma como sempre incrédula e às vezes cansada e às vezes divertida com que Scully, quase sempre sem exceção, descredita cada uma delas. E é de se admirar ainda mais como nós nunca nos cansamos de ver isso. Arquivo X é mágico!

Depois de todo esse discurso de Scully, eu só penso se ela está feliz agora que está num canto parada ou se quer voltar à vida maluca de antes. Respondendo a mim mesma e tirando por IWTB, acho que ela é capaz de arrumar novos desafios para si mesma... novas formas de ser útil. Mas... em breve saberemos. *.*

Tenho tanto nojinho de Morris, tanto tanto!!! UGH







OK, mas... Mulder fica paralisado em choque... e isso porque ele já está pra lá de acostumado com coisas fora do normal... No entanto, Morris sai normalmente e entra no carro e sai dirigindo... Bom, talvez ele também tenha visto sua cota de maluquices trabalhando na Área 51 e tenha continuado na inércia... mas... ficou meio esquisito a meio que falta de surpresa nele. Cara... ele praticamente pulou de felicidade dentro da pele de Mulder... rs

Comentário básico... a pessoa que entrasse no meu corpo e fosse ao meu trabalho ficaria meio doida com a quantidade de senha que ela não saberia dado que eu não as anoto em lugar nenhum por muito tempo depois que eu as decoro. E como eu trabalho com informática, diferentes senhas de administração são necessárias em vários momentos. kkkk Pior que Mulder e Morris deveriam ter as suas também. Ai, gente... fora coisas como cartões e contas de banco. Como sobreviver assim. ai ai

Pra Mulder foi até fácil se virar ali dentro na primeira hora! kkkk Lembrei agora de Sarah de Orphan Black quando ela tava se passando por Beth que errou o lado do banheiro dentro da delegacia! A pobre... kkkkkk

Ooooownnnn... ele sempre lembra logo de falar com a parceira dele quando se encontra numa situação estranha assim. É muita fofura. Pena que ela não te daria crédito agora, Mulder. Obviamente. Senão teria sido ela quem a mudar de corpo. ;)

Adoro que Scully está com Morris a poucos minutos e já não o aguenta. :D






E Mulder quase cai da cadeira... sonho meu, sonho meu... sim, isso nunca aconteceu... eu queria tanto. Seria divertido. Agora não mais. Passou o momento. OK.. acabou o momento "comentário fumado".

Mulder vai ver pornografia na sala de uma casa estranha cheia de pessoas estranhas. Oh god...






Agora imagina se tivesse sido Mulder a ir naquela missão de resgate do OVNI que caiu no deserto? Vendo o cara dentro da pedra e tudo?

Claro que Morris se perde dentro do prédio do FBI... mas imagina alguém que trabalha lá a mais de 10 anos como Mulder se perder ali? Complicado né? Por isso a cara da Scully... Ela bem pensava que o maluquete tava piorando. kkkk

Ver Mulder interagindo com uma família como pai é tão desastroso! Minha nossa! E o comentário sobre o nariz da menina??? kkkkk





Mulder, seu porquinho, você nem sabe como esse corpo foi tratado desde seu último banho e nem pra tomar um novo de manhã antes de sair? E ainda vai com a mesma roupa de baixo? Eca! :P

Ah, a melhor cena desse episódio é com certeza essa dança na frente do espelho! Fantástico! Ei... mas eu descobri recentemente que é assim que o pessoal faz geralmente cenas com espelhos... Assim... em vez de se preocupar com reflexos das câmeras e equipe, eles colocam os dublês de costas e o ator do outro lado do "espelho". Muito espero! Isso nunca tinha passado pela minha cabeça. rs

Se aquele atendente soubesse como Mulder é mão de vaca e como custa para ele deixar 11 centavos para trás, ele agradeceria. Ou não.

Notaram como Morris é um idiota machista? Não pelas cantadas e "pausas de almoço". Mas... a forma como ele fala com a Scully é tão condescendente... e ele sempre comentando sobre aparência de Scully. "Você está fora de sua cabeça bonitinha?". Vai te lascar, Morris! Ei... acho que o pessoal de meu trabalho também joga um "bitch" pra mim quase sempre que eu dou às costas. Não todos, claro. Mas alguns carinhas específicos. kkkkk Essa semana um me disse que eu era muito brava. Fiquei tão feliz. :D

"Como nós tiramos a cabeça do lagarto da rocha?"
"Quem disse que podemos?" - Tadinho do Mulder... condenado a passar o resto da vida no corpo de um infeliz cujo trabalho é destruir provas... provas que ele, Mulder, tanto queria descobrir.

Joanne: "Você murmura o nome de Scully enquanto dorme" - OOOOOOOOWWWNNNNNNNN

"Hoje nós temos aquelas pílulas azuis!"







Ele fica tão feliz por ver Scully que ele mal sente a bofetada! huahauahua

"ELE NÃO SOU EU, SCULLY!!! ELE NÃO SOU EU!"







Gosto muito desse episódio. Do jeito que ele é. É sempre muito legal jogar os personagens que a gente conhece dentro de situações esdrúxulas e ver como eles se comportam. E melhor ainda, neste caso, é ver como outra pessoa reagiria no mesmo contexto que eles. O que aconteceu neste episódio é especialmente interessante pois eles jogam literalmente as pessoas em ambientes totalmente diferentes do que eles caminharam para chegar.

Casamento, filhos e um trabalho estranho porém burocrático foi a escolha de Morris. Trabalho arriscado, sem glamour e uma vida solitária foi a escolha de Mulder. Ficou engraçado ver Mulder dentro de um casamento falido e filhos adolescentes malucos, mas eu estaria chorosa de não ver a reação dele diante de uma vida realmente normal e relativamente feliz se o pessoal não o tivesse colocado nessa situação na sétima temporada em mais de uma ocasião. Agora mesmo nem tem chance dele querer isso, mas depois a gente vê como também ele e não apenas Scully sonhava em ter a chance de ter uma vida mais calma. Pena que quando eles foram obrigados a essa vida calma, eles não tiveram muita sorte... E novamente eu imagino como eles estão agora...

Bom, e ver Morris no corpo de Mulder... bom, não comentarei sobre a crise de meia-idade de Morris pois pra mim tanto faz, ele é um idiota rude. Mas vamos comentar de novo sobre Mulder. Então... ver como os carinhas se comportam quando têm a oportunidade de usar o corpinho lindo de Mulder é um bálsamo. Pois os idiotas sempre e sem exceção tiram proveito da beleza dele para namorar e logo depois dar em cima de Scully. E daí a gente é tomado pela alegria de entender como para Mulder aparência física importa perto de nada. A bondade de coração dele vai muito além dessas tolices. :)

Sabe... só mais uma coisa... sei que ficou muito legal poder ver Mulder realmente ali e tal. Mas eu queria muito ver esse episódio como ele seria vendo tudo com os mesmos olhos que as pessoas ali estavam vendo... Com os corpos dos atores realmente trocados. Ver realmente a cara de Mulder flertando e fazendo maldades para que eu pudesse mesmo sentir o que Scully estava passando e dar o devido valor ao Mulder real e ter ainda mais certeza de como não é a carinha bonita de Mulder que faz ele ser aquela criatura fantástica que amamos. [/Josi]

Scully: "Olha, toda essa informação pode ser pega facilmente por qualquer um."
Mulder: "Até mesmo a coisa com o yogurt? Isso é tão você. Tão Scully. 
É bom saber que algumas coisas não mudaram. É reconfortante."

[Marina] Um comentário geral...
Terra dos sonhos compõe o quarto e quinto episódios da sexta temporada de Arquivo-X. Temos que lembrar que no início desta temporada Mulder e Scully estão fora dos Arquivos-X, mas isso não quer dizer que eles estão livre de confusão. 

Estes dois episódios são um empreendimento científico, antes de mais nada! Tentei pesquisar um pouco de física quântica para fazer a sinopse, mas não tive sucesso... O máximo que consegui entender é que um evento (a passagem da nave) fez dois corpos (Mulder e Morris) ocuparem o mesmo espaço ao mesmo tempo (o que eles falam como o continuum de espaço tempo) isso porque, segundo os físicos as dimensões temporais e espaciais estão conectadas como os eixos de um gráfico. Ahn.. vocês entenderam alguma coisa???? Okay, vamos ao episódio...

Terra dos Sonhos Parte 1 (Dreamland I - 6x04)

O episódio começa com uma DR básica de Scully com Mulder... Ela querendo uma vida normal e ele achando que ficar andando de noite por uma rodovia militarizada no meio de Nevada é ter uma vida normal kkk. É o Mulder, né? Já nos acostumamos! Mas notem a ação inicial de Scully... ela quer que Mulder pare com tudo isso. Retomarei esta colocação lá no fim da segunda parte.

No entanto, eles são interceptados por militares, entre eles, Morris Fletcher. No meio da conversa amigável da existência ou não de OVNIS, é claro que passa um pelos céus, deixando Mulder boquiaberto e Fletcher puto da vida! Então, não mais que de repente... seus corpos foram trocados. Mulder vai para base militar e Fletcher vai embora com Scully.

O general Wegman (superior de Fletcher) descobre sobre a queda do avião e os acontecimentos absurdos que ele fez ocorrer. Mulder presencia estas descobertas e começa a entender o que houve entre ele e Fletcher e precisa achar um meio de reverter os acontecimentos. 

A primeira parte se foca no que seria a vida de Mulder daqui em diante. Esposa, filhos e casa. A vida que Scully queria que ele tivesse. E que é longe de um conto de fadas. Mulder (agora Fletcher) recebe ligação de esposa brava, dorme na poltrona de terno vendo pornografia, esquece de comprar o leite e não sabe direito quem é Chris e Terry, seus filhos. No estilo de Mulder, sair de casa amarrotado com a mesma roupa é normal, mas agora ele é Fletcher e sua esposa lembra disso... Mulder então sobe para trocar de roupa (sem banho!) e dá de cara com um guarda roupa cheio de variedades da alta costura. 1, 2, 3, 20 ternos de pretos. Ora gente, o Fletcher é um MIB!! 

A cena impagável: Mulder dançando no espelho. Ainda que saibamos que por fração de millisegundos  um ator está atrasado em relação ao outro, a cena é uma das mais antológicas de todas as temporadas! Tanto Duchovny como Michael McKean tiveram que ensaiar muito para fazer a cena! Acredito que tenha sido o ponto alto do episódio!

Enquanto Mulder está um peixe fora d'água, tentando entender como é ser um MIB... Fletcher já pegou bem o esquema de ser um agente do FBI. E de puxar o saco do Kersh. Scully assiste abismada o parceiro consertar sua carreira com superiores, mas ferrar seus ideais. E se não bastasse, ele dá em cima da secretária do Kersh e um tapinha de ciúmes no traseiro de Scully. 

Wegman encontra o capitão da aeronave, que agora é a senhora Lana Chee, uma índia hopi. Ops, não foi só Mulder que se deu mal.

Lá na Área 51, Mulder começa a entender o que está acontecendo, e tenta falar com Scully que não compreende os motivos daquele telefonema, mas fica intrigada. Mulder se dá conta que Scully não lembra dos eventos da noite passada, mas mesmo assim pede ajuda a ela para revelar o que descobriu.

Fletcher... que agora é o X-9 do Kersh vai denunciar a ligação.  E Scully fica achando que ele levou uma pancada na cabeça.

Mulder está saindo do posto de gasolina e indo para seu novo trabalho quando seus colegas o abordam pedindo que os acompanhe. Eles retornam ao posto e dão de cara com o vendedor, o mesmo que havia atendido Mulder minutos atrás, enterrado com metade do corpo no chão. Os eventos de tempo espaço continuam ocorrendo e os MIB apenas apagam as provas. 

Scully questiona Mulder sobre seus novos hábitos. Não contente, ela se manda pra Nevada. E encontra o verdadeiro Mulder... que diz que vai provar que ela está com o Mulder errado. Então, ele rouba a caixa preta do avião... mas rouba a falsa sem saber. 



Scully é pega pelo radar do Kersh graças ao seu novo X-9 e pede que ela entregue Morris Fletcher sobre pena de perder o emprego. Então, eles retornam ao posto. Agora em pé, funcionando normalmente. Scully e Fletcher entregam Mulder aos militares. 

Continua... [/Marina]



[Cleide] Dreamland é o primeiro episódio duplo com um tom mais suave, de comédia. Apesar do tema tanger a mitologia da série, afinal os agentes estão seguindo uma pista que os leva até a Área 51 – famosa em teorias conspiratórias por esconder o conhecimento da vida em outro planeta e suas tecnologias , a abordagem é diferente do que temos visto até aqui da mitologia.

O teaser dá a pista do foco do episódio – O que é uma vida normal? Mulder e Scully estão perdendo alguma coisa quando abdicam de uma vida comum para seguirem sua saga? Especialmente Mulder que é considerado o estranho, a pessoa que escolheu este estilo de vida e arrastou a parceira pela força das circunstâncias para sua história – que de uma maneira simbiótica se torna a vida dela também. Este teaser também mostra o tom descontraído do episódio, Scully pergunta mas seu tom não é de reclamação, é um papo leve sobre um assunto que é realmente preocupante para pessoas na casa dos 30... não é hora de casar? Ter filhos? Comprar uma casa, um carro maior e sossegar? O mais divertido é que Mulder responde: “Isto é a vida normal!” Ele sabe que para o padrão estadunidense (ocidental em geral) não é, mas ele adora não ser...

Dreamland na verdade responde divertidamente à pergunta de Scully nos brindando com um dia de pesadelo (ou dias, não entendo muito bem a temporalidade do episódio) na vida de Mulder. Pois uma vez interceptados na Área 51, um warp espaço temporal causado pelo contato de Mulder (que sabotou a nave com tecnologia alienígena para que ele visse a prova), faz com que ele troque de consciência e fique preso no corpo de Morris Fletcher, um homem de preto, burocrata da Area 51. A cara que Mulder faz quando percebe a troca dá desespero na gente, e Morris, é a dissimulação em pessoa.

Por um lado, Mulder tem a chance de seus sonhos: imaginem, um oficial de alto gabarito dentro de um dos maiores segredos do governo americano! Por outro, ele se vê preso em uma “vida normal” como por uma praga jogada pela parceira (hahahaha), ou amostra grátis do destino. E Scully leva gato por lebre pra casa sem saber.

É muito frustrante pra nós e para o agente, perceber que os Homens de Preto são meros funcionários públicos, que trabalham com burocracia, levam uma vida sem graça e não sabem de nada, trabalham para encobrir fatos que desconhecem, agindo cega e enfadonhamente. No primeiro momento, na “terra dos sonhos”, o que Mulder faz? Procura os grandes segredos que desejava desvendar sua vida toda! Não: liga pra Scully! Ele apenas queria sua vida de volta, agindo por impulso, afinal, a ligação deixaria registro, o registro podia levar os colegas a imaginarem que ele fosse o traidor do grupo... infelizmente, Scully ainda possuía uma dose de ceticismo que a impediria de acreditar prontamente em algo tão estapafúrdio.

O que me intriga muito em Dreamland parte 1 é como Scully, apesar do ceticismo e tudo mais, demora pra perceber que não levou o verdadeiro Mulder pra casa. Fletcher não faz o menor esforço para entender quem era Mulder e não levantar suspeita, na sua cabeça ele tinha o disfarce perfeito e ponto final! E bônus é que sendo um cara solteiro, livre da “vida normal” ele poderia fazer o que quisesse – realizando seus sonhos de crise da meia idade. Percebam que Mulder tenta não levantar suspeita dentro da família (quando ele abre o jogo, conta logo a verdade, esquisita como possa soar), ou no ambiente de trabalho, sempre tentando imaginar o que Morris falaria.


Morris é um tipo folgado, que não liga para as questões da vida, quer o salário no bolso e se precisar puxar o saco do chefe para não ser notado, melhor ainda. A comédia do episódio reside na aventura de Mulder tentando domar a fera: esposa de Morris, com situações impagáveis como murmurar “Scully” enquanto dorme – e adormecer vendo filme pornô - e ao ser questionado dizer “Scully parece um nome de mulher pra você?” Coitada da esposa quando Scully toca a campainha, deparar-se com Dana, linda como é, abala a autoestima de qualquer uma! E por outro lado, as paspalhadas de Morris no corpo de Mulder, levando Scully a loucura... imaginem só, chamar a secretária de Kerch para fazer um “lanchinho” no horário do almoço. Aí você percebe o quanto Mulder é atraente, sendo ele mesmo no corpo, não percebe nenhuma mulher, basta algum mutante ou fenômeno estranho o substituir, que o substituto quase não se esforça para ter qualquer mulher que quisesse... cena impagável: Mulder dando um tapinha no bumbum da Scully!

Claro que Morris fará tudo ao seu alcance para que a situação permaneça como está, voltar para sua vida em que nem da própria família ele tem controle? Pra quê? Então ele denuncia Morris/Mulder como o informante do FBI para complicar ainda mais a situação do agente.

Pra mim, o pulo do gato para este episódio ficar tão cômico, foi que eles não trocaram os atores de lugar mudando só a personalidade. Vemos Mulder no lugar de Morris e Morris no lugar de Mulder, só o restante do elenco que não vê a troca. O que nos deixa ainda mais compadecidos da situação. [/Cleide]

Quotes:

Mulder: Posto avançado 134. Faltam uns 3 km.
Scully: Estou tremendo.

Scully: Então, Mulder... como saber se essa fonte clandestina que contatou você não seria outro doido cujo conhecimento sobre vida extraterrestre não provém de reprises de Jornada nas Estrelas?
Mulder: Por causa do local onde esse doido trabalha: Groom Lake. Área 51. Onde as forças armadas fizeram...
Scully: ..nos últimos 50 anos, experiências secretas com tecnologia extraterrestre.

Mulder: É a prova do que suspeitávamos, mas nunca conseguimos provar. Agora, está aqui.
Scully: Mulder, a vaga esperança de encontrar provas resumia-se neste carro, por tantas noites que perdi a conta, rodando milhares de quilômetros, por bairros, cidades e vilarejos, onde as pessoas vivem, compram casa, brincam com os filhos, com o cachorro e... Resumindo, vivem a vida, enquanto nós, só rodamos.
Mulder: O que quer dizer?

Scully: Nunca vai querer parar? Largar esse carro? Assentar e viver uma vida normal?
Mulder: Esta é uma vida normal.






Outras Imagens de Dreamland:

Enquanto Mulder está tipo "Chupa! Somos qualquer um não,
valeu?!", Scully está "Como esta é minha vida?
Eu não estudei tantos anos pra isso..."

Morris Fletcher, irritante desde o primeiro frame...

"De todas as coisas malucas que já me aconteceram,
esta deve ser a pior..."

"Será que ele tá querendo me pregar alguma peça?
...
Não tem graça."

Joanne Fletcher, 150% cheia das cara de pau inútil do marido dela...

Cara de quem já até mesmo morreu e voltou e não
deixaria que uma troquinha de corpo básica lhe tirasse o sono...
ou uma diversão não tão inocente

UGH

Épico

Ser inútil

 Ah, o amor...

Ownnn

Pois é, Scully... Mulder não faria isso...

Fonte dos GIFs: x x x