sábado, 18 de junho de 2016

06x09 - S.R. 819 (S.R. 819)

Direção: Daniel Sackheim
Roteiro: John Shiban

Resumo: Skinner é injetado com uma substância desconhecida e aparentemente tóxica. Mulder e Scully investigam a natureza do ataque e como salvar seu antigo chefe.




Comentários:

[Josi]
O teaser desse episódio é de uma maldade digna de Arquivo X. Primeiro que, para quem nunca o assistiu antes, você só pensa que eles estão falando sobre Mulder. Daí vem a surpresa: Skinner. Então, a coisa só piora pois ele sequer é o Diretor Assistente supervisor de Mulder e Scully. Ou seja, não há muito mais que o ligue à trama. O que significa que as chances são que ele realmente morra ali.

Para piorar, voltamos dos créditos para um discurso de Skinner que termina com um "a morte escolheu por mim". Quê?!

Skinman estava indo super bem no boxe, até que fica tonto e cai... e o carinha com quem ele lutava sai como se o tivesse nocauteado. O mundo é tão injusto, às vezes. rs

Agora... Mulder realmente não tem o que fazer pra ficar até altas horas da noite no bureux jogando lápis no teto. Mas o danado tem um olho bom pois notou imediatamente que havia alto errado com seu ex-chefe. E, claro que ele chama a médica pessoal dos dois. E eles passam a interrogar um muito chateado Skinner.

Então Skinner começa a dar detalhes de seu dia. Entre eles, está que ele acordou sozinho. Gente, o que será que aconteceu com a esposa dele? Eu pensei que eles tinham se acertado, mas ela simplesmente sumiu. Estranho isso porque em Avatar parece que eles se acertam, ele até põe a aliança de volta. Mas na quarta temporada ele já aparece sozinho e agora isso. Enfim...

Vasculhando em sua memória, Skinner lembra que um estranho o abordou no corredor e eles concluem que foi assim que ele se contaminou. Mas que pessoa idiota vai envenenar outro e ainda deixa nome e destino na porta de entrada do FBI? Ou alguém desesperado ou que tenha certeza que sairá impune.

Mulder e Skinner seguem para a casa do tal físico para questioná-lo e são surpreendo por mais três homens que levam o cientista consigo à força. Um deles é pego por Mulder, mas ele tem que deixá-lo ir porque ele é um diplomata. Honestamente, eu não entendo nada como esse negócio de imunidade diplomática funciona... então, a pessoa pode cometer qualquer tipo de crime e ponto final? Aff

Depois, tanto Mulder quanto Scully seguem fazendo o que eles fazem de melhor: quebrar o protocolo e contaminar evidências. Gente, não custava imprimir um papel com a assinatura de Skinner dando permissão à Scully para examinar suas amostras no hospital. E, Mulder, meu Deus, homem, não precisava jogar todos os papéis do Dr Orgel pelo chão. E o pobre do policial apenas querendo fazer o seu trabalho.

E olha só quem aparece. O velho "amigo" de Mulder, o senador, ajudando bastante, como sempre, só que não.

Skinner, achando que seria muito útil e seguro, segue o diplomata tunisiano. Sorte dele que o cabeludo aparece de novo e atropela o cara antes. Continuando com sua sorte, ele é levado a um hospital onde os médicos acham que amputar os braços ia solucionar algo que já estava espalhado por todo o corpo do homem. Sério, o que eles estavam pensando? Gangrena?

Enquanto Scully fazia os testes com o sangue de Skinner, eu só pensava o quanto que eles tiraram porque eu só via ela pegando mais e mais. rs E, sério, quantos testes eles fizeram antes de liberar Skinner? Como ela poderia saber que a coisa atacava o sistema cadiovascular apenas pelo sangue? Respostas que teríamos se estivéssemos vendo House, né? Como é Arquivo X, ficamos no ar.

E cá está nossa resposta do porquê de Dr Orgel ter ido até o FBI daquela forma... ele foi obrigado.

E o pobre do Skinner pensando que estava à beira da morte e se confessando à Scully. Sim, Skinman, você se protege bastante, mas ajuda muito também. A gente te perdoa.

Adorei Mulder dando uma dura no senador. Mas ele esbravejar que vai expor todo mundo não tem muito efeito. Oh, querido... você mal tem força pra andar sobre as próprias pernas agora.

E no hospital, Skinner é dado como morto apenas para voltar a si alguns segundos depois. Cabeludo é tão sem futuro. Deixar a pessoa ir até a morte para logo depois deixá-lo viver de novo. Quem seria essa pessoa tão nojenta, tão baixa, tão mesquinha, tão sem nenhum amor pelo próximo?

Olha aí! Ser humano de quinta categoria na área! Só ele mesmo pra ficar ali no estacionamento, no calor e sem ar, esperando bonitinho pra Skinner aparecer e ele fazer suas ameaças.




E Skinner volta a ser superior e evasivo com Mulder e Scully, fazendo os dois ficarem sem palavras com a mudança repentina sem saber que ele estava de mãos atadas. [/Josi]

[Helena] Começar com um agente do FBI morrendo em um hospital e o contato ser a Scully. Perfeito para já imaginar em que nova encrenca o Mulder se meteu agora! Mas não é ele, é o Skinner. Ele já não era mais o mesmo da S.2, que ficava na linha que o Mulder insistia em atravessar (Emasculata, Ep. 22- S.2).

Volta o tempo e ele está praticando boxe. Já não tinha adrenalina o suficiente no trabalho... É nocauteado e vai para o hospital, onde um telefonema misterioso o notifica que ele só tem 24 horas de vida, mas o médico fica dizendo que ele vai sobreviver, só sugere que ele pense bem quanto ao boxe. Doutor, o boxe é de longe a coisa mais sossegada da vida dele.

O Mulder está jogando lápis no teto (eu não consigo fazer isto!) do FBI tarde da noite e vê o antigo chefe passar e vai dizer um alô, mas já percebe que tem algo errado e chama a Scully. Perguntinha básica: ninguém tem sono? Todo mundo está sempre animado depois de um dia de trabalho?

A Scully chega toda de preto (ela está ótima, mas lembrei de outra review que mencionou o fato de ela só usar preto a temporada inteira) já vai fazendo perguntas e o Mulder cuidadosamente fazendo uma verificação completa do que pode ter acontecido com o Skinner. Lembremos que o Mulder no início dele no FBI era considerado um dos melhores em traçar perfis e hoje graças a assistir Criminal Minds, uma série que declaradamente passou a explorar o trabalho de profilers do FBI inspirada em AX  e Millenium, sei que ele estava fazendo uma entrevista cognitiva com o Skinner.

Esta mesma habilidade com perfis é o que faz o Mulder entender de imediato que o tal de Orgel, que supostamente teria envenenado o chefe, ex-chefe, sei lá, não estava sozinho. Detalhe o Skinner estava brabo, queria socar o cara até saber como achar uma cura.

Teria sido muito fácil. O Mulder consegue pegar o sujeito que ameaçava o bom doutor, o qual consegue fugir, pelo menos é o que parece, mas o bandido tinha imunidade diplomática e o Skinner, que estava piorando rapidamente, manda deixar ele ir. Como ele mesmo diz, não tinha tempo para toda a burocracia etc. que iria acontecer.

No hospital, a Scully procura respostas. Adorei quando o médico diz que por sorte o Skinner tem Plano de Saúde do Governo! Azar é do plano de saúde! Alguém já calculou quanto devem ser as despesas médicas do Mulder e da Scully? Naturalmente se espera que agentes de campo do FBI sofram ferimentos como tiros e facadas, mas ser contaminados por retrovírus alienígena, agentes biológicos no Ártico, câncer incurável, água que provoca envelhecimento acelerado etc. Haja cobertura!!!

O médico ainda avisa a Scully que precisava de consentimento escrito do paciente para deixar ela ver e examinar o sangue. KKKKK! Alguém já viu ela ou o Mulder se preocuparem com mandados etc.? Eu não! E...não disse?! O Mulder está vasculhando o apartamento do Orgel sem dar a mínima para procedimentos da polícia!


Resultado, ele descobre que o Orgel está envolvido com um velho amigo, o Senador Mastherson, o qual (depois de mencionar o horário e o Mulder nem tchum como sempre) explica para o Mulder sobre o SR819 como tecnologia médica para o Terceiro Mundo e dispensa o Mulder. A Scully e o médico no hospital também descobrem que alguma coisa muito errada está agindo no sangue do Skinner, o qual está procurando desesperadamente por uma resposta na garagem da embaixada da Tunísia. Só que ele piora muito lá durante uma confusão danada com direito a atropelamento e fuga, que naturalmente nenhum segurança impediu. Deviam estar na hora do café, então todo mundo entra e sai na maior alegria de uma área que, até aqui no Brasil, tem segurança de verdade! Embaixada é mais do que protegida em qualquer lugar do mundo!

No hospital a Scully consegue impedir que amputem os braços do Skinner. Credo! O povo ali era bem animado em cortar membros. Se o Skinner pudesse ouvir, meu conselho seria: corre enquanto tem pernas!

Voltando. Infelizmente a Scully sabe o que não é solução, mas não o que é.

No FBI, o Mulder, diante da atônita secretária do nosso diretor-assistente favorito, revira todo o escritório até achar sobre o SR819, uma Resolução do Senado de nº 819 que o Skinner estava verificando. Pelo jeito, ele estava fazendo um bom trabalho, só não percebeu o que poderia acontecer com ele. E a secretária fazendo perguntas bobas “Por quê?”, quando o Mulder diz que o chefe dela foi envenenado, “ele vai ficar bom?”. Claro fofa! Só um envenenamento no sangue! Canja de galinha e cama! Já imaginaram como é ver TV comigo. Comentários sarcásticos o tempo todo.

O que nossos geniais agentes descobrem? Não estou sendo sarcástica agora, eu acho os dois incríveis, quando eles vacilam, eu relevo, afinal, a pressão e os perigos constantes fariam qualquer um com menos fibra desistir ou ir parar num hospício. Bem, voltando... o Orgel queria alertar o Skinner sobre as violações de segurança daquela tecnologia médica. Depois de receberem uma ameaça pelo telefone, o Mulder quase captura o verdadeiro vilão por trás de tudo, mas como sempre, o sujeito escapa numa nave alienígena que ninguém viu. Agora fui sarcástica! Que droga! Como meio mundo escapa assim!?!?

Corta para o Senador Mastherson, que recebe uma ligação  do “vilão dos bastidores” dizendo onde está o Orgel. O Mulder, através de pistas extraídas do veículo do sujeito malvado (foi um momento CSI em AX) também chega lá. O Mulder, pode ser até egoísta às vezes, mas na hora que a coisa fica feia para alguém de quem ele gosta, ele dá até uns trancos em um Senador. E nem era a Scully que corria perigo desta vez. Imaginem se fosse com ela!!!

O Senador Mastherson explica, o que o Mulder já sabia em parte, sobre a nanotecnologia, que seria ótima na medicina se não houvesse interesses escusos por trás.

No hospital, o Skinner, acreditando estar à beira da morte fica todo arrependido de não ter apoiado o Mulder e a Scully, o que eu achei meio forçado. O Skinner foi cada vez mais desde a S.2 ajudando e protegendo eles. Na S.8 ele assume o lado dele de vez, mas antes: reabriu os arquivos-x, saiu no braço com o X para descobrir onde o Mulder estava em A Colônia II, encarou o Canceroso, fez depois um acordo (vendeu a alma ao diabo) com o mesmo para salvar a Scully quando ela lutava contra o câncer e por aí vai... E acaba lembrando quem e como o envenenou. Não vou dar um pirulito para quem acertar porque todos nós já sabemos que foi o asqueroso e onipresente Krycek, que estava no ginásio, no hospital e no FBI (casa da mãe Joana, todo mundo entra e sai) O Skinner chega a “morrer”, mas acorda e vê o Krycek observando ele fora do quarto no hospital.

Três semanas depois, ele está recuperado no FBI. O Mulder, genial como de hábito está percebendo tudo: o SR819  era um problema e, em tese o Skinner foi envenenado para não poder impedir, mas na verdade o projeto nem passa pelo Senado. Foi uma forma de atingir o Skinner e, consequentemente, os arquivos x.


Surpreendentemente, o Skinner não autoriza que o Mulder e a Scully investiguem mais.

Antes de xingarem o cara até ficarem roucos, assistam o fim do episódio.

O Krycek avisa o Skinner que basta apertar um botão e ele morre, pois o que o Krycek conseguiu passar para ele pode ser controlado com um aparelho a distância. O Skinner não está mais sob o poder do Canceroso, mas agora o Ratazana tem um poder ainda maior sobre ele... [/Helena]

[Cleide] Começamos o episódio com um teaser assustador: um hospital, uma médica mandando que informem Scully, que Skinner está morrendo... entram no CTI, o nosso “inquebrável” chefe está irreconhecível, diz algo no ouvido da médica e entra em colapso. O assistente prepara-se para ressuscitação, a médica manda que deixem-no morrer...

Cortamos para um monólogo de Skinner, sobre escolhas, sobre a vida e a morte... e aí, vamos começar a entender a história, enquanto embalam seu corpo e voltamos 24 horas no tempo, para Skinner numa academia de boxe. Quem prestou bastante atenção, percebe um homem misterioso, cabeludo, entrando na academia, logo na primeira luta, a vista de Skinner fica embaçada e seus reflexos lentos... observando mais atentamente, e for mais perspicaz (nem tanto na verdade), saberá que o cabeludo é Krycek.

No início, tudo indicava que o mal estar de Skinner fosse um nocaute no boxe... mas uma ligação imediatamente nos mostra que não era bem isso e uma voz eletrônica diz que ele já estava morto... o médico lhe dá alta, para ele está tudo bem, mas há um hematoma bizarro em um local, que se observamos bem, ele não foi atacado na luta que assistimos.

Gente, Mulder não tem mesmo vida social né? Skinner volta para o FBI, e quem está lá ao invés de ir para casa? O próprio: no caso, a pessoa certa na hora certa, pois ele traz Scully para  juntos, meterem o nariz onde não foram chamados – mas no caso são bem vindos!



Scully suspeita de envenenamento, Mulder fica super paranoico com a ligação, e com a possibilidade de Skinner estar sendo ameaçado por conta dos Arquivos X. Então, tentam revisitar a rotina dele no dia... voilá... o diretor se lembra de um homem que o parou e o tocou no pulso direito. Scully reconhece o tal homem no vídeo da segurança, como um cientista de comissão do Senado. (Gente, que memória fotográfica é esta?).

É de dar nervoso o fato das pessoas fazerem algo, serem filmadas e negarem na cara de Mulder sempre que ele pergunta? Pra variar o tal Dr. nega que esteve no FBI e Mulder usa aquela persuasão de sempre: derrubar a porta e entrar com sua arma... como pode? Mas é claro que surgem capangas de todo lado para atirarem e levarem o cara, em um carro com placa diplomática??? WTF!!!

Skinner então começa a piorar, e surgem aquelas manchas nas veias que veremos depois piorarem muito durante o episódio. Pausa para piadinha de Mulder, o capanga falando uma língua incompreensível e ele responde “Sua mãe também!” Mulder é tão gente como a gente...



Scully vai fazer sua investigação médica, logicamente... e as amostras de sangue que ela tem acesso estão totalmente estranhas, como se estivessem coaguladas. Quando analisam, é carbono, puro... como pararam alí? Como agem feito veneno? Então, no microscópio, veem as pequenas partículas se multiplicando... nanopartículas, tecnologia inimaginável!

Mulder, fuçando as coisas do Dr. Orgel que foi sequestrado, encontra uma foto de seu amigo senador, dá pra ficar mais bizarro? Claro que ele vai lá tirar à limpo o que estava acontecendo... fazia tempo que este personagem não aparecia. Então, descobrimos que SR 819 é um projeto do senado – fundo de investimento – e é a única coisa que Mulder sabe para salvar seu amigo... e que isto se liga à diplomatas da Tunísia.

O que me deixa perplexa é que Mulder desde o início tinha intuição de que isto poderia custar a vida de Skinner, acho que já tinha passado por dificuldades suficientes à esta altura, a ponto de conseguir farejar riscos de morte de longe. O senador não se sensibiliza, não ajuda... ou seja, já estava envolvido até o fundo nesta conspiração. E se não estiver enganada, não vemos mais este personagem na série depois desta decepção.

Como se não bastasse a experiência bizarra com sua vida, o diplomata tenta matar Skinner atirando nele mesmo, e o homem cabeludo (Krycek), por algum motivo, o atropela e salva o diretor...

Scully e o médico descobrem que aquela tecnologia estranha se multiplicava e solidificava, nas palavras do médico: estava construindo um ataque do coração. Nesta parte temos que reconhecer a primazia do trabalho de maquiagem, a aparência de Skinner é assustadora!

Algo que salta neste episódio, é o cuidado, lealdade e carinho que Mulder e Scully têm por Skinner, e como eles são pessoas diferenciadas, afinal, neste ponto, eles não eram mais agentes dos Arquivos X e nem subordinados do Diretor Assistente.  Mulder fica literalmente desesperado para descobrir algo, como percebemos no escritório de Skinner.


No final das contas, a “doença” é tão agressiva, que começa a obstruir as artérias mais rapidamente do que conseguiam desobstruir. Em uma conversa rápida Mulder levanta a hipótese de que o Dr. Orgel queria notificar Skinner sobre uma nova tecnologia entrando no país sem devidos trâmites, e Scully tem um insight sobre o que seria esta tecnologia: afinal, não era uma doença que estavam combatendo no organismo de seu amigo e que progredia de maneira tão agressiva.

A ratazana do Krycek é mesmo um ser odioso, enquanto todos investigavam e corriam contra o tempo, ele estava dentro do hospital brincando com a vida de Skinner. Quando assistimos estes episódios em que ele faz maldades desmedidas, sabemos que este mereceu o destino que teve!

Quem não ama a velocidade em que, isolando uma partícula num veículo, o FBI consegue saber aonde o criminoso poderia estar?

Mais uma vez, na cena em que vemos Orgel tendo o possível fim que espera Skinner, temos de aplaudir o departamento de efeitos especiais e maquiagem.

Skinner, estando entre a vida e a morte, se sente arrependido de não ter participado ou ajudado mais na busca da verdade de Mulder e Scully. Acredito que no coração, neste momento, ele escolheu seu lado, e fica pensando o quanto esteve em cima do muro podendo ter feito muito mais pelos agentes... por outro lado, sabemos que por uma questão de vida ou morte, apesar de seu posicionamento interno, não haveria como ele ajudar, dada a chantagem de Krycek que começa neste episódio e se estende por muitas temporadas.  Para os nossos heróis, é bem frustrante, mas nós, telespectadores, ficamos do lado de cá, entendendo perfeitamente o que se passa com Skinner, e sabemos que mesmo não podendo fazer tudo ao seu alcance, ele ainda é mais útil à Scully e Mulder, vivo do que morto... e ele sabia disto!

Na conversa com o senador, vemos mais uma vez que o governo americano dominava e estava exportando tecnologia que nem se acreditava existir... e a utilizando para matar, é lógico!





Voltamos à cena inicial: e então, Skinner morreu? No momento da morte, o imprestável do Krycek o reativa remotamente (uma pessoal tão ruim não devia ter tal poder), só para mostrar ao assistente que o tinha nas mãos.

No final das contas, vendo as imagens nas câmeras do FBI, Scully e Mulder, não conseguem saber quem era o homem cabeludo e barbudo (como não?). Skinner de repente se torna lacônico, neutro e zombando da paranoia de Mulder. E neste tom, barra a investigação do S.R.819 – dá muuuuitaaa raiva! A gente vê a frustração de Scully estampada em seu rosto... mas, o diretor assistente está nas mãos de Krycek, como no passado esteve nas mãos do Canceroso. E isso ainda vai dar muito pano pra manga! [/Cleide]


Quotes:

Scully: Gostaria de tentar uma coisa. Um tratamento chamado plasmaférese terapêutica. É preciso filtrar todo o sangue do corpo. É um procedimento radical e há o risco de que o corpo entre em choque.
Skinner: Estou nas suas mãos.

Skinner: Acho que lhe devo desculpas, Scully. A você e a Mulder.
Scully: Senhor?
Skinner: Estive pensando. Sua busca. Deveria ser minha.
Scully: O que quer dizer?
Skinner: Se eu morrer, será em vão. Não tenho nada para mostrar. Minha vida...
Scully: Sabe que não é verdade.

Skinner: É sim. Agora percebo que... sempre me protegi. Nunca tomei partido. Não teria deixado você e Mulder... me envolver.
Scully: Você foi nosso aliado mais vezes do que posso contar.
Skinner: Não o tipo de aliado que eu poderia ter sido.




Outras Imagens de S.R. 819:

Skinman com um sério caso de varizes no corpo inteiro

"Depois você foi para a cama... sozinho?"

AX nos fazendo medo das coisas mais corriqueiras... aff

Mulder prestes a fazer uma mulderice.

Mais um herói de Mulder que cai

Olha um rato! Corre!

O pobre tanto que queria ajudar... e cá está amarrado novamente... :/

Nenhum comentário: