domingo, 28 de dezembro de 2014

Arquivo X - O Filme - Bastidores


Assistir Fight the Future no cinema foi uma experiência ímpar para quem foi fã de Arquivo X nos anos 1990. O filme estreou em Agosto de 1998 no Brasil com atraso de um mês em relação aos Estados Unidos.

Nos anos 1990, TV paga era um privilégio de poucos, quem tinha era classe média alta ou alta de verdade! Internet já era bem popularizada, mas os sites eram simplórios. E este terror contra spoilers que temos hoje em dia, nem existia... todo mundo queria saber o que aconteceu.


Por isto, meses antes do filme muitas especulações vazaram, e nós, inexperientes, líamos sem censura. Vários editores de revistas populares de ficção científica enviaram repórteres para assistirem ao filme e contarem tudo nas páginas – lembrem-se que o filme passou antes nos EUA. Era necessário que a quinta temporada (que tinha atraso em relação aos outros países) chegasse ao final no Brasil para o filme fazer sentido.

O que foi muito interessante e desesperador ao mesmo tempo é que o filme entra exatamente depois do episódio “The End” da quinta temporada, que marcava o fim da era Vancouver, e a versão Hollywoodiana estreia a era Californiana da série. Como todos sabem, no final da quinta temporada os Arquivos X são totalmente queimados e Mulder e Scully são relocados em outros setores do FBI.


Era um desafio criar um filme que atendesse ao grande público e que fizesse o link na série que estava em andamento em pleno auge... centro de todas as atenções, vencendo uma premiação atrás da outra. Isto gerou um nível de especulação fora do comum na imprensa, especialmente veículos Sci-fi.

Várias imagens do filme vasaram, inclusive uma do final do longa, em que Mulder aparece abraçado com uma mulher nua... imaginem só, houve todo tipo de boato, desde Mulder e Scully romanticamente ligados a Scully clonada entre outros (sem contar que com o aparecimento de Diana Fowley na quinta temporada, haviam também estes rumores que ela apareceria).


A ansiedade era tão grande, que era comum ler tudo que se publicava sobre o longa, e as revistas totalmente sem noção, noticiaram até o quase beijo dos protagonistas e o motivo deste beijo não acontecer... o que não impediu que a cena no cinema, não nos fizesse arrepiar da cabeça aos pés e torcer para que o spoiler estivesse errado e eles de fato se beijassem!


Um presente especial foi o “Inside the X Files” que passou como um episódio – e até a famigerada Rede Record que quase matava os excers do coração enquanto transmitia a série – passou na véspera da estreia do filme no cinema. Tudo para fazer com que assistíssemos o filme no primeiro dia e na primeira sessão (Quem não?).



Toda esta confusão de spoilers, sites com notícias falsas, especulações da época, só tornaram a experiência de assistir ao filme mais divertida e mais nostálgica de lembrar agora, tanto tempo depois. Compartilhamos agora algumas experiências pessoais nossas e de nossos amigos e seguidores do blog, sobre a oportunidade única de ver a melhor série de todas, pela primeira vez no cinema.

Depoimentos:

[Fernanda] Eu tinha entre 12 e 13 anos quando ‘Fight The Future’ estreou nos cinemas. Eu estava lá, toda indiferente e alheia a qualquer coisa sobre X Files, passeando no shopping de Sorocaba com minha irmã e cunhado, prontos para pegarmos uma sessão de cinema. Na hora da escolha do filme - acreditem se quiserem – eles se interessaram por assistir FTF e eu não queria de jeito nenhum. “Eu não gosto de Arquivo X! É chato...” eu dizia – bate na boca agora desgraça – nunca tinha assistido um episódio para valer, exceto por uma vez quando estava na cama da minha mãe, com uns 7 anos, e estava passando o episódio “Ice”, ela assistia ao seriado esporadicamente (minha mãe nunca foi do tipo que se prendia a seriados, mas gostava de assistir alguns episódios de vez em quando) e me lembro de algumas cenas terem ficado gravadas na minha memória até o dia em que reassisti (já como fã).

Enfim, convencida pela maioria, entramos. Mal sabia eu que não estava entrando em uma simples sessão de cinema (coisa que eu já amava por si só), eu estava sim prestes a ingressar em um rito de passagem, algo que me mudaria para sempre, mudaria minha forma de ver as coisas, me traria conhecimentos e fatos que me enriqueceriam demais (intelectualmente falando, óbvio que me deixou mais pobre financeiramente >_<).

Eu me transformei em uma ‘eXcer’ (nossa, faz muito tempo que não escrevo essa palavra) instantaneamente! Soube ali que não havia escapatória! FTF tinha todos os elementos que eu amava: ficção científica, conspirações, ação, humor (Oh... Mulder) e um casal de agentes lindos-maravilhosos cuja amizade e cumplicidade não os permitia enxergar ou admitir um romance potencial do melhor tipo! ...Ufa! (Sim também me tornei shipper instantaneamente).

Então, o que dizer de Fight The Future? Foi um divisor de águas na minha vida sim, deu um significa diferente para as minhas noites (quase madrugadas às vezes) de segunda, e depois de domingo e tantos outros dias que se seguiram no ping-pong interminável da Record com sua programação. E nossa, como demorou para o bendito chegar nas locadoras! Como demorava! E não tinha internet pra ajudar, até existia, mas não pra mim ainda :P...o filme para vender? Impossível de achar! Só restou esperar pacientemente, enquanto eu devorava cada episódio que a TV aberta me proporcionava (nem consigo me imaginar mais assistindo X Files dublado... argh! – a gente se acostuma mal rápido né). 

Mendigava por migalhas que saíam na Revista Sci-Fi News mensalmente (colecionei, não perdia um mês, era minha única fonte de informação), inclusive mandei meu endereço que foi postado para correspondência com outros exers e, Deus, como eu troquei cartas! Que delícia, dá uma nostalgia só de lembrar! Tive contato com uma gama de fãs pelo Brasil todo! Recebia mimos, como chaveirinhos de ets e de réplicas das credenciais dos agentes, fanfics... trocávamos juras de amor eterno à série – como é bom quando a gente encontra outros “spookies” como nós! – dei pulinhos de alegria quando recebi de uma amiga um vhs com alguns dos melhores episódios da 6ª temporada gravados por ela da FOX, e que eu só teria acesso em alguns meses na tv aberta. Sério, era para amar mesmo!

E tudo isso foi só o começo de um caso de amor sem fim com o melhor seriado ever! Por isso, Fight The Future sempre será mais do que um filme pra mim, será um marco ?! [/Fernanda]


A lembrança mais bacana que eu tenho de FTF, fora a ansiedade que eu estava da estreia, foi ter ido ao cinema assistir com o meu pai. Ele era meu companheirão de série.... rsrs [Carol]

Eu vi a serie passar na tv e achava que os dois não combinavam e a série não me chamava atenção. Um dia fui na locadora e como não tinha nenhum filme interessante, resolvi alugar (ainda em vhs) arquivo x o filme. Quando terminou, eu simplesmente enlouqueci! Como pude ficar tanto tempo sem ver?! Daí pra frente começou meu sofrimento pra acompanhar a série na record e alguns anos depois comprei os dvds de todas as temporadas e a amar M&S E G&D. Me tornei uma superhipermega shipper e AX virou minha série predileta e inesquecível. [Mada]


[Elizabeth] Fui ver esse filme no cinema com um namoradinho da época e na hora que o mulder se inclina para beijar a Scully (cena pré abelha), ele, que não entendia nada de AX e não via a série, aproveitou o clima e me puxou para um beijo.

Eu fiquei puta porque para uma fã como eu aquela cena era de suma importância, esperada há 5 temporadas e eu perdi. Mas dei muita risada com ele depois e lhe disse que ele tinha sido minha abelha porque cortou o clima.

Gosto muito desse filme, embora ache até hoje ele meio estranho se comparado com tudo que rolava em AX na época. Tem cara de filme feito para quem não assistia AX, como o Marcelo, minha abelha (até porque ele gostou do filme). [/Elizabeth]


[Josi] Minha história com relação a FTF não é das mais felizes. Na época da estreia eu tinha 16 anos e era boba e quebrada financeiramente. Isso significa que eu só poderia ir ver uma vez. E como meu irmão também via a série comigo (apesar dele ser um fã casual), resolvemos ir juntos. O problema é que ele ficou enrolando, enrolando, enrolando... e quando finalmente ele resolveu ir... o filme já tinha saído de cartaz na minha cidade. Eu fiquei muito p*ta da vida. Me culpando, lógico, por ser uma idiota e não ter ido logo sozinha mesmo. Agora teria que esperar meses até que o filme fosse disponibilizado para locação. Sim... locadoras era algo que existia na época. kkkkk

Lembro que eu tinha comprado todas as revistas que falavam sobre o assunto... e tinha guardado todas sem nem mesmo abrir porque eu sempre fui aquela boba que não gostava de ver spoilers. Mas... como eu tinha perdido de ver no cinema mesmo, eu joguei essa precaução pela janela e fui ler o que podia, apenas evitei ler descrições das cenas, porque aí já era demais pra mim. Quanto mais eu lia, mais eu ficava ansiosa para ter finalmente uma cópia nas minhas mãos. Pra mim, baixar filme era algo inimaginável! Eu sequer tinha computador e não teria por mais 3 anos, mas mesmo se tivesse, a taxa de download era risível e os arquivos em si eram enormes!

Fazer o quê? Esperei os meses necessários e quanto enfim o filme chegou e... já tinham reservado as duas únicas cópias que eles tinham e eu tive que esperar mais uma semana. Ah, que tortura! Mas eu ainda lembro perfeitamente da manhã chuvosa em que eu passei na locadora depois da escola e saí de lá abraçada com minha cópia amada de FTF! Foi uma felicidade sem igual! Pena que a gente só tinha a cópia por um dia. Depois, claro, eu o peguei de novo num fim de semana e pude me deliciar por mais um tempo com ele...

E, claro, amei a história, vi a cena do quase beijo centenas de vezes e imaginei outras versões com finais mais felizes até não poder mais! [/Josi]


[Cleide] Assisti “Fight the Future” no final de semana da estréia, já estava em cólicas para que estreiasse... não tinha TV à cabo, mas as amigas da faculdade gravaram os episódios restantes da quinta temporada para a aficionada aqui assistir antes da estreia. Já havia lido todos os artigos e spoilers imagináveis sobre o filme, ou seja, já tinha o roteiro todo na cabeça antes de ir. Assisti avidamente “Inside the X Files”, tentando procurar em cada entrevista e cada resumo algum traço que entregasse que Chris Carter faria alavancar de uma vez por todas o romance entre Mulder e Scully... a história, a conspiração me atraiam, o terror também, mas para mim tudo era pano de fundo para a relação entre os protagonistas e os dramas da sua vida... fazer o quê, sempre fui uma romântica.

Não preciso dizer que Arquivo X  O Filme foi a experiência cinematográfica mais esperada da minha vida – e sou cinéfila de carteirinha mesmo, vejo tudo que estréia nas telonas, e assisto filmes incansavelmente em casa – mas nada antes ou depois se comparou a assistir minha série preferida no cinema, no calor do auge da mesma na TV. Acompanhar o fenômeno do filme dialogar com a série que iria continuar na próxima temporada foi uma experiência muito feliz e única. As perguntas que o filme levantou, que me acompanharam até a estréia da próxima temporada e alimentavam minha pesquisa incansável na internet, e em livros da série, revistas... leituras de pilhas de conteúdo.

O filme posterior- em 2008 -  me ofereceu uma experiência diferente, novos e duradouros amigos, mas não foi como a oportunidade que tive em 1998, quando era tão jovem e entusiasmada com a série, assistir Arquivo X naquele momento era uma prioridade em minha vida, eu deixava de ir em festas ou sair sexta à noite por causa da série...

Naquele tempo, várias das minhas primas se tornaram excers por minha causa, e fomos todas juntas, naquela euforia para assistir ao filme. Toda trama, a magia da telona foi sensacional! Mesmo sabendo de várias coisas, a história é muito boa, os personagens tão queridos e bem trabalhados, mesmo quem não conhecia a série, considerou um bom filme de ação, e eu tive várias surpresas, questionamentos... nós que somos fãs observamos os detalhes.

Uma sutileza que amei e sempre gosto, é quando o sindicato se reúne para discutir mais uma intromissão do Mulder que mesmo com a sessão fechada continuava metendo o narigão onde não era chamado, então um dos homens sem nome diz que era necessário tirar-lhe algo sem o qual ele não conseguiria viver... e a montagem corta imediatamente para Scully em primeiro plano. É um detalhe, mas não me esqueço.

A cena da despedida da Scully e do quase beijo é uma das minhas cenas mais queridas do cinema (eu já sabia dela e da abelha), mas mesmo assim, até o minuto que a abelha pica a Scully, eu tinha certeza que eles se beijariam de verdade e o spoiler era mentira. A verdade nos olhos dos dois, e a declaração de Mulder foram muito fortes... a minha cabeça de shipper ficou dando vários curtos circuitos! Fica aquela vozinha lá no fundo “eu estava certa o tempo todo, eles se amam!” Por mais que o desfecho tenha demorado a se efetivar na série, aquela hora foi mágica!

A sequência de ação final é de tirar o fôlego de qualquer um, afinal, o protagonista salva a mocinha dos confins do mundo em menos de 48 horas! É muito poder!

E além de tudo a beleza do figurino tão limpo e elegante, e as cores meio douradas da paleta do filme, que só de lembrar me dão uma nostalgia daqueles tempos tão leves e despretensiosos quando minhas maiores preocupações eram se a Record passaria ou não a sexta temporada na íntegra... [/Cleide]


[Nayara] Saber que Arquivo X viraria filme foi, ao mesmo tempo, uma grande emoção e um medo terrível, afinal de contas, levar a série para o cinema seria a exposição para o grande público que, talvez, nem mesmo soubesse do que se tratava e possivelmente fosse ao cinema pensando em ver apenas mais uma história de ETs. Eu não queria que Arquivo X fosse conhecida assim porque essa história simples e complexa, louca e sensata, mágica e viciante sempre foi muito mais do que isso.

Aqueles eram tempos sofridos para os fãs, afinal, lembrem que o filme foi lançado em 1998 e, naquela época, não havia tantas fontes pra obter informações como temos hoje. A internet ainda não era uma realidade na minha vida e na vida de muitos fãs e minha curiosidade só era dimnuída, um pouco, com as edições mensais da querida revsta SCiFi. Que saudades! Tenho os exemplares até hoje e os que se referiam à FTF estão bem gastos de tanto que eu lia e relia. Pensando bem, talvez essa fosse a magia da coisa, sabe...

Embora tenham se passado quase 17 anos, minha memória guarda todos os detalhes e sensações daquele dia.

Eu assisti FTF umas 3 vezes no cinema e mais uma centena em casa, mas aquela primeira vez não tem comparação. Enquanto escrevo, volto no tempo, e me vejo sentada no cinema, sozinha, com as mãos geladas de nervoso, diante da tela escura, ouvindo, extremamente emocionada, o tema da série entrar de forma retumbante enquanto o óleo negro se espalhava ameaçadoramente. Enquanto escrevo isso não consigo deixar de me arrepiar e, sim, claro que eu chorei. Chorei no começo e chorei em vários outros momentos, não por cenas tristes, necessariamente. Eu não sei nem explicar, de modo objetivo, porque eu chorava. Era meio orgulho, alegria, conforto. Sei lá. As palavras são sempre limitadas. O que eu sei é que aqueles personagens cresceram e envelheceram comigo; Mulder e Scully são como velhos amigos que reencontro de vez em quando, com o mesmo amor e uma espécie de cumplicidade que dispensa palavras, desculpas ou justificativas.

Entendo e estou ciente de todas as questões comerciais da produção do filme, mas não posso deixar de lado a minha sensação de que FTF é, também, uma forma de agradecimento aos fãs, um presente. É assim que o recebo, que guardo a lembrança. FTF funcionou como a consolidação da linha mestra, dos valores e bases da série. Funcionou como uma afirmação da importância daqueles personagens com posturas éticas tão sólidas e que, certamente, contribuíram para a formação do meu caráter.

FTF, pra mim, tem uma mensagem muito clara, que levo pra vida como consolo, força e lema: "se eu desistir agora, eles vencem". [/Nayara]

Curiosidades:

  • Chris Carter à princípio queria terminar a série na TV depois da quinta temporada e continuar a mitologia com a uma série de filmes. A rede FOX, no entanto, via que a série era muito lucrativa e forçou Carter a escrever este filme como um link entre duas temporadas, uma tarefa que ele achou muito complicada.
  • 3,000 abelhas foram usadas na sequencia dentro da abóboda.


  • O artigo de jornal que Mulder lê ao final do filme (entitulado ""Fatal Hanta Virus Outbreak in Northern Texas Reported Contained") foi escrito pelo repórter Howard Dimsdale. O verdadeiro Howard Dimsdale ensinou aos escritores de Arquivo X Frank Spotnitz e John Shiban no American Film Institute e foi censurado na era McCarthy, quando, então, ele escreveu com o codinome Arthur Dales, nome que foi usado por personagens na série vividos pelos atores Darren McGavin, M. Emmet Walsh e Fredric Lehne.
  • Porque o slogan "Fight the Future" (Resista ao Futuro, em português) foi colocada logo abaixo do título no poster de lançamento, muitos fãs de Arquivo X o tomaram como um subtítulo. Ele ainda é usado entre fãs como um "nome de episódio" não-oficial, ao invés de chamá-lo "o filme".
  • O filme foi filmado em duas semanas durante o hiatus entre a quarta e quinta temporadas da série.


Vídeos dos Bastidores:






Making of:



Outros vídeos:

Tapete vermelho da premiere com entrevistas com David Duchovny, Gillian Anderson e Chris Carter.

Vídeo promocional com cenas do filme e entrevistas.

Beijo dos bastidores do filme.

Outra versão do beijo com a cena completa.

Gillian promovendo o filme em talk show.


Fontes usadas neste texto e mais informações sobre Arquivo X - O Filme:

IMDB

davidandgillian.net

Biglight


No próximo post, traremos nossos reviews do filme, quotes e mais informações. Até lá!

7 comentários:

Elizabeth disse...

Cara, eu vivi esse hype da estréia do filme, mas me sentia solitária pq não conhecia ninguém q gostasse tanto de AX cm eu. Teria ido sozinha ao cinema se não tivesse convencido aquele namorado da época, o Marcelo. Gostaria de ter conhecido todas vcs na época pra ficarmos roendo as unhas juntas pela estréia rs.

Vlw pelo post, o filme eh ótimo e David e Gillian estavam lindos e radiantes naquela época <3

Paula disse...

Amo esse filme assim como as temporadas de arquivo x. Sei que foi complicado adaptar o filme para todos, mesmo para aqueles que não assistiam a série, mas, como fã, me sinto grata por esse presente de um longa fazendo link entre a quinta e a sexta temporada. Gostaria que tivessem feito mais um filme para terminar a série.

Josilene disse...

Tb queria ter tido companhia tb... ou ao menos ter ido sozinha mesmo. kkkkkk

Idem, Paula! ;)

Beijos, povo!

Silva Junior disse...

Desculpem minha iguinorância + por favor eu to louco aki pra me lembrar ( eu assisti todas as temporadas quando era + novo ) agora minha irma + nova ta assistindo e eu falando com ela lembrei de 1 EP q os alienigenas ( q pareciam homens ) carbonizavam as vitimas ( nao lembro muito do EP nem sei se é so 1 ou tou misturando as coisas hehe ) eles colocavam 1 tipow de arma na nuca da vitima e ela se carbonizava eles tavam matando sistematicamente tipow o pessoal do alto escalao dos EUA tipow isso !!! alguem PELO AMOR DE DEUS LEMBRA DESSE EP ???? xD to ficando louco pq contei pra ela e n sei se oq contei foi babaquisse kkk...

XFILES disse...

Olá, Silva!

Este seria o episódio Patient X e The Red and the Black, da quinta temporada. Os rebeldes alienígenas juntando as pessoas que tinham sido abduzidas e então as incinerando... mas acho que aquele dispositivo que eles tinham bastava encostar em qq parte do corpo que já era. kkkk

Bom, ao menos eu acho que é este pela sua descrição...

Abraços!

Josi.

Silva Junior disse...

XFILES É ESSE MSM !!!!! Paciente X 5ª temporada EP 13 e 14 !!! VLW POR RESPONDER !!!! vc tirou 1 peso de min q nem imagina kkkkk Feliz d+ aki pq esses EP's ficaram na minha cabeça so q fragmentados ... eu lembrava de algumas partes + infelizmente nao dele todo kkkk vo assistir aki agora e MUITO OBRIGADO !!!!!

XFILES disse...

Por nada, Silva!

Olha... a gente já comentou esses eps aqui no blog... se quiser, depois de assistir aos eps, passa aqui e deixa suas impressões tb. ;-)

http://arquivoxepisodes.blogspot.com.br/2014/01/05x13-patient-x-paciente-x.html

Beijos!

Josi.