sábado, 13 de janeiro de 2018

11x01 - My Struggle III (Minha Luta III) Reviews


Direção: Chris Carter
Roteiro: Chris Carter

Resumo: "Continuando a partir dos eventos do final da última temporada, Mulder e Scully descobrem que eles não são os únicos que estão desesperadamente em busca de seu filho perdido, William. O destino do mundo pode depender disso."




Comentários

[Josi] Arquivo X está de volta e, na minha humilde opinião, em grande estilo. Vários aspectos clássicos da série estão presentes nesse primeiro episódio. Alguns destes a gente ama muito, outros nem tanto, mas... assim é a vida.

O teaser é com o Canceroso. Finalmente conhecemos seu verdadeiro nome: Carl Gerhard Bush. Carl foi um rapaz patético e arrogante que sonhava em ser escritor. Alguém ofereceu a oportunidade pra ele ser um assassino, ele aceitou e fez carreira nisso. Como não conseguia escrever histórias fictícias, decidiu escrever a História. Agora que ele está mais velho e os planos de destruição da humanidade junto com os ETs fracassaram, ele resolveu fazer tudo sozinho. Em seus delírios de grandiosidade, ele sonha em deixar um novo mundo como herança para seus dois filhos (que o odeiam, aliás... porque esse doido meio que destruiu a vida deles)... mesmo que tenha que matar os dois no processo.

"O mundo vai continuar, mas à minha imagem e não à de Deus" - CGB. Muito doido, esse aí.

Deixa eu falar um pouco sobre essa abertura. Na verdade, sobre a frase do final, que desta vez se transformou em outra. Algo inédito em Arquivo X. MUITO LINDO! Fiquei apaixonada. I WANT TO BELIEVE -> I WANT TO LIE. Para mim, isso mostra a diferença entre o bom e o mau dentro do próprio episódio. Mulder e Scully querem acreditar. A personificação do mau, o Canceroso, mente. Se há verdades no meio das mentiras que ele conta, só o futuro nos dirá.

O episódio enfim começa de fato e descobrimos que toda a história do vírus do episódio anterior foi uma visão de Scully. Vi que várias pessoas ficaram confusas com isso, mas Chris Carter até já explicou. Em My Struggle II, Scully entra no escritório, para do lado mesa e a câmera dá um zoom no olho dela. A visão começa aí e termina ali no final do episódio, quando a câmera dá outro zoom no olho dela.

Mulder que a encontra caída no chão e ela é levada ao hospital. Interessante ver o comportamento dos personagens a esse acontecimento. Mulder continua aquele mesmo homem doido e mal educado quando a razão de seu viver está doente e ele não sabe como ela está. Grita com médicos e enfermeiras e não sossega até que ele consegue vê-la (lembram de One Breath? Redux II? The Red and the Black?). Engraçado é Skinner achar que Mulder pode ir esperar lá fora. Risível!

Gente... vamos falar sobre aquele sinal que Skinner notou no cérebro de Scully? Que coisa besta. Até Mulder fez cara de "assim também já é demais". E nem foi importante pra história.

Daí quando finalmente deixam Mulder quietinho com Scully, ele aproveita a oportunidade pra fazer o que ele faz de melhor... se culpar por tudo. Mulder, amore, como Scully tem uma convulsão avulsa e é sua culpa. Seje menos!

Agora é o momento de conversarmos como os capangas dos vilões não tem nenhum traquejo social. Em MSII, o Canceroso manda o carinha chamar Mulder pra conversar pois ele tem uma oferta a fazer. O que o cara faz? Invade a casa de arma em punho, luta com Mulder e quase mata o cara. Agora, mandam o talzinho ir lá e tentar saber do Spender o que ele sabe do menino. E ELE ATROPELA O HOMEM! Por mais que ele quisesse apenas provocar uma reação de Spender e fazer com que ele procurasse Mulder e Scully com a tal informação, isso não seria possível SE ELE ESTIVESSE MORTO!

Quando Scully acorda, temos uma surpresa boa: que médica maravilhosa! Ela que corrobora as visões de Scully, dizendo que as visões que causaram a convulsão. Toda a postura dela é excelente nesse episódio. Ela inclusive liga pra Mulder no final pra avisar que Scully estava lá pra ele não se preocupar... <3

Aliás, amei a ideia dessas visões... isso de Scully ter uma conexão com o filho, William. E que ninguém subestime o quão longe ela iria para salvar seu filho e seu Mulder. Tanto que ela sai como doida ainda sem estar totalmente recuperada do hospital, num movimento a la Mulder mesmo. Só pra cair na rua e ser trazida de volta pela dupla de sósias.

Falando neles... eu fiquei desconfiada dos pobres por eles terem saído dando passagem pro capanga vir atentar contra a vida de Scully, mas acho que eles só apareceram para serem inseridos nas promos e nos confundirem. Assim como o foi aquele sangue na boca de Scully no começo... "Ah, ela mordeu a língua". Pestes. rs

Enquanto Scully tá lá sendo atormentada pelas visões do fim do mundo, Mulder vai em busca do Canceroso. Depois de fugir de uma perseguição, ele que segue o capanga e não encontra o Papis, mas sim outro grupo de conspiradores. Aqui se mostra um pouco da maturidade de Mulder. Ele não cai mais na primeira conversa que lhe contam. Mesmo porque, né, querido, você foi levado até ali... aquelas pessoas o estavam esperando.

Eu ri com a história de que os aliens não nos querem mais. Muito bom! Nessa nova mitologia, os aliens que são os abusados, tadinhos... O resultado é que agora estamos mais uma vez no meio de uma guerra... só que somente entre humanos.

Sabe o que é engraçado? O Canceroso e os novos inimigos dele moram no mesmo Estado? Eles combinam pra isso? rs

Mulder bobão dá a dica de que Scully vai salvar geral e ou o carinha pegou um baita atalho ou saiu assim que foi dispensado mas ele chegou rapidinho lá pra acabar com a ameaça. Sorte é que Mulder chega a tempo e, assim como em Bad Blood, exagera. Não, sério... não precisava banhar Scully com o sangue do inimigo. Meu Deus!

Finalmente temos a cena fofa no final. Como esses dois são assim? É uma conexão tão forte. (Mas pera "Drums beat in my heart"... olha o drama, Mulder!) Voltando... adoro Scully envolvida totalmente com a mitologia. Ela não tem mais dúvidas, é ela quem conduz a história. Ela quem junta os pedaços e fala pra Mulder que é William quem está se comunicando com ela. 

"Eles não vão encontrá-lo, mas ele vai nos encontrar."
"E nós não fazemos nada?"
"Fazemos nosso trabalho. A verdade ainda está nos Arquivos X, Mulder"

Nessa pequena cena, temos uma boa parte do que fez Arquivo X essa série incrível. Esses dois aí. Com tanta química, tanto amor nos olhos um do outro.

Só espero que William seja carismático o suficiente para fazer valer toda a expectativa gerada ao seu redor. Os pedaços que soubemos dele nesse episódio só fez aumentar minha curiosidade. Será que ele sabe o que está acontecendo? Será que ele manda essas visões de forma consciente? Será que ele entende o quanto que seus pais, Mulder e Scully, zelam por ele?

Então chega Skinner pra acabar com nossa alegria. Em mais sentidos do que a gente esperava. Sabendo que o Canceroso está bem vivo e tendo a desconfiança no sangue, Mulder sente logo que Skinner não está 100% com eles. Por que não basta que Mônica saiba de toda essa nojeira, agora Skinner também sabe e o que não sabemos é se ele vai mesmo se vender. E para o nosso completo desprazer, nos mostram o porquê.

O Canceroso tem uma carta na manga que ninguém esperava. Ele tem trabalhado em segredo em um vírus para exterminar quase toda a humanidade, deixando apenas alguns para lhes servirem de lacaios. E para completar, ele se gaba de ter feito algo terrível com Scully. Segundo ele, ele "a impregnou de ciência", o que a fez engravidar de William. Ao ser pressionado por Skinner, ele se diz pai de William. Sim, todos fizemos aquela mesma expressão mesclada de nojo, surpresa e ódio que Skinner fez.

Nota: Até onde eu sei, se ele fez um procedimento médico qualquer na Scully sem seu consentimento que a fez passar de estéril para fértil, ele fez um estupro médico nela sim.

Eu prefiro acreditar que essa violência dele não gerou o filho tão amado de Scully. Mas creio que só saberemos com certeza no final da temporada.

Enfim... ao todo, gostei muito do episódio e estou ansiosa pelo próximo! [/Josi]


[Francinete] Esse episódio, mais do que nunca, confirma e reafirma o imenso amor, cuidado, cumplicidade entre Scully e Mulder que ultrapassa tudo! Deu pena da nossa Scully, no primeiro episódio já acontecer tanta coisa com ela, mas Mulder sempre chega na hora certa! Senti falta daquela cena em que ele beija a testa dela, mas aquela pegada na perna dele foi demais!!!

Fiquei chocada com a revelação de que o bebê da Scully não seja do Mulder, mas espero que seja apenas uma baita de uma mentira... 

Já estou ansiosa pelos próximos episódios!!! ❤❤❤ [/Francinete]


[Cleide] A espera foi ansiosa... meses e meses depois daquele cliffhanger no final da décima temporada. Mas quem é fã de Arquivo X raiz (desculpem a brincadeira) sabe muito bem o que foi assistir na Record o final da quarta temporada com uma Scully chorosa anunciando o suicídio de Mulder (ainda mais depois daquele tiro que foi o episódio anterior “Demons”), e ter de aguardar quase um ano pelo desfecho, sabendo notícias breves apenas por meio de revistas do gênero Sci-Fi para acompanhar.

Hoje em dia, podemos mesmo de longe, acompanhar o ritmo das gravações em tempo real, e sabíamos que parecia que o mundo acabaria nesta temporada, mas de alguma forma, a vida continuava, pois havia fotos dos dois em várias ocasiões, e trailers e teasers... mas como Chris Carter resolveria aquele final?

Particularmente, achei genial a ideia de tudo ter sido uma visão profética da Scully... combina com o clima de Babyllon e as trombetas no final, e depois, quando nós desavisados inicialmente, vemos “My Struggle II” pormenorizadamente, podemos perceber quando começou a convulsão de Scully. O que é ainda mais legal, é o fato de que a visão na verdade é de William, e não da Scully. Pois isto mostra, que não só o filho dela não é ignorante de sua existência sendo criado em alguma roça estilo Clark Kent, como consegue entrar em contato com ela... e sabe inclusive de todo perigo e da situação que o cerca, mais que seus próprios pais... isto pode nos economizar uma crise de adolescente desnecessária no reencontro dos três.

Eu gosto especialmente, do amadurecimento de Mulder, que já vem acontecendo há um tempo, mas que fica tão patente na cena do hospital... Skinner vem com uma ideia daquelas bem Arquivo X (ler código morse nas ondas cerebrais da Scully), e quer que ele siga a pista, afinal, eles já correram atrás de coisas muito mais absurdas no passado... só que o Mulder de hoje, apesar da busca apaixonada da verdade que sempre o consumiu, sabe muito bem o que é mais importante... e era ficar com ela! Eu me emocionei com o sentimento dele de se sentir aterrado ao ver que a pessoa que ele mais ama no mundo poderia estar sofrendo por causa dele... isso apavorava o Mulder da segunda, da quinta temporada, mas tanto tempo depois, ele lida com muito mais consciência com estes sentimentos.

Foi uma boa estratégia, saber que há duas conspirações correndo ao mesmo tempo, a hardcore do Cança, que quer exterminar a humanidade, e a outra, pseudo boazinha dos riquinhos que vão fazer o julgamento final e escolherem quem vão levar para um novo programa espacial - me poupem! Isso vai dar muito assunto e a discussão boa...

O Cancer Man para mim, está totalmente insano... não tem como, de alguma maneira distorcida, essa peste ser o ponto de vista certo da história o tempo todo. Ele é simplesmente diabólico, e o pior, ele é mais perigoso e puramente mal, pois acredita de verdade que é bom e está fazendo a coisa certa. E agora, seu surto megalomaníaco é que ele pode e deve julgar e eliminar a humanidade... o mais louco, nem os dois filhos ele salvaria, mas Scully sim... durante a série, a gente fica pensando, que ele sempre salvou a Scully por causa de Mulder e dele ser seu filho, pois sem ela, ele não funcionava bem, se tornava perigosíssimo: um homem sem nada a perder... mas no final das contas, ele queria salvar a Scully? E o pior, que tipo de sadismo, no final do processo, ele vai querer que Scully escolha se salva Mulder ou seu filho? É simplesmente um vilão capaz de fazer o inimaginável.

Eu sei que muito fãs xingam o Chris Carter e o acusam de várias coisas pelos atos do canceroso, entretanto, eu entendo que se uma pessoa, no alto de seu delírio, se acha no papel de julgar toda humanidade e espalhar uma doença mortal, o que essa pessoa não faria? É a forma dos escritores nos apresentarem o mal em estado puro, e o que é o poder nas mãos de gente sem escrúpulos – por isso, a cartada final do episódio – sendo mentira ou não – não me surpreende sendo totalmente coerente com o personagem. É um balde de água fria para nossos pensamentos mais romantizados da série, mas quem matou, deu crianças e a própria esposa para serem cobaias de experimentos alienígenas, fez tudo que fez com seus únicos filhos, não seria capaz de mais esta maldade? Mas eu achei de uma coragem e inteligência da produção, pegar um episódio da sétima temporada que prestamos pouca atenção (afinal, tantos momentos lindos de Mulder e Scully, todo aquele arco de Mulder se tornar sobre-humano, e a gravidez no final), e utilizá-lo como um gancho fundamental na história, foi uma cartada de mestre! Digna mesmo de Arquivo X.

Vai fazer diferença para Mulder e Scully se William não for filho de Mulder? Sempre pairou uma dúvida sobre quem era o pai, e inclusive, se a criança era totalmente humana... mas eu tenho para mim que o amor dos dois abraçou essa criança como seu fruto “no matter what”. Aumentará o ódio dos dois contra a raposa velha... mas nunca mudará o amor dos dois pela criança, uma vez que o próprio Mulder, sendo filho daquele demônio, sempre teve como pai, o Bill Mulder. O que deixa mais icônico o menino ter recebido o nome do pai de coração de Fox Mulder: William.

Falando da polêmica principal, ficam outros detalhes importantes: gostei muito das cenas de ação, da perseguição de carro, o timming do episódio é tão bom, que parece até que ele é muito mais curto que os outros. As cenas de Gillian e David, onde vemos a velha química funcionar, são o coração do episódio. Mulder pra variar enfrentando o chefe (adoro!), e Skinner sempre caindo no papo do Cança, para salvar a pele de Mulder e Scully.

Estou muito empolgada com o que pode vir nesta temporada, e confiante no brilhantismo da equipe que sempre fez de Arquivo X este fenômeno maravilhoso em nossas vidas! [/Cleide]

http://the-girl-who-didnt-make-anysense.tumblr.com/post/169306289153/the-truth-still-lies-in-the-x-files


Cenas do episódio na página oficial do show












Bastidores








Fontes dos GIFs: x x x x x

4 comentários:

Anônimo disse...

Sempre amei cada review de vcs. Concordo com comentário cleide, discordo as críticas ao titio CC, Arquivo X sempre viveu de reviravoltas e nunca foi pelo óbvio e simples. My Struggle III deu algum sentido a toda 10 temporada(na qual me senti perdida) e me deu aquele gostinho das primeiras temporadas da série.
O que me mais me incomoda e preocupa, isso desde a temporada passada é a voz(muito rouca e tom muito baixo) além da extrema magreza de Gillian.
Abraço a todas.

Andando na Prancha disse...

Eu sou um fã da s[erie tbem, e particulamente achei os reviews muito bons. Porém tenho críticas fortas a várias escolhas recorrentes do CC. Por exemplo, fica nítido que a 11° é para os fãs, então porque a necessidade de explicar tudo? Como foi o prólogo quase que constantemente, a grande sacada do arquivo X era exatamente deixar nas entrelinhas, ate atingir um clímax. Não vou nem falar do fato de terem revirado aestória e praticamente desmontar toda uma estrutura já solidificada, reescrevendo, mudando a mitologia como vcs mencionaram, o brega funcionava bem, os aliens as abduções, tudo funcionava perfeitamente. Além do que, parece que faltou criatividade para gerar uma continuação e uma narrativa melhor estruturados, com Scully a maior parte do tempo tendo convulsões e presa numa mesa de hospital, matando a personagem, pareceu mais uma mistura de DrHouse com Plantão Médico. Sobre o segundo episódio, que a essa altura já saiu, a estória é boa, só. Ele mais parece uma mistura de filme de perseguição policial com um pouco bem pouco de ficção científica, lá se foram os velhos tempos aonde haviam episódios simples mas nostálgicos como 'DIRIGA' (bons tempos), que era de perseguição, mas vc ficava vidrado, a estória te prendia a atenção a todo momento, a onda de conspiração instigante (aliás com relação a conspiração do governo paralelo, uma estória com contexto direto ao foco central). Agora, vc vê um episódio aonde não tem a geração de um clímax, porque todo momento tem alguem tentando matar eles, tem alguem chegando de carro, atras da cortina, e a todo momento eles estao fugindo, isso cansa. Um final pífeo sem criatividade, num tema que poderia ser melhor explorado e em minha opinião, JAMAIS ser colocado como parte integrante da conspiração central, não nesse momento, e mais uma vez CC começa a revirar o passado e estragar tudo que ja estava muito bom (qual é, transplantar as mentes para uma inteligência artificial a fim de usa-las para trabalhar como escravos em prol de novas tecnologias, e as grandes mentes do mundo estão lá, e isso agora faz parte do contexto central, NAÕ GENTE, NÃO É ASSIM, péssima escolha. Algumas coisas deram muito certo, como o episódio do terrorista e do homem lagarto, nostálgicos e cômicos na medida certa, um dínamo, mas toda vez que o CC tenta mexer com a estoria da mitologia central, desde a 10°, foi catastrófico.

Marcelle Rodrigues disse...

Ai como é bom ler a opinião de gente que tem bom senso! Eu não assisti ao episódio ao vivo,então acabei lendo os comentários no fandom e fiquei desesperada. Achei até que tinham matado a Scully (sem exagero). E quando assisti ao epi pensei: "Meu Deus,estão xingando o Chris Carter por isso?" É exatamente o q vcs disseram na review,isso estraga um pouco nossos pensamentos shippers,mas o que é a biologia perto de tudo que Mulder e Scully têm? Eu sempre pensei que o Mulder tem o William como filho mais por amor do que por qualquer outra explicação lógica. E não é isso que é ser pai? Um vínculo de amor é muito mais importante do que DNA. E outra coisa: Depois de 11 temporadas,as pessoas ainda não aprenderam que nós NUNCA vamos ter tudo que queremos em Arquivo X. Isso não combina com a série. Enquanto Mulder e Scully estiverem caçando monstros no escuro,sempre estarão perdendo algo. Mas no final,eles sempre têm um ao outro. Isso tem bastado. E essa é,na minha opinião,a beleza da conexão deles. A certeza de que,não importa o que aconteça,esses dois vão juntos sempre encontrar o caminho de volta. Por isso,estou muito ansiosa pra ver tudo q vai acontecer na Season 11! Tá muito grande já esse comentário kkk. Mas enfim,meninas,vcs são raiz mesmo! Kkkk

charles disse...

Faça o review do segundo episódio.