sábado, 1 de agosto de 2009

02x05 - Duane Barry (Duane Barry)

Roteiro e Direção: Chris Carter

Resumo: Um ex-agente do FBI mantém reféns e ao alegar ter sido abduzido, leva Mulder a acreditar em sua história. Ele duvida apenas quando Scully descobre que ele tem histórico de problemas mentais. O primeiro episódio de dois que marca a saída estratégica da atriz Gillian Anderson, que estava grávida.



Comentários:

[Star] Duane Barry marca o início da trilogia que deu ao Arquivo X, definitivamente, um lugar ao sol no campo da MITOLOGIA. Um episódio escrito e dirigido pelo Cabeça de Parafina, que nesse lance de direção já mostrou que "leva jeito pra coisa" logo de início... Esse episódio concorreu a três Emmys: roteiro, atriz convidada (aquela que faz a agente Kasdin) e fotografia. Uauuuu....

Tem o Mulder fragilizado com a idéia de encontrar alguém que TAMBÉM parece ter presenciado uma abdução. E o Duane é tudo que ele sempre quis, mas ficou com vergonha de pedir a Deus: ou seja, o cara foi abduzido, o cara tinha "marcas" e o cara tinha cara de doido. A Scully (uma Gillian estourando de tão grávida) corta o barato dele dizendo que o Duane tinha era problema mental....

E mesmo com o bucho no tamanho EXTRA-BIG ela vai ao encontro do Mulder para salvá-lo... chega lá no point do FBI e já quer mandar no lance.... Dá-lhe sculleeeeeeeeeeeeeeeee! Adoro a forma que ela fala com ele pelo "fone" (não sei se há um nome específico para esse "fone") ... e ele fica lá.. suando frio... ouvindo-a e tendo que dá atenção para o Duane.

Tem esse lance do Mulder usar colete (acho sexy).

Eu me simpatizo com o Duane... sério... acho-o tão sofrível... tão desesperado...

E tem o sequestro da Scully... uma cena maravilhosa... o Duane observando-a através da janela... e ela gritando: "mulderrrrrr"... é tudo. [/Star]

Acho que esta trilogia e as manobras que Carter precisou fazer sugerem que na série acabou acontecendo algo semelhante ao que houve na vida da Scully; explico: "Talvez eu queira a vida que não escolhi", diz Scully em All things.... acho que Chris acabou se beneficiando das manobras que precisou fazer e talvez ele queira a série que não escolheu... Os imprevistos acabaram fazendo de X Files o marco que ela se tornou... [Nay]

[Ariana] Eu amoooooooo a trilogia da abdução da Scully...

Uma coisa que aprendi tanto com AX, quanto com Poltergeist é que se a TV estiver fora do ar... danou-se!

Quem tem mais cara de louco?
Tá, eu tenho medo deste psiquiatra.





Ah, como o Mulder nada bem... Vejam a protuberância se elevando por sobre a água...




Em homenagem à Cleide (e a todas nós, porque MERECEMOS!!!). Reparem no Krycek se roendo de inveja... E também reparem no... bem, xá pra lá!



Adoro quando eles chegam e a Lucy Kazdin cumprimenta Mulder, que apresenta o Krycek... ao qual ela ignora! Ele só faz um imperceptível “hunf!”, como quem diz: “PQP, ninguém me enxerga nessa bodega?” Dançou, playboy!

Suponhamos que você é refém de um doido armado e em surto. Tu vai lá reclamar para ele sobre o fato de ter que passar a noite toda no chão? E o fulano que fez isso ainda tem a pretensão de se chamar “Bob”! Não faz jus ao nome! Mas já merece o que vai levar, bocó!

Mulder lá parolando com Duane, tentando levar ele na lábia e o cara, além de sacar tudo, ainda lhe descreve a técnica que está usando... “honestidade, cativação, contenção”. Vejam o olhar afetuoso que Mulder lança para a chata da Lucy Kazdin...

Mulder: “Alguma vez já conversou com um raptado, Agente Kazdin? Os ouviu contar sobre terem seu cérebro chupado pelas narinas?” – Ah, que história bonita...

E agora, quem poderá me ajudar???

A super-Scully-colorada!






O segundo momento edificante do Krycek neste episódio. Lá vai ele todo metido falar com a Kazdin, se oferecendo para ajudar, ela pergunta seu nome, se tem um caderninho de anotações e ele crente que tá com a bola toda... até ela lhe mandar trazer um capuccino com baunilha! PLÁH! Ficou com cara de bolinho. Mas... será que ele pegou?

Se eu estivesse lá, teria me oferecido para revistar o querido... ai, ai... E faria com eficiência!




Lucy: “Escute. Não tente se identificar com ele”. – Ah, mas tu não conhece mesmo o Mulder, hã?

Quando vejo as lembranças do Duane a respeito de suas abduções, em particular esta, penso em mim mesma na cadeira do dentista... Me solidarizo contigo, fio!



Eis que se ouve um burburinho... (que não condiz com o tamanho da pessoa que o está provocando)

Agente Rich: “Espere um segundo”. – Eu não esperaria se fosse tu.
Scully: “Não. Não entende. Vim de Washington”. – Teria mais efeito se tu dissesse que veio de Piraporinha, Scully.
Agente Rich: “Temos um problema”. – Não, você ainda não sabe o que é ter um problema, mas está pedindo pra descobrir.
Scully: “Deixe-me falar com o encarregado”. – Tipo: “é, não falo com pouca merda”.
Krycek: “Calma, Scully”. – Vixe, a mulher quase deu um salto nessa hora.
Scully: “Não vou me acalmar até que fale com alguém”. – Olhar fuzilante.
Kazdin: “Qual o problema aqui?” – Ou: “quem é a xiliquenta que tá armando esse rebu todo?”.
Scully: “Sou a Agente Especial Dana Scully, tenho informação vital para as negociações”. – Agora saiam do meu caminho, que eu é que mando nessa bagaça!

Sempre me emociona quando, em meio à tensão e atmosfera de insanidade reinante no diálogo entre Mulder e Duane, ouvimos de repente, a voz clara e suave da Scully: ”Mulder, sou eu”.


Eu sinto como se apenas o som da voz dela tivesse o efeito da água no deserto para o querido... E percebemos como, apesar de divergirem, ele leva em conta o que ela diz, tanto que até ela lhe dizer que o Duane pode não ser o que ele imagina, ele não havia duvidado.

Também me toca o momento em que a Kimberly diz o Duane que acredita nele. Imagino o efeito dessas palavras para ele. Sempre senti muita pena dele. Por toda a sua solidão.

Scully: “Ás vezes, quando você quer acreditar tanto, acaba procurando demais”.

L. Kazdin: “Com aquele final, seja lá qual for a sua impressão de como foi administrado, eu não lhe agradeci por ter ido lá e arriscado sua vida”.
Mulder: (risadinha)
L. Kazdin: “O que?”
Mulder: “Não sei. Pensei que tivesse me chamado aqui para me dar uma bronca”. – Tadinho, é só o que recebe...

Tá, a Piper judiou da Gillian, mas precisava fazer uma franja nela? PLÁH! no Jassa!





Olhe nestes olhinhos e me diga se existe alguém mais fofíssimo que eu, Scully. Quem me resiste?




Ver a Scully fazendo compras no supermercado... Não tem preço! Isso me faz pensar nas compras do home... *-*
Muita semente de girassol na lista.

Scully, fia, tu tá sem ombreiras, hã? Tá parecendo o Didi. Tá que ela tava grávida, mas tinha que aumentar ainda mais a mulher?



Caixa: “Você encostou em alguma coisa?”
Scully: “Não sei o que houve”. – Pilantrinha! Ainda deu no pé rapidim! (Não tem câmera neste supermercado não?)

E o final surpreendente e perfo (como vocês dizem).





Sempre levo um susto com a imagem da cara do Duane na janela da Scully. Porque me lembra um livro da Agatha Christie que me causou uns pesadelos na infância. Sai daí, Duane! Deixa a Scullynha em paz!

Mas a cena dele sequestrando a Scully foi meio tosca. Ela se arrastando pelo chão... até eu conseguiria dar um chute nele! Tá, a Gilli tá grávida, mas a Scully não! Ficou estranho e nadica Scully-fu! Pode ser maldade, mas vê-la neste momento me faz lembrar sempre de uma baleia encalhada.

Definitivamente, o ouro deste episódio são as cenas da agência de viagem. Há! Pensaram que eu ia falar do Mumu (como diz a Fritas) de sunguinha vermelha? Bem, taí uma coisa que não há R$ que pague. Todo o diálogo entre Mulder e Duane, entrecortado pelas recordações dos testes sofridos... é de uma perfeição e tensão, que chega a ser sufocante. Em diversos momentos, me vejo sem saber em quê acreditar deste relato. Por um lado, é impossível não se sensibilizar com todo o sofrimento vivenciado por este homem, ao longo de uma série de abduções, as conseqüências e perdas que estes eventos ocasionaram em sua vida, inclusive psíquica. Além do absoluto pavor que isso venha a lhe acontecer novamente, o que é compreensível.

Ainda assim, ou justamente devido a isso, à sua fragilidade mental, duvidamos. O que é real? O que é delírio? Como a Scully disse, ele não é quem o Mulder imagina. Mas quem é ele, então? Um louco ou uma vítima? Só sei que a paranóia de um foi ao encontro da paranóia do outro. Vemos como foi imediata a identificação do Mulder com a história do Duane, precisamente pelo que ela lhe fala de mais pessoal, da sua perda, a eterna ferida do querido... a abdução de Samantha (mala). [/Ariana]


[Josi] E temos início a trilogia da abdução da Scully... Afinal, Piper precisava vir ao mundo, né? :D

Não tem shots, mas a cachorra do Duane parece ser a mesma de Ice, né? rsrs A que é de CC?

Os gritos de Duane são realmente aterrorizantes!





Posso dizer uma coisa? Nesta época, o pessoal fazia um monte de documentários sobre ets e tal... Nossa! Este cenário da abdução do Duane era exatamente algo que me fazia ir dormir de luzes acesas. E este ator é excelente! O tempo inteiro, não apenas nesta cena, a gente sente o medo dele... Aquela sensação de estar com uma faca pendendo fragilmente acima de sua cabeça (ok, eu ouvi essa expressão ontem de Maya... hihihi Me deixem! Aff).

Ah, outra coisa que eu lembrei é que a forma de abduzirem o Duane é basicamente a mesma que usaram pra levar o Mulder em Réquiem... Nenhuma evolução em 15 anos, hum? rsrs

Uma coisa que eu pensava enquanto via o episódio é como a gente pode saber ou julgar quando a pessoa é doida. Como nossos pré-julgamentos do que é a realidade pode comprometer este tipo de diagnóstico?

Eu pensava nisto até que...

UAU!!!!
Gente! Mulder se joga dentro do guarda-roupa, né? Vermelho com verde? OMG! kkkkkkkkkk Ok, eu sei, eu sei... QUEM SE IMPORTA??? :D


Como se mantém o foco com este tipo de imagem? *suspira*





Notaram como o Krycek não inspira a mínima confiança, né? Mulder chega e é imediamente ouvido (assim como a Scully o é depois), mas o outro é totalmente ignorado... Minha irmã assistiu comigo e perguntou quando o Mulder daria uns tapas no Krycek... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Adorei! Pena que ele não pôde fazer isto desta vez.

Agente Rich: "Precisamos de alguém que pareça entendê-lo." - Chamou a pessoa certa, fio... mas esqueça a parte do "parecer", ok?

Nossa! Amo o fato de Mulder nunca hesitar em deixar claro no que ele acredita. Querem rir? Dane-se! É a verdade e isso é só o que importa.

Ai, que dó! Vá buscar o café dela logo, vá! hauahuaa





Enfim, quando Mulder vê que o pessoal de lá está escondendo informações, ele corre para pedir ajuda a sua parceira verdadeira, Scully. Claro, né? Afinal... Krycek = ninguém. Ninguém = Krycek...

Está lá Mulder, ouvindo tudo o que ele sempre quis ouvir e a Agente Lucy tenta fazê-lo mudar de atitude com o Duane. "Você está alimentando sua psicose". Fia, fale para a parede se mover que talvez você tenha mais sorte... Até a Scully ele ignora às vezes. (Own... lembrei de IWTB: "Estou tentando te ignorar")

Imagine só... Para Mulder, Duane era como um sonho se tornando realidade. Parecia um autêntico abduzido, alguém com quem ele realmente queria se identificar; uma história que ele realmente queria ver provada e divulgada. Claro que ele não iria querer o cara morto como queria o pessoal do FBI.

Ok... vou começar a cantar algum mantra do tipo: "Mantenha o foco... Mantenha o foco..."




Sabe... eu tenho pena de uma das reféns, a Gwen. Coitada... Quando Mulder começa a conversar com o Duane, ela faz uma cara como quem diz "Legal! Agora temos dois doidos aqui!". E a cara do Dr quando eles começam a falar dos testes? Aff... Ok... eu sou má e tenho vontade de rir, mas a cara de desespero que ele faz é engraçada! O que eu posso fazer? Tipo, ou é mentira e ele vai ficar nas mãos de um maluco ou é verdade e ele tá ferrado mais ainda!

Enfim, voltando a lembrar da abdução de Mulder na oitava temporada... Ele agora sabe de tudo aquilo que Duane conta, né? Tadinhos deles... Nenhum teve a sorte da Scully de esquecer de tudo.

Notem como Duane fala comumente na terceira pessoa, obviamente numa tentativa (inconsciente?) de se distanciar daqueles acontecimentos. O cara estava realmente aterrorizado... Não à toa.

Alguém me diz que neura é essa dos aliens de fazerem buracos nas pessoas? Pôxa! Os caras podem viajar anos-luz no espaço, mas exames não-invasivos não existem? Aff!

Então, me liga a Scully e quem atende? O asqueroso. Ela pergunta por Mulder como quem diz "Porque tá se metendo, idiota?" e quando ela descobre o que houve com Mulder, o semblante dela muda completamente.

Scully, irritada em ter que falar com um asno. Sai da frente, seu bocó!
Scully: "Não me mande ficar calma!" - Pois, é! Quem ele pensa que é?
Own... lembrei que Mulder fica igualmente irritado em Redux II quando ele não consegue informações sobre a Scully no hospital... fofis.

Scully: "Mulder, it's me." - Nossa! É o céu! Até a gente fica mais calmo.

Vejam como com os argumentos corretos, Mulder faz tudo o que a Scully sugere. Com a ajuda dela, ele mantém o foco (minha dificuldade agora... rsrs) e faz o que deve que é libertar as reféns. Como ele diz em Fight the Future, ela o mantém honesto. Perfo.

Depois de tudo, Mulder vai até o hospital achando que ia levar bronca (tadinho), mas o que ele recebe são provas melhores do que as que ele pensava que tinha com os relatos de Duane Barry. Ele quase sai flutuando...

Na verdade, eu acho que ele só voltou ao chão depois de falar com a Scully. Ele fica meio assim com o que ela fala, mas... Nossa, Mulder, você ainda não se acostumou a teimosia da ruiva?


Ei... Alguém duvida que a Scully tenha ido fazer aquelas comprinhas só pra tentar passar a coisa na máquina? Má! kkkkkkkkkkkkk

Amo como a Scully não mostra acreditar em nada daquilo, mas isso não é motivo pra ela deixar a coisa de lado. Ela vai fundo, checa todas as suas dúvidas.

E somos deixados apenas com os gritos de socorro da Scully na secretária eletrônica de Mulder...




[/Josi]

Quotes:

No hospital:

Mulder: Como ele está?
Kazdin: Duane? Quase o perdemos, mas ele está estabilizado. Seu estado é crítico. Eu chequei o histórico dele junto ao bureau. Ele era exemplar. Seu acidente foi um mistério. Atingido pela sua própria arma numa batida de drogas, deixado para morrer na floresta. Ele nunca foi o mesmo. Perdeu tudo... esposa, filhos, casa...

Mulder: A linha tênue da sanidade.
Kazdin: Na verdade, eu o chamei aqui por outro motivo, Agente Mulder. Uh... nos raios-x, o cirurgião encontrou vários pedaços de metal. Em suas gengivas, nas cavidades nasais, e um em seu abdômen. Eu os chequei, senti que você gostaria de saber... há pequenos buracos em seus molares. Um dentista que o examinou disse que não poderiam ser feitos com quaisquer equipamentos usados hoje em dia... não sem quebrar ou danificar o dente. De qualquer forma... eu achei que você deveria saber.

Em Quântico:
Scully: Isto pode ser um estilhaço de bala. Duane Barry foi ao Vietnam.
Mulder: Estava exatamente onde ele disse que estaria, Scully. Junto de gengivas e nas cavidades nasais.
Scully: E você acha que foram implantados?

Mulder: Bem, se foram, significaria que Duane Barry está dizendo a verdade.
Scully: Ou alguma versão da verdade.



Outras Imagens de Duane Barry:

Duane Barry

Mulder (o quê? Ainda querem uma legenda decente? ahhh)

Lembranças de Duane

Primeiro "TO BE CONTINUED", que, para não destoar dos outros, nos mata de apreensão




Scully: "Muldeeeeeer...... I need your help... Muldeeeeer........"

7 comentários:

Bracho disse...

Nossa, eu nunca me canso de ler coisas sobre AX...acho que nunca me cansarei. É fato que eu tenho medo de todos os psiquiatras...kkkkk e sim, as cenas de Mulder não precisam de legenda...apenas de suspiros...

Penso que assim como Scully talvez queira a vida que não escolheu, AX se tornou este sucesso extamente por causa disso: quis o caminho que não escolheu...

Lívia Ribeiro disse...

PQP!!!Essa trilogia da abdução da Scully é um dos meus episódios preferidos!!Foi neles que comecei a ser shipper!!hhehehehe E eu tbm tenho dó do Duane, dó mesmo!!
Aquele psiquiatra me fez ter medo tbm, sei lá, lembrei de alguns bichos esquisitos de filmes antigos de sessão da tarde....credo...hehehehe
Pra mim a cena mais apavorante foi o rapto da Scully mesmo....que agonia...pra mim, uma das cenas antológicas de Arquivo X....
Ótimo post como sempre!!!Bjimmmmmmmmmmmmmmmmmmm pro ceis!!

Yanne Celly disse...

A primeira vez que vi esse episodio fiquei bastante assustada ele é bem maluco, mas as vezes consegue ser verdadeiro. Ou eu sou um pouco Mulder disposta a acreditar em tudo.....kkkkkkk.

Acho que o que sinto mais falta em AX é ouvi-los, é tranquilizante a forma como ela e ele se identificam.

Af! Ele de sunga.....sem comentários.

Beijão meninas como sempre vocês foram demais!!!!!!!

Josilene disse...

Oi gente! Vcs são ótimas!

Eu tb não me canso nunca de ver/ler/escrever/falar AX, Bracho! Sou viciada, sei disso e não quero me livrar dele! \o/

Lívia! Tb não sei como alguém pode ver estes eps e não se tornar shipper (se já não for)! rsrs

Yanne... pois eu sou mais como a Scully: duvido de tudo. kkkkkkkk

Bjão, pessoas! Vlw pelos comentários! Como sempre, eu os adooooooooro!

Ariana disse...

Ai que engraçado, eu não tinha lido este! KKKKKKKKKK

Star, este "E o Duane é tudo que ele sempre quis, mas ficou com vergonha de pedir a Deus" em relação ao Mulder ficou muito "ai, me leva"! Fatão! Se não conhecesse o bob... quer dizer, não conheço, mas a fama viaja... :D

E revendo este ep - eu amo e revejo sim! - quase gritei pra Scully, jogada no chão, tentando se desvencilhar do Duane: "Vai, Willyyyy" rsrs

janaX disse...

Caraca pessoal,esse ep é simplesmente perfeito e o post ficou igualmente perfeito!!!Gente essa triologia é o que há em matéria de suspense,terror e uma boa dose de...de...sabe né Josi...a sunga vermelha...er...sem palavras.Duane Barry(dessa vez eles não inventaram nenhum título mirabolante)é um dos melhores eps da Segunda Amada Temporada,uma das melhores histórias contadas em AX até então,o que era para ser uma saída emergencial para resolver o afastamento da Gigi(chamo minha Gillian assim,KKKK)acabou se tornando um grande marco dentro da série que a elevou a um patamar acima da onde estava até então.Se ali o Throll e sua trupe já imaginavam a Mitologia como um todo ou se foi à partir dali que ela se criou,sei lá mais achom que nas três próximas temporadas a Mitologia meio que criou vida própria...era tudo tão maluco mais tudo se encaixava perfeitamente ao mesmo tempo,muito louco,muito mágico,muito bem conduzido!!!Agora vamos falar sério...vocês quase me mataram de rir lendo esse post!Putz as conclusões e elogios à respeito do Kricek,KKKKKKKKKKKKKKKKK eu amei tudo que falaram sobre ele,principalmente na história do café,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK que corte que ele levou da policial(na verdade não me lembro nem o nome nem o que diabos ela era ali na história do seqüestro KKKKKKKKKKKK)mais enfim,bem feito pro rato do Krycek,levou todos os tocos que merecia!!!Não consigo deixar de novo de lembrar da fic da Syntax...ai ai queria ler ela de novo!Também tenho pena do Duane,mais também tenho um misto de medo e raiva dele por conta do que ele faz com a Scully,e por conseqüência o Mulder too!O início é muuuuito bom com os ets cercando a cama de Duane e a luz invadindo todo o quarto...cara muito tenso!Mais dai como disse a Josi eis que a próxima cena é a da piscina!Não sei...é bem na verdade eu sei bem mais...cara...que potência...quero dizer...no nado,voc6es me entenderam né!?Enfim quase morri quando ele levou a Scully na primeira vez que assistí (afinal na época não sabia da gravidez da Gillian!),quando ela ficou fora até pensei que seria por mais tempo pois eu tava assistindo a oitava ea nona junto com a segunda e tudo simultâneamente na Fox e como o David tava fora na maioria dos eps pensei, sei lá, que talvez a Gillian tivesse ficado um tempo afastada da série ou algo assim.Hoje eu tenho que rir da minha ignorância mais na época vou te dizer Josi,foi muuuuita apreensão,muita aflicão e muitas teorias furadas!Cara enfim esse ep junto com a Ascencão e Por um Fio são muuuito bos e sempre Dão muito o que falar!!!D+ esse post,ainda tô rindo da cara do Rato Krycek KKKKKKKKK!!!Até...

Josilene disse...

Jaaaana! *abs*

Sim... esse ep é bom demais! Eu tinha que rever a série toda! *.* Mas é tanta coisa pra rever e tanta coisa nova pra ver... errr.... e os posts pra fazer. kkkkk Eu chego lá, gente, eu chego lá. muahh

Rapaaaz! A mitologia não foi um acidente não! Nem foi o amor entre MS... tá que talvez CC tenha cedido finalmente ao amor romântico pq nao tinha mesmo mais como segurar... mas o amor deles sempre esteve ali. *.* Vcs precisam ver outras séries pra saber o que é sofrer com gente incompetente e maldosa (gleeeee) e com criadores que não tão nem aí pra romance (hooouse - mas nesse caso eu concordei em gênero e grau com shore-meu-amado... apenas acho que poderia ter durado um pouco mais a coisa:P). hihihi

Mas eu tenho mesmo muita pena de Duane... qto mais eu penso, mas pena eu tenho... nem todo mundo é como Mulder que prefere sofrer a colocar outras pessoas no fogo...