domingo, 6 de setembro de 2009

02x08 - One Breath (Por um fio)

Roteiro: James Wong, Glen Morgan
Direção: R. W. Goodwin

Resumo: Scully aparece misteriosamente em um hospital de Washington, viva, mas em coma. Mulder luta para mantê-la viva, enquanto Scully luta sua própria batalha tendo que decidir entre ficar ou deixar-se ir...



Comentários:

[Starbuck] Não há uma vez que assista Por um fio e não fique totalmente boquiaberta... Esse episódio é perfeito... a atuação do David é fantástica...

Neste episódio, vimos, especialmente, a importância da Scully para o Mulder e como é nela que ele adquire forças para seguir sua busca pela verdade. Mas, é também por ela que ele recua.....

Acho que Mulder vivia sozinho e confortável e a ruiva o tirou desse "conforto", mas duvido que ele queira voltar ao estágio anterior... rs rs rs .

A cena de desespero dele lá no hospital (sim... amamos hospitais) é de deixar a mãe da Scully com cara de "ops".. Ela deve ter pensado: "Well, minha filha ruiva, cética e poderosa se casou e nem me mandou um convite"... Sim.. porque poucos maridos apaixonados fariam aquele show que o Mulder fez.

A Melissa (antes de voltar encarnada na New Age) de fato tinha boa intuição sobre o relacionamento deles, pena que na versão New Age ficou mais voltada a sorrisos e cantos da baleia....

Tudo é bom... O contato que ele tem com a mãe e a irmã da Scully, a forma como ele fica arrasado com a perspectiva da morte dela (ainda mais se sentindo culpado), o encontro dele com o Cança, o pedido de demissão, o choro solitário no apartamento...

E... temos o fim shipper e lindo com ele dando a fita do Superbowl e a correntinha (viram que ele ficou todo constrangido ao fazer isso... eles tem dificuldade de mostrar afeição em público.. mas, o careca de LOST VIU.... e contou para todos os shippers, half-shippers e noromos dessa galáxia). [/Starbuck]

[Josi] O episódio já começa mostrando quem é quem... Bill Jr infulenciando incorretamente os irmãos... Maggie pensando negativo e Mulder sempre querendo acreditar!

Apesar dos pesares eu achei bonito da parte da Maggie chamar o Mulder para ir pegar a placa... imagino que ela encontrou nele a força de que ela precisava naquela hora. Imagina a Melissa maluquete ali? rsrs

Olha que fofo ele ficar sempre com a última imagem dela na mesa dele... o inspirando a ir em frente... Own...




Daí aparece Mulder deitado e você pensa "ué? Dormiu, finalmente?".

Ledo engano.






Daí está Mulder entrando desesperado no hospital (tal como em Redux II) e alguém tenta o impedir: "Não pode entrar aí". Fia... SONHA!

Achei legal a parte em que falam em desligar os aparelhos que mantém a Scully viva e Mulder não quer deixar, mas cede quando mostram o documento em que Scully estabelece que não queria viver sob certas circunstâncias e que ele mesmo tinha assinado. Acho que, depois disso, eles rasgaram este papel...

Mulder acredita em quase tudo, como ele mesmo disse, mas quando o pessoal vai atrás de certos clichês ele se irrita não é? Acho que ele pensa que estão ridicularizando o sobrenatural... sei lá... Ele não gostou muito do jeito "new age" da irmã da Scully...

Certo... esse barco não devia afundar um pouquinho não? kkkkkkkkkkkkk Pôxa... até ontem eu pensava que eles tinham realmente colocado a Gillian dentro de um barco em um laguinho...


Ei! Mulder não sai daquele hospital não? Bom, mas dá pra notar que ele fica até melhorzinho... até que ele descobre que o estado da Scully pode não ter mesmo volta. Tadinho...

Frohike (revelando como pegou os relatórios médicos da Scully): "Eu o escondi em minhas calças".
Mulder: "Deve ter muito espaço aí".

Enfim, os Pistoleiros usam um programa desenvolvido por um tal de "O Pensador"... que reaparecerá em Anasazi. Aaaaaaaamo essas coisinhas que CC deixa pelo caminho pra gente. Faz tudo parecer mais real.

Mulder (nem aí para as explicações mirabolantes dos amiguinhos dele): "Ela vai viver?" - Ela fala com a voz trêmula. *lágrimas nos olhos*

Enf. Owens: "Dana, você deve ir apenas quando for a hora" - Que segundo Clyde e o carinha de Tithonus vai demorar, viu?

Cara... se o Mulder é paranóico, o X é totalmente neurótico! E essa mania de viver falando que não quer morrer pela causa? Perdeu, maluco! E ele dando uma de Steven Seagal? Quanta violência! hauahuaha

Gente! Tiraram a Scully do barquinho com uma almofadinha nas costas pra colocá-la em cima de uma mesa dura? Aff... (Alguém consegue, com sinceridade, olhar para a imagem da Scully deitada neste episódio e prestar atenção em algo que não seja aqueles seios totalmente desproporcionais?)

Enquanto Mulder conversa com Melissa no hospital, chega lá uma lokinha do nada pedindo dinheiro a ele para um cigarro??? SONHA!!!!

E Mulder é delicadíssimo com a agora falecida cunhada no ap dele, heim? Acho que Melissa deve ter achado ele mais doido do que o que ela tava acostumada. rsrs

Mas quando ele volta pra casa e vê tudo destruído... Tadinho, ele escorrega pro chão e chora...... Mas foi melhor assim não é? Nada a ver, ele ficar em casa esperando com uma arma pra vingar a Scully daquela forma. Aquilo não ajudaria em nada, muito pelo contrário. Até inconsciente ela salva Mulder.

Mulder, sem querer atender ao telefone com medo de ser uma má notícia, mas atendendo assim mesmo e sorrindo com uma alegria que eu não consigo descrever... é de encher de alegria até o nosso coração.

E, claro, a melhor parte de todas é ele devolvendo a correntinha dela e lhe dando a fita do Superball -- todo envergonhado (Mulder, envergonhado?). Como Scully mesmo disse ela tinha um motivo pra viver. E não era a fita, mas sim o nosso narigudo mais querido!
[/Josi]


[Cleide] Por um fio, para mim, é incomparável! Depois de toda frustração e desespero, a família de Scully desiste, mas Mulder ainda tem esperanças... e ela aparece! Deixada para morrer. Parece que reacende uma chama em Mulder, que se manifesta em agressividade e revolta com todos à volta (ele só é suave com a mãe de Scully, mas é hostil com todo mundo, inclusive com Melissa).

Reparem que desde o desaparecimento de Scully, ele não derramou uma lágrima... guarda tudo de tal forma que parece que vai explodir: o escândalo no hospital é triste... depois uma frustração atrás da outra, o diagnóstico do médico, o testamento de Scully, o diagnóstico dos pistoleiros solitários (que ficam até com pena de contar a Mulder), o desligamento dos aparelhos, a intransigência de X, a incapacidade de fazer qualquer coisa contra o Cança...

Vocês repararam que Melissa tenta logo de cara aproximar ele de Scully? A mulher sabe das coisas... Para mim ela tinha consciência que só ele era capaz de trazer Dana de volta...

Nessa cena, Melissa ainda diz que a revolta dele bloqueava os bons sentimentos que Scully precisava sentir...




O desespero de Mulder é o nosso assistindo, e para mim foi supreendente quando, após tantas frustrações, ele pede demissão do FBI. Quem imaginaria que o obstinado Mulder abriria mão de seu maior canal para encontrar a irmã e para sua busca pela verdade por ter perdido a parceira (ex-parceira na época) que conhecera há pouco mais de um ano? Eu me surpreendi. Para mim, isso mostra o peso que Scully já tinha na vida dele e o espaço que ocupava em seu coração.

Então vem a parte mais emocionante: ele teria a chance de matar quem prejudicou a parceira... mas a coisa dá uma reviravolta depois da visita de Melissa: "Por que para você é mais fácil tentar se vingar do que ir lá e mostrar o que sente por ela? Eu esperava mais de você, Dana esperava mais... mesmo que não a traga de volta, pelo menos ela saberá, e vc também!". Melissa sabia que Mulder era a chave para o retorno da irmã... e, quando observamos o episódio, toda vez que Mulder tenta chegar perto dela no hospital acontece algo. Então, Melissa o deixa com a questão desesperadora: se vinga ou vai lá ver Dana uma última vez?

Ele decide ir, passa a noite velando a parceira... Ele deixa de se vingar para vê-la uma última vez: "eu não sei se minha presença aqui vai ajudar a te trazer de volta, mas eu estou aqui" - achei honesto e belíssimo!

E ele, depois de toda a trajetória desesperada, finalmente cai no choro ao ver o apartamento revirado, dando vazão a toda a dor que há tanto guardava no peito.

Eu não sei de vocês, mas quando ele atende o telefone e dá aquele sorrisinho, a gente sente um alívio, não sente?

Depois de tudo, a gente pensa que ele ia abraçá-la, chorar... mas aí lembramos do tal "amor inconfessável" e vemos os pequenos detalhes... vocês percebem a emoção de Mulder e seus olhos brilhantes durante a visita? Ele quase que não segura as lágrimas quando entrega a correntinha... e estava com os olhos inchados...

O engraçado é que Mulder era mais "travado" nessa epoca (comparem com Redux 1 e 2). Ele não quer demonstrar emoção e sai rapidinho do quarto... mesmo que ele não tenha tomado consciência do que sentia naquela época, fica bem claro que Scully já tinha se tornado prioridade na vida dele, e ele na vida dela... "Eu encontrei forças no que você acredita"... pensa, ela voltou da morte por um chamado dele!

Gente, vocês sabiam???? "Originalmente considerou-se que Melissa, irmã de Scully, seria um interesse romântico de Mulder, mas a idéia foi mais tarde dispensada..." - Ainda bem né? Eu prefiro mil vezes do jeito que ficou: Melissa, com tanta sensibilidade, que sabia logo de cara o quanto a irmã já gostava do parceiro. [/Cleide]

[Ariana] O episódio começa melancólico, com a Maggie narrando ao Mulder um evento da infância da Scully em que ela e os irmãos aprendiam a atirar. (Pô, Scully essa era a hora de se livrar do Bill... rs).

Um doce pra quem adivinhar quem teve a idéia de jerico de ir lá chacinar a pobre da cobra! Agora... por que será, heim? Qual o teu problema com as cobrinhas, hã, Bill Jr.? Complexo?

Nessa época, a Scully ainda não possuía a habilidade de reavivar cobras. O que seria perturbador considerando sua tenra idade. Mas ela já tava lá, com a mão na massa, ou melhor, na cobra, treinando... rsrs

É, fia... É triste, mas com uma cobra morta não há nada que se possa fazer. Nem mãos tão mágicas que a reanimem...
Aliás, que menina feia arranjaram pra interpretar a Scully criança, hã?


A Gillian ainda guarda ocê... ohwwwnnn...






Se eu fosse o querido tinha é dado com essa lápide na cabeça da mamis Scully! Jamais tive tanta vontade dar um safanão na Maggie! Essa visão da lápide foi tão insuportável que ele se vira pra não ter de encará-la. É como se dissesse: “Isso não está certo”. E não estava.

O Mulder nunca admitiu a possibilidade de este momento ser verdadeiro. Perder a Scully não é uma opção para ele, mas algo totalmente fora de cogitação, um acontecimento que ele jamais aceitaria. Lembro em MM (sempre, né?) o quão forte foi esse sentimento de negação, de recusa por parte dele em admitir a doença dela e, mais ainda, a idéia de que não havia nada a ser feito.

O princípio deste episódio me faz recordar um dos raros e preciosos momentos de “3”, onde o querido, ao responder ao policial, diz que já não dorme mais. Sabemos que ele não é dorminhoco como sua parceira nanica, mas aqui temos um exemplo do que se transformou a sua vida - ou o que restou dela desde o desaparecimento da Scully. As noites acordado... Pode-se dizer quase um zumbi (infinitamente mais bonito, claro). Espalhados pela sala, pilhas de documentos, fotos, todas as informações referentes à abdução da Scully.

Outro indicador de gravidade da situação é o fato de que nem mesmo os “filminhos” da madrugada prendem sua atenção... Passou batido! *.*

Novamente sua existência passa a ser marcada pela ausência. Passa a ser essa ausência. A imagem dele, nesse instante, é de um completo vazio e desamparo. Ou como diz a música do A. Antunes, um “vazio lotado de infinito”.

Ah, mas eis que o telefone toca! Do outro lado: “Alô, Mulder! Tenho duas notícias, uma boa e uma meio ruim. Qual vai primeiro?”. Tá, isso é o que eu diria... rsrs...

Ele caminha como que em transe pelo corredor do hospital. Sabe apenas aonde quer chegar.

E, conforme a angústia aumenta... que caminhar, o quê! Pernas pra que te quero! Vamo é correr! E ignorar quem tiver no caminho! (Cara, tem uma mão fantasma atrás da enfermeira... meeedo).


A imagem que o deixou com cara de assombro.





“Ei, quem fez isso com ela? Quem mandou turbiná-la com silicone? Pode tirar agora!” – Não me chamem de má, mas eu não consigo deixar de ter esses pensamentos.

Mulder e a mania de sair ameaçando tudo e todos que possam (ou não) representar algum perigo pra ruiva! E a Maggie lá, com vergonha do genrão e fingindo que nem conhece... lá, lá, lá... Tipo: “Tá, minha filha, o cara é a prova viva da existência da fofolândia, mas tinha que ser chiliquento?”

Adoro a cena seguinte! O médico expondo à Maggie e ao Mulder - encolhido no canto, fazendo a carinha da Bibi de dedinho, depois de levar o maior pito - as condições clínicas em que a Scully se encontra e a revelação do conteúdo de seu testamento. Imagino o quanto o Mulder se arrependeu por ter assinado, como testemunha, esse maldito testamento (aposto que já deu um sumiço nele).

O cara já ta perturbado e ainda me surge, sabe-se lá donde, uma doida com um cristal pendurado em cima da Scully, dizendo que “Dana” lhe falou e que ele, querido, também poderia senti-la. Eis Melissa! Que, inclusive, devia ter aceitado a recomendação da mana e não chamá-lo de “Fox”.

Melissa: “Dana tentando escolher se quer ficar ou ir”. - Se eu fosse a Maggie teria respondido: Pois eu escolho que você é quem vai escafeder daqui e é já!

Pelo naipe da cortina do Mulder, acho que ele não teve direito a dar pitaco na decoração do home.




Já dissemos o quanto o porão reflete a personalidade do Mulder, entretanto, a casa é algo de singular. Neste episódio, em especial, não apenas pela decoração, mas principalmente pela atmosfera sombria e pesada em razão das luzes apagadas e das sombras projetadas, percebemos a intensidade desse simbolismo. É como a Melissa irá dizer: ele está nas trevas. Literalmente.

Ah, a Scully merecia ter visto isso!






Mulder: “Ela sobreviverá?” – Essa pergunta sempre me soa como um pedido, como se entre tantos “não”, ele carecesse de um “sim”.
Byers: “Mulder, não há nada que possa fazer”.
Ah, Byers, no que diz respeito à ruiva, não há o que ele não possa fazer. *-*

Mulder corre atrás do cara que roubou o sangue da Scully, tipo: “Hei, devolve esse sangue! Ninguém se apropria dos fluídos corporais dela, senão eu!”.

Amo toda essa sequência da perseguição do Mulder ao cara que pegou o sangue da Scully e o diálogo dele com o X:

X: “Você fez com que o matassem! Com que a matassem”.
(...)
Mulder: “Devo a ela muito mais do que sentar e esperar sem fazer nada”.
X: “Ela era uma ótima agente, mas não há nada que possa ser feito para trazê-la de volta!”
Mulder: “Ela não está morta”.
X: “Ouça o que diz. Escute. Você age como criança, Mulder. Não faz idéia. Não faz idéia”.
Mulder: “Certo, então me explique. Me diga”.
X: “Costumava ser como você. (Tá, e eu sou o Bozo) Era como você é hoje. (Tadinho... e que te aconteceu pra ficar assim?) Mas você não é como eu, Mulder (Ainda bem). Não acho que tenha o estômago (Não, ele tem um abdômen sarado). Vá embora, chore pela Scully e depois não olhe para trás. Assim será capaz de viver consigo mesmo, Mulder, no dia em que chegar ao fim”.

Ah, Mulder! Que tu espera dos outros ao soltar uma dessas: “DNA em cadeia ramificada pode ser tratado com antibióticos sintéticos”?
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Convidado a presenciar o desligamento dos aparelhos que a mantém viva? Ah, tá... Claro! Não quer que eu desligue pra você? Afff... Que contive vagabundo! (Momento safanão na Maggie – parte 2!).

Carinha de quem não acredita no que está acontecendo.





Tem como não amar o Cança? Impossível! Adoro quando o Skinner faz um “hã-hã” e mostra a ele a plaquinha de “Obrigado por não fumar” e ele vai lá, com a maior cara de quem não ouviu nem viu nada e acende o cigarro. Só para apagar ao sair e fazer o Skinner entender quem é que manda! Foi um big PLÁH! no carequinha.

E logo em seguida o querido entra na sala e sente o cheiro... E, novamente, lhe falam da Scully como se já estivesse morta. Mas nada é tão ruim que não possa se agravar. Pior que estar na iminência de perder a Scully é ouvir, mais uma vez, que tem uma parcela de responsabilidade no estado dela: “... tão culpado quanto o Canceroso”. Essa doeu mais que um soco!

Bem, se o apartamento do querido é a cara dele, que dizer da espelunca do Cança? Oco e seco como ele só!

Cança: “Não tente me ameaçar Mulder. Já vi presidentes morrerem”. – E, como veremos, teve uma participação maior que a de mero espectador...

Cança: “Se as pessoas soubessem do que sei, tudo iria por água abaixo”. – Um dia Mulder irá entender isso.

Mulder culpado, derrotado e resignado... Nada mais importa, nem o trabalho da sua vida... Até porque o trabalho já não é a única coisa que dá sentido à sua existência... É como dizem: “tamanho não é documento”. Meio metro de cabeleira ruiva sobre um par de saltos altos tomou o querido de assalto e preencheu o vácuo do porão...

E o inimaginável acontece: tomado pela culpa, ele pede demissão!

Mas o Skin não aceita! Err... Alguém, além de mim, riu da historinha do Skinner? Fora a carinha de “senta que lá vem a história” do Mulder.

Pra falar a verdade, gosto mais do relato do Rambo sobre a experiência dele no Vietnã. Quando ele, chorando, fala ao Coronel Trautman sobre o garoto com uma caixa de engraxate que explodiu o amigo dele em mil pedaços e os pedaços, junto com o sangue, ficaram em cima do Rambo, que não conseguia junta-los ou encontrar as pernas do cara. *tava vendo agorita*

X: “É o único jeito, Mulder. A lei não vai punir essa gente”. – O X tava falando do senado brasileiro? Rsrs...

Tá, o cara se dispõe a morrer para vingar sua parceira e isso é apenas... amizade. Hã-ham! Se bem que mais do que disposição para morrer, o que ele não possuía era disposição para viver sem ela. *-*

Sei que é bobo e clichê, mas toda vez que vejo essa cena, desejo que ela mova os dedos...




A cena em que Mulder retorna para seu apartamento e o encontra revirado é extremamente tocante. Assim como seus móveis, ele se encontra em pedaços...

E, já sem sustento, desaba e chora. Suas mãos, com as palmas abertas para cima, sugerem uma desistência de quem já não tem forças, ele literalmente “abre mão” de tudo e se entrega. O silêncio nessa hora reforça a atmosfera de solidão e ouvimos apenas o seu lamento.

A imagem dele em seguida é de um tamanho esgotamento que chega a agoniar. É como se ele estivesse se esvaziado.




Faz-me lembrar uma música do Arnaldo (pra variar) que diz:

“Socorro, não estou sentindo nada.
Nem medo, nem calor, nem fogo,
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir.

Socorro, alguma alma, mesmo que penada,
Me empreste suas penas.
Já não sinto amor, nem dor,
Já não sinto nada.

Socorro, alguém me dê um coração,
Que esse já não bate nem apanha.
Por favor, uma emoção pequena,
Qualquer coisa.

Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos, deve ter algum que sirva.

Socorro, alguma rua que me dê sentido,
em qualquer cruzamento,
acostamento,
encruzilhada,
Socorro, eu já não sinto nada.”


Mas eis que chega a notícia mais desejada... Owwnnn... Os olhinhos inchados cintilando...

Owwwnnnn... A carinha dele ao entrar no quarto é a coisa mais linda e fofa que existe! Não consegue disfarçar o sorriso bobo e mais do que feliz! Eu fico só imaginando ele antes de sair de casa, pensando em um presente para dar a ela e decidindo pelo vídeo dos Super Bowls. Espero que o querido já tenha aprendido a comprar presentes... *Imaginado os aniversários no “home”*
Se bem que o presente maior ta no querido... rsrs.

Mulder: “Estava guardando isto para você”. – Só não disse onde esteve guardando... rsrs...




E o que dizer do olhar da Melissa para ele quando ele saiu? Tipo: “Uia, mana sapequinha... o cara ta caidinho por ocê!”




Não só a Melissa percebeu, a cara da mamis Scully é hilária! Qualquer um enxerga imediatamente o "lance" desses dois. E o CC querer resistir a isso era tolice... ainda mais com esses atores que ele mesmo escolheu.

E ele tão delicado falando com ela, até o tom de voz suave, com um cuidado de quem sabe ter encontrado a porca do seu parafuso (tá a comparação foi terrível, mas cabe aqui... KKKKKKKKKKK). [/Ariana]

Quotes:

Melissa: Desculpe... Você não estava respondendo ao telefone e ir sua secretária estava desligada... Posso entrar?




Melissa: Por um segundo? ... Por que está tão escuro aqui?
Mulder: Porque as luzes não estão acesas.




Melissa: Certo. Acabei de vir do hospital. Dr. Daly disse que ela está enfraquecendo. Pode ser a qualquer momento. Então, eu achei que quisesse vê-la.
Mulder: Não posso.
Melissa: Pensei que quisesse vê-la.
Mulder: Sim, eu gostaria. Mas não posso, não agora!

Melissa: Escute. Não preciso ser adivinha para ver que está nas trevas. Muito mais escuro que onde está minha irmã. Afundando-se propositalmente nas trevas não pode ajudá-la. Só a luz poderá...

Mulder: Basta desse negócio de convergência harmônica, ok? Isso não me diz nada.





Melissa: Por que você não larga este seus cinismo e paranóia e sensação de derrota? Sabe, pensar positivo não torna as coisas tolas e simplistas. Por que é mais fácil ficar quites, em vez de mostrar a ela como realmente se sente? Eu esperava mais de você. Dana também. Mesmo que não a traga de volta, pelo menos ela ficaria sabendo. E você também.

Mais Imagens de One Breath:

O espanto de ver sua parceira durona naquelas condições

Já sem paciência de ouvir cantos de baleias... ops, mas nessa época a Reyes ainda não cantava essas coisas, né? ok... rsrs

Scully se reconciliando com o seu pai no além

Mulder querendo dar na cara do Cança

O desespero de quem já não sabe mais o que fazer

O alívio de uma boa notícia

O fim de uma longa espera...

20 comentários:

Yanne Celly disse...

Esse episódio é lindo, emocionante,revelador e depois desses comentários acrescentei mais um adjetivo, hilário. Bem!! lembro-me da primeira vez que assisti chorei várias vezes, e sorri de alivio quando o telefone toca avisando que ela está bem...e cara de bobo que ele faz quando entra no quarto parece um adolescente visitando a namorada.rsrsrrsrsrs (sim.. os adolescente de outra década) Até mesmo ela sempre tão segura sorri timidamente enquanto fala da força que encontrou nele para voltar..

lindooooooo post!!!!!!

Bjs

Isabella disse...

Eu amo vcs,espero que continuem postando os episódios,até o último: A verdade.Visito o site toda vez que to no pc,amo as enquetes e os comentários das meninas nos episódios,não parem por favor,continuem assim,eu já sou fã do Arquivo-X e virei uma super fã de vcs,bjo a tdos!!!

Isabella disse...

aaa amo vcs!!!♥

starbuck disse...

Os coments estão ótimos...
Cleide e josi arrasaram ..

mas... preciso dizer uma coisa: NAZIIIII, tu não vale nada kkkkkk Adorei....


ownn, nosso blog continua... firme e forte!

Josilene disse...

"Esse episódio é lindo, emocionante,revelador e depois desses comentários acrescentei mais um adjetivo, hilário." - by Yanne.

kkkkkkkkkk Culpa da Nana. Fato.

Own, Isabella, que fofa vc é. Agradeço o carinho por mim e pelas minhas companheiras de blog: Cleide, Star e Ariana. ;)

Sim, Star... Nana não vale nada! E piora a cada dia... *medo*

Bjos, pessoas!

Cleide disse...

Ownnn Isabella! Você é muito fofa!!! Contamos com sua presença sempre, e sugestões, idéias!
Yanne, obrigada pela presença e atenção!
É bom saber que tem mais gente que se diverte com nossa "loucura coletiva"! Rsrsrsrsrsrs

Star! saudades de vc!

Ariana disse...

Eu não valho nada???????? *.*

Já sabem o destino de quem me difamar por aí no dia da minha posse mundial, né? :/

Afff... gentalha! Quando não me ignoram, me maltratam... snif... PLÁH! nocêis! Hunf!

Star voltou!!!!!! :D
*Só hoje te perdoo*
Ah, e porque tu é papis pontífície.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Ariana disse...

Ai, Cleide, quase lacrimejei lendo teu coment... *-*

E, Josi, nunca tinha reparado no barquinho flutuando no rio. rsrs
Isso porque a GA tava imensa, hã? ;)

Josilene disse...

Nana surtou. Fato.

Não entendi nada do que ela falou no primeiro coment... *cara de inocente*

Não gosto da palavra "lacrimejar"... parece uma coisa meio eca... hihihi

Bjos, fia!

Fritas disse...

"A cena de desespero dele lá no hospital (sim... amamos hospitais)" by Star

Sim...Amaaaaaaaaamos hospitais!!!

Ok...Naz só que saber de fazer propaganda de Tuninho...huahahauhaua

E por fim, cês se amarram n canto das baleias...pó falá!

Josilene disse...

Legenda para o comentário da Fritas/Raffa:

Naz=Nazi=Nana=Ariana.
Tuninho=Arnaldo Antunes.

:P

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Cara... eu tenho medo da Mônica fazendo aquela coisa que ela chama de canto das baleias... fato.

Bjão, Raffitha!

PriEsp disse...

Oi pessoal, só agora consegui parar pra escrever sobre este episódio... vou comentar alguns detalhes/fazer algumas perguntas que ainda não vi na descrição do episódio, nem nos comentários:

1) Gente, começo falando sério: é interessante ver pq gostamos tanto de histórias de ficção, mesmo elas não sendo reais: quando elas conseguem passar pra gente da forma mais natural e próxima ao real possível os sentimentos humanos, nos sentimos retratados por elas, o que acho que ocorre em um epi como este... Demais a expressão do DD neste episódio, um misto de dor, angústia e desejo de vingança, muito bom (pras más línguas que acham q ele não é bom ator, taí uma boa prova...). Ele completamente desorientado... Me lembrou uma música que eu gosto muito, o "Girassol", do Ira, naquele trecho: "Pobre diabo é o que sou/Um girassol sem sol/Um navio sem direção/Apenas a lembrança do seu sermão (tudo a ver, pois a baixinha vivia passando o sabão na credulidade do rapaz...)".E depois: "Você é meu sol, um metro e sessenta e cinco de sol (no caso da Scully, uns bons centímetros a menos, hahaha).

2) Tocante que a Scully só se recuperou mesmo depois da visita do Mulder e dele ficar ao lado dela velando-a (eles já se amavam e nem sabiam!);

3) Então, vi alguns comentários sobre este epi, e inclusive uma teoria de que a Scully não teria sido abduzida... na verdade, que o pessoal da galera do mal, já tendo conhecimento das técnicas usadas pelos alienígenas, teria feito o "serviço" aqui em Terra mesmo, sendo este o motivo pelo qual não se viu uma nave alien no céu (só o helicóptero) no episódio "A ascensão". E seria por este motivo que o Mulder estaria com tanto desejo de vingança no episódio "Por um fio", falando o tempo todo de "quem tinha feito isto com ela". Será?

4) Interessante retratarem a personalidade durona da Scully desde pequena (mto parecida com o pai), sempre no meio dos meninos, atirando, e só chorando depois, escondida, no canto dela... E uma pergunta, ela não tinha só um irmão e uma irmã? Pq então aparecem dois meninos na cena da morte da cobra?

5) Ow, o Mulder aparentemente estava mesmo tímido de entregar a correntinha pra Scully na frente da sogrona/cunhada... Me deu a impressão que se ela não falasse que "senti a força da sua fé" e tocasse no assunto ele ia deixar pra entregar depois, só estando os dois juntos... Espertolino hein! rs.

6) No quesito "presentes inovadores", Mumu é imbatível... pensa só, o que vc daria de presente pra sua melhor amiga, a menina que vc mais adora no mundo, assim que ela volta de uma abdução/experiência de quase morte??????? Claro! Uma fita (nossa, que velho) do Super Bowl... bem, é a forma dele demonstrar carinho, tá valendo hihi.

7) Outra que não entendi: o que o Frohike foi fazer no hospital, de traje de gala, com um buquê nas mãos, indo visitar a Scullu EM COMA?!?!?! (direto do Fantástico Mundo de AX);

8) E a histórias dos SUPER SEIOS da Scully, o que foi aquilo? Qdo vi a primeira vez, achei q era coisa da minha cabeça, depois meu marido comentou que achou aquilo estranho, e depois entro aqui e todo mundo comentando (será que eram os efeitos da amamentação da Piper? hahaha);

9) E o barquinho "levitando" sobre as águas? Esta ainda não tinha visto em lugar nenhum, só aqui mesmo. Obrigada meninas pelo olho clínico, rs.


Bem, este episódio daria pra ficar comentando até amanhã, mas paro por aqui. Fora a "Trindade" no meio entre "Duane Barry/A Ascensão/Por um fio" (estes três sim pra mim são a verdade trindade), esta sequencia de epis é D+ mesmo, é a cara de AX e que demonstram o pq de toda sua fama, ainda até hoje.

Bjos e até a próxima!

Cleide disse...

Pri,

Eu adoro esse aspecto que vc comentou no primeiro item, é legal demais ver Mulder desesperado sem Scully, sendo que ela foi colocada nos AX para atrapalhá-lo... adoro essa virada no jogo que acontece... os vilões da história não contavam com a multiplicidade de possibilidades do ser humano, não é? A viam apenas como uma cientista pragmática.

2) Eu também amo esse detalhe sutil... como um já dependia tanto do outro!

3) Pra te responder essa pergunta, teria que contar spoilers, e não tem graça se vc souber antes, é melhor assistir e ir pegando cada peça do quebra cabeça de uma vez... não vou te tirar o prazer que eu tive assistindo...

8) a dos super seios, eu sempre achei um exagero, mas a Gillian tinha acabado de dar a luz, só pode ser por isso!

9) essa do barquinho eu não reparei... vou olhar direito.

Essa é uma das minhas trilogias favoritas em X-Files!!! Perdi a conta de quantas vezes vi, eu acho que sei as falas de cor até hoje!!! A trindade no meio, só serve para nós vermos o quão sem sentido fica a vida de Mulder sem Scully... e quando vc chegar na oitava temporada, vai ver como é a vida dela sem ele...

Josilene disse...

Oi, Pri!


1. ooown... Tadinho do Mulder... totalmente fora de si mesmo ali. E ainda ia deixar a coisa que ele mais amava antes: o seu trabalho. E é mesmo! A musiquinha cai muito bem! Fia... são 10cm a menos! huahauauahua Pior q eu nem posso rir tanto. Não sou muito mais alta do que isso. :P

3. Sim, Pri. Vc pode ver pelo episódio Duane Barry. Quando Mulder o interroga e ele fala q são agentes do governo trabalhando junto com os aliens. À medida q a gente vai vendo, vai descobrindo mais coisas. Outra cena que dá alguma dica é qdo o X procura Mulder e eles brigam no estacionamento e talz...

4. Ela tem 3 irmãos: Bill Chatonildo, Melissa.New.Age e um tal de Charlie que nunca apareceu e apenas é mencionado de vez em qdo.

5. E a cara da irmã e mãe da scully? hauahuahuaaha óoootimo!

7. Pri... esse povo é totalmente sem noção! kkkkkkkkkk E Frohike AMA esses dois! Eu acho engraçado tb como esse povo de filme/série sempre chega nos hospitais com flores nas mãos independente da situação e... entregam às enfermeiras. rsrs

8. Dizem as más línguas q aquilo não era realmente dela, mas um enchimento. Mesmo pq DD aperta a coisa num dos bloopers e seria um pouquinho demais se fosse dela de verdade. Mas... sei lá, né? esses dois são doidos. Vai saber?

9. ahahahaha isso eu vi enquanto buscava as imagens para postar aqui! Erros de edição do povo. :)

"é a cara de AX e que demonstram o pq de toda sua fama, ainda até hoje." [2] - Bom demais, né? E vai melhorando, fia... há outras trilogias maravilhosas ao longo da série!

Esta não é a minha trilogia predileta... há ainda a do começo da quarta e a outra do começo da setima... peeeeeeeeeeerfas! Mas... eu a amo tb. Fato.

Bjos!

Elizabeth disse...

Acho esse ep maravilhoso, tão delicado e emocionante é o jeito como fala da morte, da efemeridade da vida e do sentido da vingança (tá no meu top 10 AX). Pra mim, o mais bacana é a metáfora que fizeram entre a corda prendendo o barquinho do além da Scully e o fio que prende nossa vida às coisas que amamos. Talvez isso tenha inspirado o nome em português do ep, embora tb ache muito coerente o original, referindo-se ao monólogo do pai da Scully no além. Há aqui Mulder numa montanha russa de emoções, com desespero, esperança, desesperança, raiva e por fim alívio, tudo temperado pela paixão pela ruiva (pô, CC escrevia ou supervisionava eps hipershipper assim e ficava dizendo que era pra serem só amigos e tal, não dá pra entender aquela cabeça branca...), a sensível Melissa, a quem coube dar uma sacudida no agente pra ele mesmo entender seus sentimentos. Enfim, tanta coisa legal em One Breath que fica difícil destacar só alguns pontos. O melhor é rever mesmo (Deus salve o inventor do dvd!!!)

PS: Que peitos são aqueles na Scully, será bombinha pra tirar leite? Sutian de lactante? GA trabalhou até no resguardo, afe!

Josilene disse...

Gente... alguém lembra se aquilo td era da GA mesmo ou se eles tinham colocado algo para... sei lá... não vazar leite? kkkkkkkkkkk eu sei de bloopers com DD apertando eles (n é?) e acho que ele não faria isso se eles fossem reais! kkkkkkkkkk

janaX disse...

AAAiiii Josi eu aaaammmmoooo esse ep!!!Sofro muito sempre que eu assisto,desde o início até o fim(mesmo já conhecendo o final da história!)!Me lembro da primeira vez que assisti,cara como eu sofri junto com o Mulder!Primeiro o alívio de saber que Scully foi encontrada,para já na cena seguinte saber que ela está em coma muito mal e ainda pra ajudar tem um testamento que pede pra que ela não fique ligada a aparelhos!Tadinho!Ele fica completamente sem chão primeiro com a tal lápide e depois com o tal desligamento dos aparelhos!A "sogrinha"fica completamente constrangida com o chilique do Mulder,depois tem a "cunhadinha" esquisita com aqueles papos de cristais e não sei o que mais(confesso que fico meio com vergonha pela irmã da Scully,sei lá...meio fora da casa!).Dai toda aquela loucuragem do sangue,do cara que roubou o sangue,do X matando o cara que roubou o sangue,do Mulder tentando encontrar o Canca,do Skin dizendo pro Mulder que ele também tem culpa pelo estado da Scully,do X dizendo que Mumu tinha culpa pelo estado da Scully,da mulher dando o cigarro com o endereco do Canca pro Mulder...tipo...tô falando tudo assim meio à moda bicho pra ver se meu post fica um pouco menor e não cansar a beleza da Josi...mais acho que não tá dando muito certo...parece conversa de louco...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!Sorry Josi...)Chorei junto com o Mulder quando ele chega no ap destruído e derrotado pela perda eminente do seu amor(sim porque ninguém me tira da barriga que alí eles já estavam completamente apaixonados um pelo outro...e muito!!!).A Melissa viu logo de cara que havia algo mais entre a mana dela e o seu parceiro maluquete,quando ela fala aquelas coisas pra ele ir ver a Scully no hospital acho que ela meio que tava tentando abrir os olhos dele para aquele sentimento,exatamente como ela faz com a Scully no ep duplo Anassazi e A Cura(botei os dois porque não me lembro em qual deles é.Na verdade nem sei se a cena realmente passou ou se é uma das deletadas.).E o final...ah o final...tão lindo,tão meigo,tão...tão...cara sem palavras!Eu AMO esse ep,fato.Mais tenho que dizer que amei ler este post!Voces analisaram ele de uma maneira tão perfeita e rica em detalhes que é de doer só de ler e dá uma imensa vontade de assisti-lo de novo!!!Josi novidade:recomecei a assistir AX novamente do ponto onde tinha parado ano passado...consegui romper a barreira e já estou no quinto ep da Sétima Temporada!Eu não sei vc amiga mais agora eu já quase tenho certeza absoluta que NÃO gosto da Sexta Temporada,acho ela sem graca,nem parece que é AX...sei lá eles estão muito diferentes,muito leves,não sei explicar...claro essa é só a minha opinião e conheco gente que adora essa temporada e respeito isso,mais queria te contar as minhas humildes impressões!Valeu amiga gostei muito de reler esse ep!Show de bola!Até...

Josilene disse...

Tô muito feliz por vc estar continuando a série, Jana!!! \o/

Mas sério que vc não gosta de nada da sexta? O ep de Natal? Tithonus? Triangle? Trevor??? *dead*

Assim, eu entendo que... sei lá... mudou um pouco o ar da série... mas os eps da mitologia são fantásticos... The Beginning é de vc querer lamber a tela. kkkkkkkkkk E eu to falando sério!

Mas, claro... questão de gosto não se discute... mas eu não acho que ficou assim tão leve não... os eps que eu citei acima são bem pesadinhos...

E assim... eles tem que estar mais leves mesmo... estão in love. kkkkkkkkkkk

Me diz depois o que vc acha da setima... essa sim, eu acho bem mais leve... apesar de tb gostar muito dela.

Gente... vc deveria ver SPN... ali sim nada fica mais leve, muito pelo contrário... tadinhos dos meninos... :|

Beijos!

PS: Vc vai continuar com a gente depois da quarta temp, né? :D

Godofredo Amantes disse...

Senhoras e/ou senhoritas, boa noite! Primeiro quero dar os parabéns pelo espaço de vocês aqui. Foi uma mão na roda pra mim que resolvi rever toda a série desde o começo. E este prazeroso trabalho estou fazendo em conjunto com a leitura das postagens sobre cada episódio que vocês fizeram. Tenho que confessar que não tem como mais assistir sem ler o que vocês escrevem depois. Além da visão analítica e de bom gosto (vocês são baixinhas e ruivas?) eu acho hilário alguns comentários, realmente me divirto bastante com o bom humor de vocês. Parabéns mesmo!

Josilene disse...

Olá, Godofredo!

Primeiro... desculpa a demora em responder. Eu leio cada comentário de vcs e amo todos eles, mas sou um pouco ruim pra responder. Bom, eu demoro, mas respondo. rs

Depois, gente... como é bom ver um comentário de um menino aqui. kkkk é tão raro! Parece que espantamos os meninos com nossos arroubos shippers! kkkkkk

Enfim, obrigada pelo carinho, Godofredo e fique a vontade pra compartilhar sua visão dos eps com a gente tb! ;)

Beijos!