sábado, 24 de abril de 2010

Relacionamento Mulder & Scully - Segunda Temporada

A segunda temporada começa com o relacionamento profissional e a amizade entre Mulder e Scully já bastante sólidos.


Logo de início, o episódio Homenzinhos Verdes nos dá mostras de como a relação entre nossos dois protagonistas tinha progredido. Eles os tinham separado de departamento e nem assim conseguiram afastá-los. Todo o esforço de Scully para despistar seus perseguidores e ajudar Mulder em Porto Rico é arrepiante... É emocionante saber que na fita que Mulder gravava e para quem falava com tanta intimidade era a Scully.

É muito bonito ver os dois tão cúmplices e saudosos dos "bons tempos"! Os ciúmes da Scully por Mulder ter um novo parceiro... Quem poderia imaginar que a nossa amiga ruiva era tão possessiva?

Um fato que marcou esta temporada e que mudou os rumos da série de forma irreversível foi a gravidez de Gillian. Sua abdução e quando ela volta quase morta são momentos marcantes tanto para a mitologia quanto para o relacionamento entre ela e Mulder.

Já no final de Sem Dormir, percebemos aterrorizados que algo estava para acontecer com Scully, que se tornara uma ameaça...

Krycek: "Scully é um problema muito maior do que você descreveu."
Cança: "Todo problema tem uma solução."

Ninguém há de discordar que a trilogia da abdução da Scully foi um divisor de águas na série, especialmente para os shippers. Até então, a gente não conseguia mensurar o quanto a vida de Mulder mudou com a chegada de Scully, o quanto ele estava envolvido pessoalmente com ela, e não apenas profissionalmente.

Em Duane Barry, Mulder entra totalmente na loucura do pretenso abduzido, só reconsiderando o perigo que corre quando ouve a voz de sua parceira no ponto no ouvido. David Duchovny é genial, a gente vê a mudança nos olhos de Mulder quando Scully diz "Mulder, It's me...".

O final é inesperado... A gente fica com o recado da Scully na secretária eletrônica do Mulder repetindo na cabeça: "Mulder, I need your help... Muldeeeerrrr".

Em A Ascensão, é de cortar o coração ver Mulder ouvindo este recado e imaginando tudo o que pode ter acontecido, o que Duane fez com ela, a cada evidência que ele encontra: a mesa quebrada, o sangue, os fios de cabelos ruivos...


Mulder fica totalmente transtornado, numa corrida contra o tempo para salvar a parceira, e tudo parece querer o impedir: querem tirá-lo do caso, Krycek o atrapalhando o tempo todo... a gente sente a angústia que ele sente.

No final da perseguição, chegando ao topo da montanha, ele encontra apenas a correntinha da parceira... O episódio acaba com ele olhando para o céu, passando para nós toda a solidão e o desespero contido que ele sentia naquele instante.

A Trindade mostra um Mulder depressivo, insone e sem se importar com sua própria segurança, mesmo estando com os Arquivos X de volta. Saudades? Medo? Solidão? Culpa?

Então vem o decisivo One Breath... perfeito! Nele, vemos Mulder totalmente desnorteado, ao ponto de nada mais importar se não houver mais a Scully no mundo. No início, ele se mostra até irritadiço, porque a família dela já tinha desistido de encontrá-la. Depois, quando a encontram, ele não se conforma com o diagnóstico, chegando ao ponto de não se aproximar dela, por negar totalmente a realidade que lhe expunham.

Desesperadamente, ele segue só ouvindo negativas: os amigos pistoleiros solitários dizem sentir muito, mas o processo era letal e irreversível; o senador nem o recebe; o X diz que só pode lhe dar vingança; Mulder até mesmo encara o Canceroso sobre o assunto... E nada...

Desolado, Mulder resolve pedir demissão do FBI. Quem imaginaria isso no início da série? Mas ele está tomado pela culpa. Estranhamente, nosso querido acha que deveria ter sido mais claro com ela acerca dos perigos que eles corriam. Ele ainda não sabia (nem a Scully sabia...) que ela iria até o fim do mundo com ele.

Sem mais esperanças, Mulder se agarra no conforto fugaz de uma vingança, mas ao ser confrontado pela sensível Melissa, que lhe diz o quanto a sua irmã precisava dele junto a ela, que ela merecia saber o que ele sentia e que ele também merecia entender os seus sentimentos, ele desiste da ilusão daquela vingança e vai passar o que ele acredita ser os últimos momentos de sua parceira junto à sua cabeceira.

Ao chegar em casa e notar que até mesmo o seu direito à vingança ele perdeu, ele desaba e chora... e aquele era um choro de quem perdeu tudo o que realmente tinha importância em sua vida. Então, quando o telefone toca e ele sorri, aquele sorriso, além de nos dizer tudo, traz um enorme alívio!!! Ela sobrevivera!

Foi um toque de mestre, e de grande sutileza, Scully voltar naturalmente, de um processo brutal e irreversível só por sentir a presença de Mulder... Como ela mesma diz, ela buscou forças no que ele acreditava.


Após essa experiência, a vida dos dois agentes foi unida e mudada para sempre. Eles voltaram à ativa, mas certamente o laço que os unia se tornou bem mais profundo. A gente vai percebendo no cuidado, nos gestos e no respeito... até mesmo na medida de Mulder entre protegê-la e respeitar seu espaço de mulher forte.

Irresistível é outro episódio marcante e que mostra justamente isso. Scully confia profundamente em seu parceiro, mas não quer que ele se preocupe, não quer que ele ache que precisa protegê-la...

É linda a cena final, quando finalmente Scully deixa cair suas reservas e chora nos braços do Mulder, mostrando que ela também é frágil e também pode se quebrar.

Em A Colônia e Fim de jogo, com medo de perder sua parceira de novo, Mulder chega ao ponto de colocar em jogo a vida de alguém que ele acredita ser sua irmã SAMANTHA! Imagina... se a busca da vida toda dele era encontrar essa irmã, como ele poderia trocá-la pela Scully? O que se supõe é que ele tem mais medo de perder a parceira do que a irmã...

Para fechar a segunda temporada com chave de ouro, temos Anasazi. Mulder se comportando estranhamente... Scully chegando a extremos para salvá-lo: atirando nele, atravessando o país em busca de respostas...

E no final, ela ainda acha que o perdeu...


Pequenos momentos shippers dos episódios:

Little Green Men: Scully procura a Mulder e no estacionamento diz que eles não precisam se encontrar às escondidas. Ele grava as informações sobre o caso em uma fita como se estivesse falando para ela.

The Host: Scully incentiva Mulder a continuar com o caso e o ajuda mesmo sem estar oficialmente designada como sua parceira. Eles se encontram num lago simplesmente para conversar.

Blood: Scully viaja cerca de 500 Km para ajudar o seu antigo parceiro, Mulder.

Sleepless: Scully se mostra enciumada com o fato de Mulder ter um novo parceiro. Eles conversam no telefone como se não quisessem nunca desligar.

Duane Barry: Mulder acredita piamente em Duane até que Scully põe em dúvida a sanidade do suspeito.

Ascension: Mulder fica totalmente chocado com o sequestro de sua parceira e arrisca a própria vida na ânsia de salvá-la.

3: O desolamento de Mulder no início, na sala dos Arquivos X pegando a correntinha da parceira e a utilizando. Na cena final, quando ele, exausto pelo caso, senta, segura o crucifixo e fica o olhando o horizonte como se estivesse em outro lugar...


One Breath: Mulder mostra uma preocupação e uma devoção muito além da profissional com sua parceira. Aí que se firma totalmente a importância que um tem para com o outro.

Firewalker: Mulder se mostra preocupado com a volta de Scully ao trabalho e quer poupá-la daquele caso.

Irresistible: Scully diz se sentir mal em decepcionar Mulder, querendo parecer forte mesmo quando perturbada.

End Game: Confiança recíproca posta em prova. Scully reconhece o verdadeiro Mulder apenas ao ouvir a sua voz pelo telefone. Mulder põe sua irmã em perigo na esperança de salvar sua parceira.

Dod Kalm: Vemos que eles se importam tanto um com o outro que, mesmo em seus últimos momentos de vida, ambos pensam no bem-estar do outro primeiro!

Anasazi: Scully atira em Mulder para salvá-lo de cometer um grave erro. Quando acorda, limpo das drogas que lhe davam, ele entende e agradece o que ela fez.


Confiram também o Relacionamento de Mulder e Scully na primeira temporada!

5 comentários:

Fritas disse...

Ouxe...q bodega de série linda, né não???
Parabéns, meninas!!!Arrasaram!!!
E a terceira temporada vai ser ainda melhor...tem um sequência de episódios lá perto do meu amado CLYDE, q é mara...se bem me lembro...

Bjos!!!

Yanne Celly disse...

Quando eu pensei que todas as emoções tinham terminado...vixê vcs vem com essa!

Não tenho o que falar!Tô muda e olha que isso é difícil.kkkkkkk

obrigada meninas!depois de dias sem net!isso foi um presente!
bjim pro ocês!

Elizabeth disse...

De colegas a parceiros, de parceiros a amigos e de amigos a amantes, ao longo das temps de AX, deu pra ver a dupla M&S ir de uma a outra fase, de modo discreto, mas sem hesitações. Pra mim, a 2a. temp já começa mostrando que os dois agentes já tinham conquistado a confiança um do outro em definitivo e que a partir de então, aquela forte amizade do finzinho da 1a. temp, já tinha ido pro saco e que os dois estavam se apaixonando pra valer a cada ep. Vejo isso muito claro a partir de "Sem Dormir", com aquela cena da conversa meiga ao telefone entre os dois agentes, entregando o ouro com a sutileza que só DD e GA conseguiriam (sério, nunca mais vi um casal de atores com aquela química...). One Breath, então, é definitivo no assunto. O mais legal dessa temp (e da série inteira, ops, enquanto tinha M&S) é que nem as estórias sinistras que rechearam a 2a. temp não esconderam esse climão entre os dois. Perfeita,como o resumo escrito lá no post!

Josilene disse...

Nem sei mais o que escrevi aqui... kkkkkkkkkk Mas... enfim... não sei se tinha amor aí ainda nao... eu lembro que eu tinha o meu headcannon bonitinho de qdo eles tinham começado a se apx e tal... Mas... acho que aí ainda era uma amizade desproporcional devido a natureza do trabalho deles... simmmm, eu sou exigente com meus bbs! kkkkkkkkkk

Elizabeth disse...

Tb acho, mas a coisa já estava esquentando, pelas cenas shippers que foram aparecendo, é fato!