domingo, 28 de janeiro de 2018

11x02 - This (Isso) Reviews


Direção: Glen Morgan
Roteiro: Glen Morgan

Sinopse: "Um velho amigo procura Mulder e Scully de uma forma que parece ser impossível, revelando um arrepiante segredo."




Comentários


[Cleide] Bom, primeiramente, gostei demais do ritmo deste episódio, criado pelo roteiro excelente e bem amarrado. A música de abertura já dá o tom, a dica deste ritmo frenético que se desenvolverá, e sem dúvidas, o episódio já começa com tudo! E segue de evento em evento, de forma que quando percebemos, já está acabando.

É muito nostálgico observar no início cada detalhe do “home” de Mulder, coisinhas que quem conhece as linguagens e símbolo da série identifica um a um, e como Scully está à vontade naquele espaço. E a ligação de um homem morto há 16 anos? Foi uma maneira excelente de trazer de volta os Pistoleiros Solitários sem causar furos de roteiro e de começar o episódio de maneira muito instigante.

O tema central do episódio: perfeitamente crível! Eu não duvido que as grandes elites bilionárias – os donos do mundo – piscariam para escravizar as grandes mentes que habitaram o planeta, para fins totalmente egoístas, ou seja, abandonarem o barco e deixar todo mundo ir para o inferno de mãos dadas... sem dúvidas, quando esgotarem todas os recursos, e as previsões para o planeta forem irreversíveis, algo do tipo vai acontecer a não ser que mudemos muito nossos paradigmas como humanidade. 

Outro elemento bem trabalhado: as várias instituições que tentam competir por poder no mundo atual, e como diz Skinner, instituições que mantém um relacionamento promíscuo entre si e ao mesmo tempo tentam se destruir umas as outras... perfeito! Arquivo X dentro da teoria da complexidade contemporânea. 

É bem como Mulder coloca: eles achavam as coisas complexas em 1994 (quando Deep Throath foi assassinado), quem diria que em comparação com agora, aqueles tempos eram simples... realmente, Mulder e Scully podiam se dar ao luxo de, em sua jornada romântica, buscar “ A Verdade” (com letra maiúscula), hoje em dia, quem se arvora a dizer que existe uma verdade?

E o que mais irônico do que os Arquivos X terem sido escaneados e publicados? Putz, durante a série o povo matava pelos arquivos... os tempos são outros!

As coreografias das cenas de ação, foram tão boas! Mulder e Scully tão poderosos, ativos! É curioso, como se nos anos da juventude, eles fossem mais intelectuais (apesar de que Scully não pensava duas vezes antes de atirar, de fato) e agora eles estejam mais durões, espertos, e experientes, claro! Aquela cena em que eles sobem as escadas, e começa a luta neste espaço,  foi sensacional!

O lance do upload de consciências, referenciando o episódio “Kill Stwich” da quinta temporada... quem diria que Langly também tinha sua história de amor? Uma pena que todo mundo foi enganado neste negócio, por motivos escusos.  Mulder, esperto como a raposa que é, utiliza  o papinho para cima da conspiradora (para ganhar tempo enquanto Scully destrói o servidor) “barganhando” um possível upload dele e Scully (genial!), e massageando o ego da tal Erika, dizendo que ver sua máquina seria o mais perto que poderia chegar de Deus, tantos anos de experiência, aprendeu a manipular os megalomaníacos por seu ponto fraco. Tenho de dizer que adorei ele ter dado um coro naquele russinho atrevido!

A interação de Mulder e Scully está tão afinada, a dinâmica dos dois no passado, era muito legal, por causa das opiniões opostas. Mas havia aquela coisa da juventude, de sempre deixar marcado seu ponto de vista, de disputar – mesmo que amigavelmente, de ter razão... se tem uma coisa que a maturidade ensina, é que ter razão nem sempre é o mais importante, então, é muito pertinente ver Mulder e Scully tão relaxados, até mesmo leves, sobre os casos, muitas vezes se entendendo só de olhar um para o outro, e se permitindo estar entediados ou irritados com algo, se permitindo ser mais humanos.

Esta interação traz os momentos mais legais: todo o enigma no cemitério, e o diálogo de “quem precisa de Google quando tem Scully”, outras pessoas comuns, nunca encontrariam aquela pista... francamente! Mas foi muito Arquivo X. A cena em que Scully “seduz” o guardinha para ela e Mulder utilizarem a passagem entre os prédios, e descaradamente o dispensa depois de terem atravessado. Scully cochilando num buteco copo sujo enquanto Mulder hackeia o celular.  E os dois, depois de acabarem com o servidor, e Mulder usar todo seu kung fu, e aparecer acabadasso na porta... mas sem um arranhão. E finalmente, eles entrarem em casa no final, começarem a arrumar, e jogarem tudo para o alto, e se sentarem para descansar! 

Agora, 25 anos de Arquivo X, alguém achava que quando eles voltassem àquele andar, haveria alguém ou alguma máquina para contar a história? Só fazem isso para ficar com cara de pastel mesmo! E finalmente, é lógico que a destruição daquele servidor não ia eliminar o sistema, não é mesmo? Conseguirão fazê-lo até o fim da série? Quem sabe... [/Cleide]


[Jackie] De minha parte posso dizer que a magia de arquivo X voltou com tudo, estou revivendo toda aquela magia, a ansiedade, o frenesi dos velhos tempos. Mas, o que dizer deste segundo episodio? 

Logo no início do episódio temos um contra ponto, vemos nossos heróis num momento de relax alternando com a cena de um carro em alta velocidade e uma música eletrizante ao fundo, nos dando a ideia de que a calmaria não durará por muito tempo. Dito e certo, logo nossos heróis são tirados de um sono tranquilo e começam momentos de pura ação e adrenalina.

Mulder e Scully mostram que ainda estão bem em forma, nooossa que reflexo! Lembrei daquele papinho deles no episódio “home agian” de que estavam velhos e tal, balela, mostraram que ainda tem muita pilha pra gastar!

Agora fiquei com dó mesmo dos dois correndo no meio da noite pela floresta, tentando escapar da morte sem a menor chance de voltar pra casa. Imagine a cena: você esta em casa relaxando com seu par perfeito e de repente sua casa é invadida por homens fortemente armados e de um minuto ao outro você se ver fugindo deixando tudo pra trás... Isso sem falar do susto de receber uma mensagem no celular de alguém que já morreu há mais de uma década, sinistro heim?

O episódio também nos mostra como o mundo mudou nesses 25 anos de arquivo X, antes o objetivo deles era esconder a sete chaves os arquivos, sendo capazes até de matar, e Mulder e Scully eram duramente ridicularizados então vemos Skiner dizendo aos agentes que os arquivos foram digitalizados para que todos tenham acesso a eles. Desde quando os arquivos X eram fonte de informação e pesquisas?

O que é o Mulder dizendo para voltarem ao prédio com mais agentes para apreenderem tudo só pra depois ficar com cara de pastel vendo que tudo que estava ali ganhou pernas e sumiram, Ai, ai, tanto tempo e Mulder ainda não aprendeu? 

Partes que Amo ver:
• a química perfeita de David e Gillian;
• Os flertes entre Mulder e Scully do inicio ao fim do episódio;
• A forma como eles pegaram as pistas deixadas no cemitério;
• Scully chegando ao prédio, levando Mulder como prisioneiro, acho que o carinha deve ter pensado: “Nossa, essa mulher é poderosa!” Tão pequena carregando um homenzarrão daquele! Lembrei-me do Frohike dizendo: “Ela é quente!” 
• Mulder se mostrando a raposa que é, enrolando a talzinha da Erika;
• Quando Mulder entra na sala do servidor para encontrar Scully, pensei nossa finalmente vai rolar alguma coisa, aqueles olhares dizem muuuito... Daí, Mulder se sai com um “achei que ia vomitar”, fala sério!

Observação: Acho que Scully depois de um tempo resolveu deixar pra lá toda a desorganização que Mulder proporcionava ao home, percebeu que era melhor se acostumar ou então iria pirar. Ô homezinho bagunçado...! [/Jackie]


[Josi] Segundo episódio da 11ª temporada de Arquivo X e deixa eu dizer: estão arrasando MUITO! Eu até que gostei bastante da 10ª também, mas nessa até agora tá tão mais no clima que a série costumava ter antigamente... eu digo que isso se deve logicamente ao fato de que os diretores/roteiristas/produtores foram dar uma pesquisada melhor em como fazer Arquivo X de novo... mas dentro da história, Scully está mais leve e tranquila... todo aquele peso que ela carregava com relação ao filho perdido ficou mais fácil de carregar. Afinal, ela acabou de ter notícias do menino. Tudo bem que foi através de pesadelos com premunições do fim do mundo, mas acho que depois de 15/17 anos, a pessoa aceita o que vier.

Em This, especialmente, Mulder e Scully estão super próximos e conectados... ao ponto de passarem uma parte do tempo algemados um ao outro (hummm). É lindo ver a forma como eles trabalham aqui... como uma equipe. Duas mentes brilhantes com um só objetivo. Glen (roteirista e diretor do episódio) comentou em uma entrevista que na 10ª temporada eles erraram em separar Gillian e David durante os episódios pois os dois são incríveis juntos. Eu só me surpreendo que eles só tenham reparado nisso agora. Eu não descarto o valor de em alguns momentos separar os dois personagens pois ambos são muito diferentes e suas jornadas de autoconhecimento e evolução não podem ser as mesmas. No entanto, é a interação entre eles que faz de Arquivo X algo tão fascinante.

O episódio começa de uma forma que me lembrou de Home. Três homens com intenções assassinas seguindo num carro com música alta, dessa vez, no entanto, é um rock dos Ramones. Interessante como esses novos inimigos de Mulder e Scully não estão nem um pouco se importando em mantê-los vivos. Na verdade, a ideia é tirá-los do caminho mesmo. Os dois tão fofinhos cochilando juntos no sofá... no aconchego e na tranquilidade de seu lar... não fosse por Langly, talvez os dois estivessem era muito bem mortos agora. Sorte que eles obviamente passaram esse tempo que estavam fora do FBI treinando lutas corporais e conseguem sair das mais doidas situações na porrada!

Engraçado que quando Langly aparecia nas promos nesse celular dizendo que "eles sabem que eu sei", todo mundo achou que ele se referia a William. Afinal, tudo nessas últimas temporadas é sobre esse garoto. Mas o que realmente aconteceu é que ele se envolveu em algo realmente muito sério e precisa da ajuda de Mulder e Scully.

Queria muito entender o que diabo Skinner tem. Estão Mônica e ele lesando do lado do Canceroso e/ou dessa corporação. Como assim se render a um pessoal que chega na sua casa quebrando tudo, homem? Depois disso, ele ainda acha que eles vão entrar no carro com ele. Adoro que nenhum dos dois se mexe quando Skinner chama. Mas ele deu dinheiro e uma ferramenta (quando foi isso???) para os dois usarem na fuga. Agente duplo da melhor espécie.

Ah, a cena do cemitério é uma delícia. Muito legal os dois tentando decifrar um possível código para descobrir alguma mensagem escondida ali para eles. Scully se amostrando com seu conhecimento geral e suas piadinhas e Mulder amando cada segundo. Quando eles enfim acham o que estavam procurando, a gente (e pelo visto eles também) sabemos enfim qual o nome do primeiro informante de Mulder, o Garganta Profunda. Seu nome era Ronald Pakula.

Como Langly teria deixado pistas em um cemitério que ele sequer sabia que seria enterrado? Eu acho que ele deixou instruções para alguém. Talvez a moça que iria com ele... ou algum daqueles meninos que andavam com os Pistoleiros na época, sei lá.

Mulder, Scully e comida sempre foi algo incrível, não é? E agora ainda não é diferente. Muito fofo eles comendo aqueles bolinhos, fazendo piadinhas e Scully roubando um pedaço do de Mulder.

"Em um Arquivo X? Os mesmos arquivos que estão no nosso escritório? Aquele que a gente não pode ir? Aqueles Arquivos X? Ok." - Ninguém disse que seria fácil, Scully!

"Como chegamos a isso?" - Skinner. Sério, amigo? Sua pergunta é essa? Ah, poupe-me!

O fato é que Skinner arrumou de digitalizar todos os arquivos. O que eu acho que é algo realmente muito legal. Super prático e seguro no caso de incêndio (!!!), por exemplo. Imagina eles podendo fazer consultas por palavra ali dentro? Scully não teria tido dificuldade em achar o que Mulder precisava em Folie a Deux. O problema é dar acesso a uma empresa privada pra isso. Argh. Muito bom esse foco que Arquivo X tá dando sobre o fato de que empresas privadas também são ruins e tem seus próprios objetivos escusos.

E a próxima pista está muito bem escondida dentro de uma pasta de... err... indecente de Frohike... que parece conter material relacionado à Scully. Eca eca eca! Que bom que era apenas um disfarce.

Quando Mulder e Scully chegam até a doutora mencionada por Langly, nós descobrimos que... quem diria... Langly era um romântico. Tão romântico que esqueceu sua fobia por ter sua imagem, voz etc na internet por uma chance de passar a eternidade ao lado de outro alguém. Fofo. Pena que não deu nem um pouco certo. E isso fez até com que a moça fosse morta.

Scully: "Acho que ele viu Mulder em seus sonhos"
Mulder: "E quem não vê?" - Mulder... pelo amor de Deus, fique quieto! hahahaha

Mais uma coisa que é totalmente Arquivo X é Scully dormir em qualquer lugar sob qualquer circunstância. Fofo. Enquanto ela dorme, Mulder usa seus conhecimentos em Phreaking (ato de hackear celulares). Em seu muito tempo livre, ele também aprendeu isso. Yay Mulder!

Mas ele não precisa ir muito longe pois Langly aparece no celular novamente. E descreve o que à primeira vista parece ser maravilhoso... mas que é, na verdade, muito sujo. A empresa que tinha prometido o céu pra eles, usa suas mentes como escravos virtuais, utilizando seus conhecimentos para qualquer que seja seus objetivos.

Nota: eu entendo Langly. Meu céu particular seria sempre ter novos episódios de Arquivo X e David e Gillian nunca brigarem. Ops.

Ei... mas o que é Mulder aproveitando toda oportunidade pra flertar com Scully? No bar, era dizendo o quanto ela estava fofa ali dormindo; no ônibus, como ela estava bem... hummm....

Ela estava mesmo bem... tanto que quando chegaram no tal prédio, o carinha lá ficou dando em cima dela. Rapaz... o bichinho era até gato, mas abusaaaado.

Já lá dentro, depois de Mulder continuar com brincadeirinhas fofas feliz da vida com a parceira dela, eles acabam sendo atacados e se separam, pois somente Scully consegue escapar. Enquanto ela segue pra destruir a tal máquina, Mulder é levado para Erika Price (price = preço... amo). Mulder dá uma bela enrolada na mulher enquanto ganha tempo, informações e consegue ser levado até Scully de novo.

Mulder luta tão melhor agora... e anda tão mais esperto... mas não o suficiente pra saber que eles desapareciam com tudo e que, sendo algo digital, eles teriam outras cópias de todo o sistema.

Ai, gente... Quando Mulder entra na sala onde Scully está, eu tive aquela sensação forte de que eles iam se beijar... mas daí Mulder vem e "quase vomitei". Ok, né? Ser fã de AX é para os fortes!

Ao final, eles voltam pra casa e de volta ao cochilo no sofá apenas para novamente serem acordados com o desespero de Langly e o danado do assassino desta vez aterrorizando aquele outro mundo.

Gostei demais desse episódio. Usar algumas ideias já vistas em Black Mirror mas com um novo olhar foi muito bom. A ideia de nossas mentes serem jogadas num mundo virtual onde viveríamos para sempre sendo felizes parece mesmo ótimo. Mas sendo todos nós humanos temos que encarar a realidade de que isso não seria um conto de fadas. Ter lucro e explorar o outro sempre bate mais forte nas mentes de quem tem o poder de criar uma realidade assim. Em Arquivo X mesmo algo assim já foi visto em Kill Switch, mas ali eles faziam upload de suas mentes para o ambiente selvagem e livre da internet. Claro que não era melhor do que uma fantasia mas era certamente mais seguro.

E como já falei lá no começo, a camaradagem e o clima de flerte entre Mulder e Scully faz esse episódio ainda mais delicioso de se assistir. Espero que eles mantenham esse clima o máximo possível.

Algumas curiosidades e observações:
- Ainda não descobri o porquê desse episódio se chamar This (Isso).
- Na foto dos Pistoleiros na casa de Mulder, há uma quarta pessoa. O sujeito é conhecido como THIS MAN. Procurem saber sobre ele... é uma história interessante.
- O dispositivo de autodestruição do celular de Mulder usa um alien dando xauzinho. Muito fofo!
- Enquanto Skinner mexia nos Arquivos X, vemos a foto de um personagem que vai aparecer nos próximos episódios.
- Quando eles estão no ônibus aparecem dois dos filhos de Gillian. O menino loirinho que está atrás de Scully é o Felix e o menino que está na frente de Mulder é Oscar.
- A frase da abertura é novamente modificada, desta vez para "ACUSE SEUS INIMIGOS DO QUE VOCÊ É CULPADO". Botem no google a frase em inglês e vejam a quem ela é atribuída e divirtam-se. [/Josi]

http://annefong.tumblr.com/post/169575647616/he-loves-her-and-theyre-married


Comentários de Gillian no twitter:




"Eu mesma faço todas as cenas de ação. (sqn)


"Eu machuquei meu quadril deslizando pra baixo da mesa. Batendo no chão, sendo velha!"


"Praticar, aperfeiçoa"


"Sim, somos fodões"


"Por que ele está usando um chapéu do FBI?"


"Porque sua cabeça do FBI estava com frio"


"O departamento de arte usou os nomes de pessoas da equipe para os túmulos, incluindo nossa produtora Julie Ng e minha filha, Piper"


"A fala da bunda do alien foi improvisada por mim. Não sou engraçada?"


"Piper desenhou isso"


"Prometo que meu cabelo atual não foi inspirado no de Langly"


"Melhor trabalho de figurantes na história de AX (meus filhos!)


Vídeos do episódio:








Bastidores:








A música que toca no começo do episódio, California Sun - Ramones:


Fonte dos Gifs: x x x 

3 comentários:

Paulo Ricardo disse...

Episódio muito bom, ágil, com ação do começo ao fim, e a química de Mulder & Scully intacta, estou gostando muito dessa temporada, bem melhor que a décima em vários aspectos, mas principalmente no relacionamento Mulder/Scully que juntos são um espetáculo à parte na série, agora na espera do episódio 5 que também promete...

Marcelle Rodrigues disse...

Esse epi foi muito divertido!

Anônimo disse...

Arquivo x com cara dos anos 90 e a melhor coisa que existe.Parabéns para vocês que mantém esse blog por tanto tempo.